quinta-feira, 24 de novembro de 2016

A informação e a formiga!

Tenho escrito neste espaço por diversa vezes, que o executivo camarário no nosso concelho anda, na maior parte das vezes, a reboque dos acontecimentos.
Estou plenamente convencido que os ouvintes e leitores destas crónicas, na sua maioria, concordarão comigo.
Então vejamos. Nestas duas últimas semanas tivemos vários constrangimentos e por várias ocasiões, em virtude do corte no fornecimento de água a casa dos habitantes das freguesias urbanas do nosso concelho. É um problema que, aparentemente, não resulta só de acasos. Por isso, é necessário que a Câmara Municipal de Évora informe os munícipes, e dizer-lhes se as ruturas nas condutas sucedem derivado a situações imprevistas, como por exemplo, se têm origem em acidentes, ou, se por contrário, as quebras do fornecimento de água à nossa cidade, resulta do envelhecimento das respetivas condutas.
Com efeito, se a causa estiver ligada ao envelhecimento da rede da canalização que leva a água às nossas casas, deverá, por isso, o município, fazer um levamento da situação para que possa encontrar uma solução que acautele futuras quebras no respetivo fornecimento. Porque se não o fizer estará violar o mandato que estabeleceu com os eborenses, que o obriga, no âmbito das suas atribuições e competências a garantir o fornecimento de água, sem quebras, aos seus representados. São estes, todas e todos os eborenses e os que escolheram a nossa cidade para aqui fazerem as suas vidas.
Por outro lado, a chuva intensa que se verificou nos últimos dias causou cheias nalgumas ruas do no nosso concelho e com isso também causou variadíssimos problemas e constrangimentos na mobilidade das pessoas. Se esta situação se deve, à acumulação de água nas ruas à falta de limpeza das sarjetas e das condutas da drenagem das águas pluviais. Só restará, portanto, ao município colocar pessoal a limpar as respetivas sarjetas e condutas no verão. O ensinamento da fábula, a formiga e a cigarra, talvez se aplique a esta situação.
Dito isto, as Câmaras Municipais foram criadas para anteciparem os problemas e encontrarem resposta adequadas à vida das respetivas comunidades. Não foram, por isso, pensadas para reagirem aos problemas. A reação deverá ser sempre a exceção, e não a regra.

José Policarpo (crónica na radio diana)

9 comentários:

  1. «se a causa estiver ligada ao envelhecimento da rede da canalização que leva a água às nossas casas, deverá, por isso, o município, fazer um levamento da situação para que possa encontrar uma solução que acautele futuras quebras...»

    Olha, olha! Só faltou mostrar o cano podre à boa maneira do Zé Ernesto...
    Como se a situação não estivesse levantada e identificada há muitos anos. Como se não se soubesse que os canos (tal como as estradas e outras infraestruturas) têm um limite de vida útil, e que no fim desse tempo de vida têm de ser substituídos ou renovados.

    O problema está nos meios (financeiros e humanos) que (não) existem para fazer o que precisa de ser feito. (Noutras alturas, quando havia dinheiro, alguns preferiam gastá-lo a "fazer filhos em mulheres alheias"... e, ao que consta, nunca o PSD se opôs a esses luxos)

    PS: E com esta dimensão de problemas com que se enfrentam as cidades, ainda há por aqui uns certos teóricos que, de vez em quando, reclamam porque as ervas são mortas com herbicidas e não são apanhadas uma a uma... Haja paciência.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Paciência demais tem a gente para aturar os comunistas. Mas a paciência começa a esgotar-se...

      Eliminar
    2. 15:35 palhaço vai para o circo

      Eliminar
  2. Já agora por causa da mobilidade preparem-se para no Domingo se quiserem comprar um pão mole só o poderão fazer até por volta das 9,30 da manhã pois a partir desta hora a Cidade vai ficar completamente com o transito bloqueado.
    Vai ser uma manhã com um transito caótico.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se não quiseres ir a pé, podes comprar no sábado de manhã (ou à noite, para ainda estar mole na manhã de Domingo).
      Já agora, que pão comias quando o comércio estava encerrado ao Domingo?

      Eliminar
  3. Um angariador de dinheiro com eventos vem a Évora buscar 80 mil euros numa iniciativa de corridas com autarquia a chegar a frente,realmente porque não organiza autarquia o evento???Tem um quadro de pessoal técnico bem preenchido chega perfeitamente para organizar e bem mais barato.

    ResponderEliminar
  4. Não percebo este Policarpo . Então se são situações imprevisiveis, como refere, como é que a CME informa ?? É claro que nestes casos só pode andar a reboque, é óbvio . E depois, Sr Policarpo : »ruturas nas condutas sucedem derivado a situações imprevistas » derivado ? ou devido ? Uma vez que se fala de causa /efeito devia ter usado «devido a« Ai esse pretuguês. Mais cuidado não lhe ficava mal.

    ResponderEliminar
  5. «Só restará, portanto, ao município colocar pessoal a limpar as respetivas sarjetas e condutas no verão» . Tão fácil, não é Policarpo ? Tão fácil que até custa a acreditar como é que o executivo camarário não se lembrou disso. O que o executivo se deve ter lembrado é do garrote financeiro que o governo PSD/CDS impôs às autarquias com a redução da transfer^ncia de verbas e incumprimento da lei das finanças locais. Recordou também, estou em crer, a proibição de contratar pessoal e até mesmo a imposição de despedir para cumprir as metas que o governo PSD/CDS acordou com a troika ao colocar-se de joelhos perante a maior ingerência internacional de que há memória . É tudo tão fácil quando o povo não deu ao PSD mandatos para governar . É incrivel o que se descobre na oposição, esquecendo os fretes que o PSd fez à anterior gestão autárquica do PS que afundou a câmara . Agora pagamos todos. Obrigado Policarpo! Obrigado PSD e PS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O povo tb nao colocou o Antonio Domingues na CGD e este anda a pilhar tudo para o BPI lhe colocar as Unhas. O PCP bem reclama do Macedo mas o ladrao do BPI ja tem informaçao priveligiada sobre a CGD. Que grande favor o PCP fez ao dono do BPI ao votar uma lei no parlamento. E o foi o povo que elegeu Socrates que o colocou a receber luvas?

      Eliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.