quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

DEMOLIDORAS

Assistimos na semana passada a várias cenas de televisão com demolições de um bairro clandestino de barracas no concelho da Amadora. Houve o caos óbvio, houve os espectadores participantes, houve as vítimas resignadas, houve as vítimas a choramingar por causa de outros que um dia poderão ser eles próprios. Houve relatos na primeira pessoa, houve diz-que-disse. E houve um pequeno coro de deputados da Assembleia da República que foram carpir aos microfones e câmaras da televisão.
Não é minha intenção subestimar a pobreza que se espelha nestes exemplos de pessoas que continuam a viver em condições sub-humanas. Não é minha intenção afirmar que, por magia, se resolvem agora problemas de décadas sobre a habitação social. Não é minha intenção isolar este problema da habitação dos outros problemas a ela associados, como o desemprego, a desestruturação de redes familiares e sociais, os comportamentos de risco, o descuidar da saúde. Não é minha intenção dizer que não se deva dar a conhecer aos telespectadores as realidades duras em que vivem sectores da sociedade, reflectindo uma inesgotável fonte de miséria desde há séculos, e que parecem ainda mais chocantes quando o caminho do progresso social até tem levado a que muitos destes ciclos de segregação social se tenha quebrado. Estas vidas são elas mesmo demolidoras da imagem de uma sociedade tão evoluída em tantas outras áreas.
Falo de toda uma cultura, como modo de estar, pensar e agir, que não escolhe sectores da sociedade para um “deixa andar”. Com a quantidade de associações, ONG, instituições que reúnem enormes esforços solidários em todos os concelhos e muitas freguesias, falo de uma cultura que aceita a miséria como uma inevitabilidade, a que a vitimização, própria ou também ela à sua maneira solidária, nada ajuda e que parece não levar a recorrer ao que está disponível, numa inércia incompreensível e que nos desperta sempre a desconfiança da ilegalidade e do crime, tantas vezes injustamente.
Falo de uma forma de fazer comunicação social que não procura o suficiente para nos dar a nós espectadores a informação de que se dizem especialistas. Ao ver aquelas imagens perguntava-me quando teria sido decidida a demolição, com que medidas adicionais, para além da natural e louvável acção de erradicar estas barracas a que alguns continuam a chamar casas, qual teria sido a posição de todos os vereadores sobre este assunto, o que constaria dos relatórios técnicos que levaram a esta decisão política… Bem sei que nem todas as Câmaras Municipais fazem rimar as formas de comunicar com a transparência a que estão obrigadas, mas estes assuntos constam normalmente de uma agenda pública e são discutidos e decididos em reuniões públicas. Demolidor da informação cabal, este tipo de tratamento noticioso.
Mas falo também de uma forma de fazer política que leva deputados da Assembleia da República a ultrapassar os eleitos locais, alguns até da mesma cor política imagino, protagonizando o dito coro de lamúrias e lembrando outra espécie de atitude, pertencendo ao tipo dos abutres que ficam à espera que uns matem, outros esfolem e eles tirem o seu proveito. É o tipo de maneira de fazer política só ultrapassada, na escala do bem-fazer-ao-mal-comum, à política do boato, essa sem dar cara nem voz e, só por isso, mais difícil de desmascarar. Mas que as há, há! E são demolidoras do que é Política a sério.
Até para a semana.

Cláudia Sousa Pereira (crónica na radio diana)

6 comentários:

  1. Espero que a Senhora Professora não faça parte da equipa apresentada pelo PS,continue a fazer as crónicas e a dar aulas,livre-se desta rapaziada que tomou o partido.

    ResponderEliminar
  2. Calma companheiros............o partido em Èvora não acaba por ter esta Senhora no seu comando.

    ResponderEliminar
  3. Faça uma crónica sobre as alegadas investigaçöes na junta de freguesia de s. manços e s. vicente do pigeiro...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pela primeira vez, na história portuguesa, uma junta de freguesia adquiriu tantos bm's. Viva a presidente!

      Eliminar
  4. O PS profundo deve e pode apresentar uma candidatura Alternativa a este desastre.Força companheiros,não deixemos cair o partido nesta comédia protagonizada por esta rapaziada sem Ideias e Valores de Esquerda Socialista.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.