domingo, 23 de outubro de 2016

Homenagem às Vítimas da Inquisição em Évora



Na Praça Grande uma pedra nova e branca,
Redonda como a roda da tortura
Em que sofreram os que depois queimados
Expiaram a culpa, de não ter culpa
De não ter medo!
Uma roda branca, de mármore
Gravado de palavras mudas
Que escurecem os céus
Da nossa memória
Gritadas agora no passar dos séculos
Em homenagem aos torturados
Massacrados, queimados vivos
Em labaredas acesas de ódio e intolerância
Que morreram gritando a sua culpa
De não ter medo!

Rasa no chão, como um túmulo,
Cercada de granito como árvore
Pronta a florescer,
No lugar da fogueira que antes foi!
Ostenta calada, num silêncio ensurdecedor
Um tempo que a memória não apaga
Mas que hoje naquela pedra molhada
Pede perdão, com símbolos gravados
Sem cor, entalados entre círculos
Inclusivos e concêntricos.
É uma pedra rasa num mármore
Mais antigo do que o homem,
Feita de memória, tolerância, perdão e paz,
Por isso é branca.

Évora, 22 de Outubro de 2016

Poema: Maria Barradas
Foto: Ana Beatriz Cardoso
Escultura. João Sotero

7 comentários:

  1. Daqui a outros 400 anos, teremos as nossas gerações futuras a lembrar as vitimas dos sucessivos governos de Esquerda deste país...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sr. Anónimo23 outubro, 2016 19:50: História e Memória - NOTA ZERO

      Eliminar
    2. Sr Anónimo24 outubro, 2016 14:25: O pior cego, é aquele que não quer ver...

      Eliminar
    3. Ver: https://www.youtube.com/watch?v=QoPuYqh32Vw

      Eliminar
  2. Para a memória das vítimas dos governos de extrema direita:
    Galp: Estado perdeu milhões nos últimos dez anos
    Em dez anos de cotação bolsista, a Galp já distribuiu mais 800 milhões de euros em dividendos do que o Estado encaixou com a sua privatização.
    Artigos Relacionados
    Lucros de empresas privatizadas pagavam metade do défice público
    Lucros de empresas privatizadas pagavam metade do défice público


    via abrilabril

    ResponderEliminar
  3. Uma pergunta: se a escultura da homenagem é nova, porque raio já está nesse estado miserável? Ou foi de propósito, "para parecer rústico" ?

    ResponderEliminar
  4. Presentemente em Portugal existe uma entidade denominada Ministério Público que trata a prática do queimar na fogueira de forma exemplar . Basta comunicaram , sim por comunicados dessa entidade e da forma que o fazem , intimando que "foi constituído ARGUIDO " , ora para essa entidade ARGUIDO , é qualquer cidadão que ao carregar essa ALCUNHA , fica logo CONDENADO e queimado sem JULGAMENTO na praça pública ... e é mesmo assim ponto final .

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.