quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Em reunião pública de 28 de Dezembro: CME aprovou discussão pública da proposta de Regulamento do Complexo Desportivo de Évora


A​ Câmara Municipal de Évora aprovou a abertura da discussão pública da proposta de Regulamento do Complexo Desportivo de Évora com os votos favoráveis da CDU e do PS e o voto contra do PSD, tendo o Vereador justificado a decisão pela sua não concordância com a proposta.
No período reservado ao público, responsáveis e sócios do Clube de Rugby de Évora manifestaram as suas preocupações quanto a uma possível prática do futebol no Complexo e criação de marcações no campo para tal modalidade, uma vez que, afirmam, deixaria de poder ser utilizado em competições internacionais. Solicitaram ainda que, até à entrada em vigor do Regulamento, não sejam tomadas quaisquer decisões quanto à referida matéria.
O Presidente da Câmara Municipal de Évora, Carlos Pinto de Sá, reafirmou o propósito da Câmara de abrir o Complexo a todas as modalidades, mas tendo primazia o rugby e o atletismo, ainda que não em exclusividade. Afirmou que a prática de futebol seria somente a nível da formação e que apenas houve contactos quanto a eventuais marcações do campo. Disponibilizou-se para fixar por escrito as garantias dadas ao Clube de Rugby e para reunião conjunta com o Clube e Instituto Português do Desporto e Juventude, o dono deste espaço gerido pelo Município.
Indicou ainda que a proposta de Regulamento é passível de ser alterada, pois na fase de discussão pública que agora se inicia, qualquer pessoa ou associação pode formular as suas propostas que depois serão avaliadas, existindo ainda o debate e aprovação em reunião pública de Câmara e posteriormente em Assembleia Municipal, antes da publicação em Diário da República.
No período antes da Ordem do Dia, foi ainda abordada a urgente necessidade de reparação do caminho da Garraia e o Presidente deu conhecimento do acordo a que chegou a Câmara e as Águas de Lisboa e Vale do Tejo para pagamento de dívida de água que estava em Tribunal, em que o Município conseguiu negociar a baixa de juros e a extensão do prazo de pagamento.
Foi aprovada por unanimidade a seguinte calendarização das reuniões públicas de Câmara que vão continuar nos mesmos moldes e horário (15 horas) até outubro de 2017 – ocasião em que haverá novas eleições autárquicas - e ter lugar nas seguintes datas: Janeiro (18); Fevereiro (1 e 15); Março (1,15 e 29); Abril (12 e 19); Maio (10 e 24); Junho (7 e 21); Julho (5 e 19); Agosto (2,16 e 30); Setembro (13 e 27); e Outubro (11 e 25).
Aprovação unânime mereceu também o início do procedimento de elaboração do Regulamento Interno do Mercado Municipal de Évora e o Acordo de Colaboração entre a Direção Regional de Cultura do Alentejo, o Município de Évora, a União de Freguesias de Nª Sª Tourega e Nª Sª de Guadalupe e a Paróquia de Nª Sª Assunção da Tourega para intervenção na Igreja da Tourega.
Uma alteração ao Anexo I do Contrato de Concessão de Distribuição de Energia Eléctrica em Baixa Tensão/Protocolo entre o Município de Évora e a EDP Distribuição foi aprovada por unanimidade. Esta alteração propiciará a instalação progressiva de equipamentos modernos nas redes de iluminação pública mais adequados às exigências da eficiência energética e da economia de custos, sem por em causa os níveis de iluminação aconselhados.
A candidatura do projecto de adaptação do Palácio de D. Manuel foi submetida com sucesso e ratificada a decisão do Presidente da Câmara sobre a aprovação do referido projecto. (Nota de Imprensa da CME)

7 comentários:

  1. Tem o campo de futebol onde treinou a Seleção a meia dúzia de metros deste , não estraguem um complexo como este na porcaria do futebol , tem mais uns quantos campos em redor deste , é pá , será que desporto em Évora é só futebol ?

    A CME de Évora alugue aquele campo e meta transporte organizado desde o parque campismo até ao mesmo para jogarem as bolas todas de uma vez !

    Jorge

    ( ciclista )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A CME já paga para que os meninos do rugby usufruam daquele espaço, construído com dinheiros públicos ! A CME não tem que suportar tudo ao rugby em exclusividade ! Naquele espaço tanto cabe o rugby , como o futebol de formação , é tudo uma questão de bom senso. O estádio onde a seleção jogou é privado, é da SAD do Lusitano, o complexo desportivo é público o que significa que é para todos , ainda que o rugby possa ter prioridade não tem exclusividade !Quer exclusividade? faça como tantos outros clubes da cidade : construa um campo e impeça os outros de lá jogar. Estes meninos do rugby ainda não perceberam que o campo não é deles, tá difícil de compreender.

      Eliminar
  2. Pergunto se esta em marcha um novo projecto de colonização medieval?Junto das piscinas 40 tendas foram montadas,formou-se ali uma lixeira de toda a espécie de porcaria,tem ordem do presidente,na lateral Avenida das Fontanas mais do mesmo e tem ordem do presidente para ficarem,Cheiram me a negócios Russo Racha claro na porta dos outros!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E pá, desculpa lá, mas e anda sei contar, e a última vez que o fiz, eram 5 as tendas, dai para 40 ainda vai um valor muito elevado.
      Estar contra é uma coisa, aumentar o seu número já é mentir..
      im, concordo em absoluto, para quando a CME, ou qualquer outra entidade que tenha competência para tal, acaba com este rogabofe???
      É que se estes novos colonos não forem incomodados, qualquer dia Évora torna-se a cidade dos novos colonos e todos aqueles que andam errática-mente pelo nosso país, vem até cá, pois não é fácil a sua instalação e parece que Évora, está mesmo a jeito...

      Eliminar
  3. Já se refletem pela cidade, a chegada desses "colonos". Pequenos furtos, embriaguez pública, aumento de lixeiras a céu aberto, problemas de trânsito devido a circulação errática de veículos de tração animal...
    A câmara fecha os olhos, e a polícia passa ao largo...

    ResponderEliminar
  4. A PSP só pode intervir a pedido da autarquia,as zonas ocupadas são propriedade da autarquia.
    Na vista Alegre as laranjas e os limões voam, os contentores do lixo volta e meia são despejados para a via publica,constantemente batem as portas a pedir,estes colonos vão terminar mal,a paciência esta no limite,senhor presidente acorde para realidade!

    ResponderEliminar
  5. O Clube de Rugby podia ter feito o mesmo que tantos clubes já fizeram : construir o seu próprio campo e pagar as despesas inerentes à sua manutenção, como fazem o Santo António, o Sport Lisboa e Évora, os Canaviais, o Clube de Ténis, o Lusitano, o Juventude etc, etc. Mas não ! Os betinhos acharam que devia ser o erário público, sim financiamento europeu também é erário público, a pagar tudo para os senhorecos praticarem a sua modalidade favorita, sem que outros lá possam pôr os pés. Ora, façam-me o favor ! Querem exclusividade ? Arranjem um campo, como os outros, façam dele uma gestão privada e deixem de nos chatear ! Se querem que os dinheiros públicos paguem a água, a luz, os balneários, a criadagem para manter tudo limpo e arrumado, não podem querer ser os únicos a usar um campo daqueles. No concelho de Évora não há outro campo de relva sintética onde os miudos possam jogar à bola e que seja gestão pública. Então estes miudos não têm direitos , como os do rugby ? Uns são filhos e outros enteados, querem ver?

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.