terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

SALVAR O MUSEU DE ÉVORA

As transferências de competências do Estado para as autarquias locais nos últimos anos, sem alocação de meios e recursos, têm-se revelado, em muitos casos, um atentado à autonomia do poder local, porque as autarquias se veem estranguladas com competências que não deveriam ser suas tornando-se incapazes de prestar respostas eficazes e úteis aos cidadãos, ao mesmo tempo que revelam uma profunda desresponsabilização do Estado.
Gostaria que ficasse claro que considero que as autarquias desempenham um papel fundamental na nossa democracia, e que deverão ser estas a decidir sobre os destinos dos seus territórios em conjunto com as populações, mas a transferências de competências de sectores públicos nacionais desvirtuam o propósito para o qual as autarquias existem e colocam à mercê da política de cada Concelho aquilo que deve ser de domínio público nacional.
A mais recente transferência de competências enviada pelo Governo transfere para os órgãos municipais a gestão e conservação de museus não classificados como museus nacionais. É o caso do Museu de Évora que passa assim a poder ser gerido pela Câmara Municipal de Évora. Tal facto, desvirtua totalmente o propósito do Museu e desvaloriza a sua riqueza. Um Museu que inclui coleções patrimoniais representativas de várias partes do território nacional que, apesar de não classificado como museu nacional, não é, de todo, apenas representativo do nosso concelho. Porque deverá ser a autarquia do Concelho de Évora a gerir este património?
Mais, atribuir esta competência a um município endividado e com escassos meios é condenar o Museu de Évora a um definhamento mais do que certo.
Valorizemos as competências dos municípios, saibamos respeitá-las e não nos deixemos iludir com supostos empoderamentos das gestões municipais que não são mais do que a total desresponsabilização do Estado Português.
Até para a semana!

Bruno Martins
(crónica na radio diana)

15 comentários:

  1. Sobre as transferências de competências do Estado para as autarquias o PS/Évora nada diz,como sempre, veja-se o caso da linha Sines-Caia no tempo de Sócrates,os "Figurões" do PS gostam aparecer na comunicação social,tratar da vidinha,serem dirigentes distritais ou concelhios para assim conseguirem lugares de relevo no aparelho de Estado.

    Consta que a luta pela eleição (no final do ano) para a CCDRA,está ao rubro ,os tronchos,os Patinhos e as Elsas "esgatanham-se pelo lugar(sempre são cerca de 7000 mil euros),assim vai este PS na região,afinal sempre assim foi , comigo este PS numca mais conta.

    ResponderEliminar
  2. Em vésperas de eleições autárquicas PS nomeia uma militante para vice-presidente da CCDRA,o que diz disto Prof.Patinho(lider da distrital)?

    Vale tudo,assim não ..............

    ResponderEliminar
  3. Memória curta?

    A praça de touros (propriedade de privados) foi requalificada pela gestão Socialista(obra que orçou em vários milhões),a gestão socialista afirmou na altura que Évora passava a ter um pavilhâo multiusos(não passou de uma mentira).Os milhões gastos dava para requalificar o salão central e o Garcia de Resende.

    ResponderEliminar
  4. As próximas Autárquicas vão decidir o futuro do actual governo,se a CDU tiver um resultado negativo(perda de Èvora,Beja ou Barreiro) o governo de Costa chegará ao FIM.

    ResponderEliminar
  5. Os dirigentes da região Alentejo do PS tem que optar se querem ganhar cãmaras a CDU,ou manter os cargos nos vários organismos do estado(onde ganham mais do que numa autarquia),para não falar da CCDRA(a partir de janeiro quase 7000 euros).Camaradas não podem querer Tudo.

    ResponderEliminar
  6. As Câmaras não têm competência para as responsabilidades que lhes vão ser atribuídas, resultado da futura transferência de
    competências do Estado central. Nem dinheiro.

    ResponderEliminar
  7. A dita "descentralização de competências para as autarquias", que anda a ser preparada, não é mais do que o reconhecimento da incapacidade do Governo para exercer essas responsabilidades, seja por falta de recursos financeiros, seja por falta de meios humanos.

    O governo quer passar as suas responsabilidades sem juntar os recursos financeiros necessários, tal como já fizeram outros governos com as escolas.

    Derramar lágrimas de crocodilo sobre este assunto, como se fosse um problema local da CME, ou é ignorância ou hipocrisia. Afinal, não fica bem apontar ao alvo que até apoiamos.

    ResponderEliminar
  8. O PS/Évora podia ter um Bom candidato a Autarquia,o Prof.Dr.Bravo Nico,um Homem que conhece bem Évora,que vive e trabalha no concelho.

    ResponderEliminar
  9. Dr.Bernardino Páscoa,figura bastante conhecida em Èvora seria uma excelente escolha para liderar uma equipa autárquica,gente que não é do aparelho.....é tempo do PS escolher pessoas que não estão agarradas as direcções e concelhias,gente capaz de fazer pontes e trabalhar com todos.

    Bernardino Páscoa e Bravo Nico são os mais bem posicionados para essa tarefa num tempo em que as pessoas já não acreditam nos carreiristas,(tronchos,Fernanda Ramos e Patinhos).

    ResponderEliminar
  10. Memória Curta?

    Todos estes nomes que para aí andam a ser propalados não passam de tralha Socratiana,estamos Fartos rebentaram com o País,com a autarquia(90 Milhões de euros em divida) foram condenados pela justiça(na pessoa do seu lider autarquico) e continuam a defender Bravos,Patinhos e outros por favor........Basta de Socratismo.

    ResponderEliminar
  11. Memória Curta?

    Lembra-se do grande complexo desportivo a ser feito na herdade da Silveirinha,apadrinhado pela gestão Socialista,tudo não passou de uma negociata imobiliária com um fim trágico.Nem complexo desportivo e o maior clube do Alentejo arruinado.

    ResponderEliminar
  12. O PSD convidou Paulo Neto, professor da Universidade de Évora para cabeça de lista e está a aguardar resposta. Parece um nome forte ...

    ResponderEliminar
  13. Memória Curta ?
    Então o Bravo Nico não é um homem do aparelho do PS ? Recordar que foi director regional da educação ( nomeado pelo governo PS ) e que a seguir foi deputado pelo PS à AR. Há memórias curtas, sim . Para presidente de Câmara pelo menos ficávamos com um tipo de ar rústico, de patilhas e capote bem ao jeito alentejano. Para além disso , vejo poucas vantagens, é uma personagem apagada, sem carisma que percebe do nicho de educação a que se dedicou, e pronto.

    ResponderEliminar
  14. O PS gente de Èvora a candidato a Autarquia Tem o Bravo Nico,O Bernardino a Cláudia e pouco mais,por favor não venham com os Tronchos,Fernandas e Patinhos essa gente já é passado.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.