quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Uma questão de calçado

Esta crónica é sobre a questão táxis vs Uber e companhia, um assunto que aquece aqui agora, que já pôs outras capitais de pernas para o ar e que revela vários problemas da contemporaneidade, por um lado, e da fragilidade intergeracional de algumas mentalidades, inclusivamente colectivas.
Formar opinião sobre este assunto, como de resto com outros que nos dizem tangencialmente respeito, implica “calçarmos os sapatos do outro”, uma metáfora comum, por vezes até poética, sem deixar de ser política.
O que assistimos numa suposta marcha-lenta de taxistas da passada semana foi a uma dupla sabotagem. Uma sabotagem ao trabalho de uma empresa exclusivamente privada, com fins lucrativos e sem benefícios próprios das que prestam serviço público, e que ao contrário dos táxis segue as regras do mercado, tão desregrado. Foi uma sabotagem com agressões reais a funcionários das empresas Uber ou Cabify no aeroporto Humberto Delgado. A outra sabotagem foi uma auto-sabotagem. Uma marcha que tinha um determinado percurso preparado dentro das regras, viu-se sabotada pelos marchantes que revelaram, no mínimo e para não repetir o que não devia ter nunca saído da boca de gente que lida com público, uma profunda ignorância sobre as regras básicas da cidadania, quer estas se refiram a comportamentos em sociedade quer da forma como actuam as corporações, os seus representantes e defensores nos órgãos próprios, em regimes não ditatoriais nem monopolistas.
Pareceu-me que mais do que a marcha-lenta, simbólica em várias formas de contestação que pretendam reunir simpatizantes com as causas, ficará para o futuro o efeito desta auto-sabotagem. Talvez até leve a alterações no relacionamento dos que, por várias razões e com interesses diferentes, se puseram à partida e de forma irredutível do lado dos que, afinal, só conseguiram passar a ideia de quererem continuar a ser um monopólio. E sim falo de um partido político que oscila entre princípios que umas vezes, sobretudo quando está no poder, flexibiliza e, noutros, quando representa uma espécie de acionista de quem interessa manter a quota, se mostra tão firme. Uma bota que vou querer ver como vai descalçar.
De volta ao calçado, então, importa recordar que a palavra sabotagem vem precisamente de um movimento de contestação que, para lá de todo o direito que num estado livre e democrático é até saudável que se possa manifestar, revela uma desadequação ao que, no fundo, é mesmo o interesse geral de acompanhar o progresso da humanidade, em nome de uma instalada posição conquistada. Sabotagem vem da palavra francesa sabot que designa precisamente um tipo de calçado, as socas de madeira. Os episódios que lhe deram origem têm uma interessante semelhança, com a relativa distância do tempo, com os desta marcha-lenta. É que na Europa Central da revolução industrial os trabalhadores oriundos das zonas rurais que foram trabalhar para as fábricas e se aperceberam de que a máquina iria substituir o trabalho braçal para que estavam preparados e onde ganhavam em competência usavam as suas socas de madeira para encravar as máquinas e parar a produção. Assuntos assim tratados com os pés normalmente não têm grande efeito para os que os praticam. A não ser no futebol, claro, mas até aí é preciso usar bem a cabeça.
Até para a semana.

Cláudia Sousa Pereira (crónica na radio diana)

8 comentários:

  1. Isto aconteceu a partir de um taxi; e o taxista nao permaneceu no local: O dono de uma loja de antiguidades do Centro Histórico de Vila Nova de Gaia foi esfaqueado, sexta-feira à noite, por dois jovens, após uma discussão de trânsito

    Leia mais: Esfaqueado nas costas por demorar a estacionar http://www.jn.pt/justica/interior/esfaqueado-nas-costas-por-demorar-a-estacionar-5456827.html

    ResponderEliminar
  2. Ou entao resolvesse com brigas. Oh Senhora articulista em vez de falar dos boicotes que sempre existem seja onde for. Porque nao fala das coimas ridiculas que o PCP propos para quem nao cumprir as leis do sector do transporte de passageiros. Caso para dizer o crime vai continuar a compensar. Pagam a coima e voltam as estradas. Deveriam ter as carta de conduçao apreendida ou ter nova carta so depois de decorridos 2 anos. Afinal trata se de um carro (arma) nas maos e nao uma simples soca de madeira. O assunto torna se muito grave

    ResponderEliminar
  3. A UBER atrai agencias ilegais de segurança. Muita gente sem ter o que fazer, a troco da desculpa da Uber exercera actividades ilegais. Imigraçao ilegal com base numa actividade aberta. Sem fiscalizaçao apertada a segurança nacional coloca-se nas maos de terceiros

    ResponderEliminar
  4. A UBER e o Continente...proliferam os hipermercados e lojas low coust em Evora sem haver incremento das forças de segurança. As recolhas de dinheiro e assaltos encomendados pela concorrencia proliferam. Coincidencia : incendio e assalto em Guimaraes por cidade desprevenida?

    ResponderEliminar
  5. Deixem-se de lamurias, porque não dar tb lugar à UBER ? Só cá é que fazem um grande alarido por morrer um pintassilgo.Ponham o presidente do Sporting a trabalhar na prç. de táxis de évora, o homem tem geito para taxista. Ponham-lhe um boné, é um a ver de avias de clientes.

    ResponderEliminar
  6. Desculpe sr ou sra das 16:43 mas existe alguma sociedade que tenha evoluido por causa da UBER? Ou esta surge da falta de identidade das sociedades modernas? Boleias todos podemos dar... mas fazer disso BANDEIRA nao concordo. Combater a fraude nos Taxis, a especulaçao imobliaria isso SIM. Agora libertinagem isso NAO.

    Gatunos ja nos chegam os que existem.

    Descriminalizar A BANDIDAGEM isso nao. Nao se trata de calçado. Veja bem a sede da UBER... sao tudo filiais. E a legislaçao de proteçao de dados nao consegue colocar em ordem essa terra de ninguem.

    Vamos encher os nossos Taxis de reclamaçoes se funcionam mal. Comodismo com o que nos querem impingir isso nao.

    Pensar com criatividade o que funciona mal. Copiar torna-se plagio e tras muitos dissabores

    ResponderEliminar

  7. Uber condenada por não respeitar o código do trabalho

    ResponderEliminar
  8. Proposta
    Entre as regras para a regulamentação estão algumas que chamam a atenção como, por exemplo, a obrigatoriedade dos motoristas serem os proprietários dos veículos. A vistoria nos carros antes do início da prestação do serviço e o cadastro de motoristas deverão ser feitos pela prefeitura. Outro ponto importante é a exigência de um curso de formação para motoristas, além de questões como seguro em caso de acidente



    NAO SO UMA QUESTAO DE CALÇADO MAS SER DONO DOS SAPATOS

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.