quarta-feira, 12 de abril de 2017

O BOM E O MAU LADRÃO

Começo com um aviso aos ouvintes e leitores desta crónica: se o recurso à ironia perpassa muitos textos de forma mais ou menos velada, com intenção até de criar equívocos que podem ser sempre desculpados com a coincidência, embora eu prefira chamar-lhe habilidade em aproveitar beneficamente as circunstâncias, esta crónica é quase toda ela declaradamente irónica. Inspira-se no regresso de Isaltino à vida política institucionalizada e imbui-se do espírito pascal da semana, evocando a parábola dos bom e mau ladrões que, dizem, acompanharam Jesus Cristo na mesma sorte de sentença pela crucificação.
Não tenho grandes dúvidas de que há por esse país fora muitos autarcas (mas não só) que tendo exercido a tempo inteiro, de alma e coração, suor e lágrimas, funções políticas por definição nobres e imprescindíveis, estejam profundamente saudosos das mesmas. O ritmo alucinante que as responsabilidades de tais funções exigem, à partida, deixa uma espécie de síndrome de abstinência. Alguns conseguem ultrapassá-la, outros contorná-la procurando formas de exercerem o mesmo cargo após hiato ou alteração geográfica legalmente possíveis. A Isaltino Morais não terão sido alheios alguns destes sintomas, sobretudo quando amparados por uma legitimação popular expressa no voto, felizmente democrático.
Mas, quer queiramos quer não, e pese embora muitas vezes o valor do conjunto não ser qualitativamente o mesmo que a aritmética soma das partes, a eleição política, em diversos âmbitos institucionais, diz-me muito mais sobre os eleitores do que sobre a pessoa eleita. Até porque, naturalmente, sobre o eleito e enquanto convicta adepta e praticante do voto, tenho por hábito formar a minha opinião enquanto ela ou ele é ainda elegível, independentemente dos resultados que obtenham e que, natural e democraticamente, aceito mesmo quando não gosto. O aceitar é um gesto orgânico por isso dinâmico que, nalguns casos, faz sobre-valer a atitude pontual de bom senso à má impressão do resto da atitude e do comportamento assumidos.
Nesta Semana Santa de uma tradição que distingue o culpado que se arrepende do culpado que tenta o tráfico de influência com Jesus para escaparem todos, solidariamente, da pena, através de uma parábola que na arte de bem contar ganharam os nomes de respectivamente Dimas e Gestas, revejo a atitude esquizofrénica da opinião pública considerada na sua massa informe e indistinta, aquela que, para além do sistema democrático, também permite à ciência e à técnica evoluírem, isolando apenas pontual e excepcionalmente os que são dissonantes desse comportamento do colectivo: os primeiros que, antes de ser provada a culpa ou comprovada a inocência, já estão a crucificar uns proactivamente à aplicação da Justiça, são os mesmo que, depois da Justiça condenar por provas dadas de crime e, cumprida a pena ou parte dela, reintegram na sociedade os que se viram privados de nela participarem durante o cumprimento da sentença. E isto, cristãos ou nãos, só pode deixar uma alma descansada, certo? Embora talvez um pouco baralhada e quase tentada a querer crer que num outro tempo para além da vida, onde nada se passará assim, será um amanhã que canta, num reino que não é deste mundo. Eu cá prefiro aproveitar a Páscoa para interromper por breves horas alguma rotina e provar um bom docinho feito de ovos, do que acreditar que o anjinho ou o diabinho que se sentam um em cada ombro de uma alma que dê ouvidos a esses serzinhos, algum dia se vão derrotar um ou outro e deixar a alminha em paz. Bom mesmo, é poder não dar ouvidos a essas vozes e encontrar a conduta que, mesmo solitária e pesada, nos traça um caminho duro mas sem penas. E que é o que desejo a todos os meus amigos, sempre. A todos os ouvintes e leitores, os meus votos de uma boa e santa Páscoa!

Cláudia Sousa Pereira (crónica na rádio diana)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.