quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Orçamentos

Orçamentos são documentos que servem para gerir o dinheiro que se tem na aplicação daquilo que se faz ou quer fazer.
Quando se quer fazer mais do que o dinheiro que se tem ou se pensa vir a ter, há que ir buscar fora, pedindo emprestado e contraindo dívida que, de uma maneira ou de outra, tem de se prever como pagar. Nesta gestão, é importante saber quanto dinheiro se tem e se quer ter para fazer uso dele e, acima de tudo quando se gere o dinheiro de todos os que contribuem pagando taxas e impostos, onde é que se vai usar o dinheiro revertendo em benefício desses todos. Tirando isto, um orçamento de um organismo público e sem fins lucrativos, é um instrumento de alta precisão na área dos números e das contas, que implica que no final, entre os ganhos e as despesas, tenha que dar zero. Se não der para cima, há quem opte por redistribuir à última hora em actividades ou materiais que, não tendo sido necessários naquele período, possam talvez vir a sê-lo no período seguinte. Se não der para baixo, ou seja se afinal nem com dinheiro próprio nem com emprestado consigo fazer face a todas as despesas, haverá quem fique sem ser pago ou projetos que não chegam a avançar ou concluir-se nesse ano. Há depois toda uma série de formas para resolver estas questões, tirando de um lado e pondo do outro, imaginando mais ganhos sabe-se lá onde, e as contas lá se fazem para dar, imagine-se, o tal zero.
Um orçamento torna-se, no sector dos assuntos da política, a metáfora das boas contas. Aprovar um orçamento é poder governar aplicando então os dinheiros da maneira como se propôs. Chumbar um orçamento significa ter de ir gerindo mês a mês a mesma quantidade de dinheiro do período antecedente, sem perspetivar para além do mês seguinte. Chumbar um orçamento torna-se, em termos práticos, no retirar sem ser pela eleição democrática a possibilidade de quem está no governo governar. E, por tudo isto, discute-se o orçamento que se quer aprovado para se dizer que se está a ser rigoroso, cumpridor, transparente, certinho. Ora isto é o máximo que se pode dizer de um governante ou candidato a tal.
Mostrar as contas certinhas ou acusar de que as mesmas nunca passarão a “prova dos nove” - numa linguagem que o cidadão comum (aquele mesmo a quem vão servir os resultados de aplicação dessas continhas) dificilmente entenderá e sobre a qual parece que se podem fazer tantas leituras como as de uma obra-prima literária - é o mesmo que dizer que se discute o orçamento para se discutir a capacidade de quem o apresenta. Como se as contas e as verbas, em linguagem de números arrumados em rubricas, fossem a tradução de auscultações ao que está bem ou mal na vida daqueles para quem se gere. E quando a auscultação também se faz nas urnas, para além de um trabalho diário que deve ser o de qualquer político a tempo inteiro, na governação ou na oposição, sobretudo o eleito mas também o nomeado para cumprir o que os escrutinados pelo voto se comprometeram a fazer, então percebemos que a discussão pública de um orçamento, que pode ter momentos de discussão interna nada fáceis, é o momento de palco, arena ou ringue, do combate aceso entre adversários ou, como também acontece, entre todos, mesmo adversários entre si, contra um outro que é o alvo a abater.
Em toda a minha vida já votei vários orçamentos, mas os oito orçamentos municipais que já levo em cima, e que até no meu mundo académico corresponderiam a uma licenciatura com mestrado integrado mais parte do curso de doutoramento, retiraram-me qualquer veleidade em sentir-me uma licenciada em tal. Frequentei mas não obtive um grau que deixo para ser exercido a quem tenha a pasta e a equipa das finanças. E foi também por isso que aprendi nos sete anos que levo de vereadora que, no último dia deste mês de outubro, votei o orçamento municipal de Évora afirmando, e cito-me: «Avaliar um orçamento acaba por ser avaliar uma proposta que, obviamente, nunca se pautará por intenções que não sejam benévolas, até mesmo quando não se concretizam.» Para terminar dizendo que iriamos «mais uma vez, dar o benefício da dúvida ao orçamento deste ano abstendo-nos. Contrariar por contrariar um orçamento seria só protestar por protestar, o que não faz parte da nossa postura, e não deve obstaculizar, por só mais um ano, e um ano de eleições, a que a CDU cumpra todas as melhorias a que se propôs e que prometeu aos Eborenses.».
Até para a semana.

Cláudia Sousa Pereira (crónica na rádio diana)

4 comentários:

  1. "Orçamentos são documentos que servem para gerir o dinheiro que se tem na... (aplicação d) ...quilo que se faz ou quer fazer."
    Bem se prega na crónica.
    Mas no governo do Zé do Cano o orçamento serviu para gastar o dinheiro que não se tinha, e para o desbaratar em obras e serviços inúteis. E quando se acabou, foram-se os anéis.
    E quem vier a seguir que pague a dívida.

    ResponderEliminar
  2. peçam PERDÃO DA DIVIDA ...comem TODOS e DEPOIS NÃO QUEREM PAGAR

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelo palavreado ignorante e mal-intencionado deves ser TRUMPa.

      Eliminar
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.