quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Os ninhos de vespas

A proposta e incentivo de nomeação directa de António Guterres para o mais alto cargo da ONU foi uma boa notícia para Portugal e para o Mundo.
Foi um caminho longo bem trilhado, avaliando as próprias competências e disposição para exercer os cargos a que se propôs, mesmo no passado. Jogando o jogo pelas regras certas e claras de servir na política até onde lhe fosse possível, sem atingir a incompetência com dano para aqueles a quem sempre teve como princípio isso mesmo, servir. Está de parabéns e, na minha opinião pessoal, terá condições para desempenhar muito bem um papel que, podendo trazer diferenças, poucas mudanças poderá fazer ao rumo da Humanidade. Se sendo poucas forem importantes, já a Humanidade terá também ganho com a sua eleição, ou melhor nomeação.
Ao longo do processo incomodou-me, mas ainda assim não ao ponto de me encanitar, a conversa à volta de “ser a vez de uma mulher”. Primeiro, porque até podia ser verdade, se as qualidades daquelas mulheres equivalessem às dos seus concorrentes homens. Não que eu seja contra as quotas de género, que poderão até dar para um e outro lado, em lugares de gestão. Até por uma questão de representação da comunidade que se gere. Mas depois, e sobretudo, porque isso deu logo oportunidade a uma tentativa de golpada, estava bom de ver, por quem achava que uma questão de género se resolve assim, só porque sim. Foi bem reveladora de uma forma atabalhoada de lidar com coisas sérias da política maior, e ainda mais de uma manipulação, ou tentativa de, em nome de uma espécie de populismo que embarca, lá está, nisto de “ser a vez de uma mulher”. E ter havido uma mulher a prestar-se a isso foi, em meu entender, degradante e sinal de um retrocesso num caminho progressista em que a igualdade de género integrasse as rotinas dos povos.
Não sendo eu, por exemplo, particularmente apreciadora da personalidade de Hillary Clinton, teria preferido Bernie Sanders do lado dos Democratas, não se pode dizer que, com mais ou menos rasteiras que possam ter sido cometidas pelo seu aparelho, não esteja a levar o seu trilho com todas as etapas normais de um candidato, sendo uma candidata. Há referências ao género, claro, como aos seus assuntos privados que se tornaram públicos. Como houve à cor da pele e origens muçulmanas de Obama. Como há a de mulherengo-misógino e espalhafatoso novo-riquismo de Trump. Para alguns, estes detalhes serão condicionantes para não merecerem o cargo e, apesar dos epítetos que atribuí a Donald, usá-los é tão mau como dizer que só por ser mulher terá de ser Clinton a suceder a Obama.
Passes como este de Kristalina Georgieva, a que Merkel também não é alheia, põem-me logo a imaginar um ambiente em que uma espécie de vespa-rainha se predispõe, põe e dispõe, a usar todos os seus recursos, inclusive os intelectuais e que parecem passar a ser definidores de género, ao serviço de um enxame, até misto, da mesma espécie e com uma empolada e inegável ambição. A ambição que é, também, uma característica óbvia e não forçosamente condenável, a alguém que pretenda exercer um cargo que, mais do que direitos, traz sobretudo enormes responsabilidades para as quais se tem de ter mais competências dos que as definidas pelo número de cromossomas X ou Y. Gente assim não presta um bom serviço ao género e, muito menos, à espécie humana. Podem bem construir o seu ninho de vespas e manter à distância os que não se querem picar.
Até para a semana.

Cláudia Sousa Pereira (crónica na rádio diana)

1 comentário:

  1. Portugal na ONU sera uma oportunidade deste povo com humildade (nao orgulho podre) fazer algo pelo nosso semelhante. Outras motivaçoes poderao servir para sermos alvo de mentes com intençoes diabolicas. Vigiemos para nao nos vangloriarmos

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.