quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

As ondas do populismo

A polémica em torno da administração da Caixa Geral de Depósitos e as posições que foram sendo assumidas e publicitadas sobre o assunto, deverá tornar-se num caso de estudo sobre como o populismo bem manipulado pode levar a consequências negativas, parecendo que se está a perseguir um objectivo de justiça.
Como nos livros policiais, aqui também é necessário descobrir a quem aproveita o crime, para se perceber quem são os suspeitos mais prováveis.
É óbvio e evidente que o liberalismo reinante nunca engoliu a existência de um banco público. Só alguém muito distraído poderá não perceber que o principal objectivo de PSD e CDS com a questão da declaração de rendimentos é a fragilização do banco público para abrir caminho à sua privatização.
Imaginam o PSD preocupado com a promiscuidade entre gestão pública e negócio privado? Imaginam o CDS preocupado com o valor do salário de um banqueiro? Claro que não. Seria necessária demasiada imaginação.
O governo cometeu erros de palmatória, o banqueiro esteve-se nas tintas para o interesse público e entendeu que a defesa da sua posição pessoal era mais importante e os justiceiros anónimos foram atrás de frases incompletas, meias verdades e sentimentos de injustiça.
Li e ouvi, gente que não admite que se metam na sua vida (e bem) a querer conhecer os rendimentos e os interesses dos administradores da Caixa. A questão deixava de ser a entrega da declaração para passar a ser a publicidade da mesma.
A onda foi crescendo, alimentada convenientemente pela comunicação social do costume, até se tornar tão grande que a tentação de a cavalgar se tornou, para alguns, impossível de resistir.
Que fique claro, entendo que os administradores deveriam ter enviado as declarações de interesses e rendimentos ao Tribunal Constitucional e acho indecoroso o salário negociado com o banqueiro que preside ao conselho de administração.
Mas alinhar numa campanha de desestabilização do banco público com o objectivo de cavalgar uma onda de popularidade imediata, parece-me não fazer qualquer sentido.
O resultado está à vista, com a Caixa passar por maiores dificuldades e alguns a salivarem perante a possibilidade de abocanharem os restos do banco público.
Muito se fala de populismos crescentes por esse mundo fora, que a eleição de Trump parece ter ajudado a multiplicar.
Lamentam-se e não aprendem nada com o que vão observando, continuando a guiar a sua acção pelo que parece um ganho político imediato alicerçado na exploração de um sentimento generalizado de injustiça.
Esquecem-se que quem forma as ondas onde gostam de surfar, são os donos deste mundo, que vão manipulando os surfistas da “popularidade” enquanto deles precisarem.
Até para a semana

Eduardo Luciano (crónica na radio diana)

6 comentários:

  1. Sr. Eduardo,

    questiona a legitimidade das acções da sociedade em geral tendo em vista a precaução da "promiscuidade entre gestão pública e negócio privado"?

    PELOS VISTOS DEVE ASSOBIAR PARA O LADO ENQUANTO VÊ UM LADRÃO NA SUA CASA?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ou entao manda a mulher espantar o ladrao com a vassoura de tao cobarde!

      Eliminar
  2. O governo cometeu erros de palmatória,erros???O ministro das finanças e primeiro ministro prometeram António Domingues um brutal ordenado e isenção da declaração de rendimentos o tribunal constitucional. António Domingues bateu com a porta por incumprimento do acordado,não foi o psd nem o cds que criou o contrato com ilegalidades,só a cegueira politica de um vereador viajante o pode afirmar!

    ResponderEliminar
  3. O ex Secretario Geral do PCP teve um discurso reles. Investigaçao cientifica? Aplicaçao nada!? Sabe a poucochinho...

    ResponderEliminar
  4. Pior "cego" somente AQUELE QUE RECUSA VER. BURRO E QUER QUE OS OUTROS TAMBEM SEJAM

    ResponderEliminar
  5. Populismo é o que o António Costa anda a fazer há um ano.
    Em campanha eleitoral permanente, promete o céu e ri-se.
    E os outros partidos de Esquerda apoiam.
    São todos populistas.
    Aquilo a que as Esquerdas chamam populismo é a política séria e de rigor que está a marcar posição por todo o Mundo civilizado.
    O Trump já ganhou, os Estados Unidos vão avançar.
    Na Europa a Esquerda vai perder poder. Na Inglaterra já perdeu.
    Na Áustria e na Itália é já amanhã.
    Na França e na Alemanha é para o ano.
    O ditador de Cuba morreu.
    O PCP está inquieto. Veja-se o Jerónimo de Sousa no Congresso a disparar para todos os lados. Já começa a sentir que foi um erro apoiar o Costa. Está a ficar azeda a guloseima que engoliu há um ano. Não seja guloso!
    A Esquerda mamona que se cuide. Vai perder a mama. Não há pão para malucos. Vai ter que trabalhar.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.