sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Crónica difícil

Vamos lá acertar contas acerca da guerra civil que rebentou na cidade grande, durante esta semana.
Não gosto de gente que tem como único motivo de conversa os títulos do Correio da Manhã. Sejam advogados, médicos, engenheiros, sapateiros ou motoristas de táxi.
Não gosto de gente que olha pela janela do carro e a propósito de qualquer coisa que julga fora do sítio, desata a desejar que o Salazar ressuscite e que devia era ser tudo posto na ordem, de preferência à paulada ou a tiro. Sejam advogados, médicos, engenheiros, sapateiros ou motoristas de táxi.
Não gosto de gente que tem outra gente a trabalhar para si, sem salário, à peça, a receber uma percentagem do que consegue angariar dos clientes, utilizando mão-de-obra em desespero para compor salários de miséria ou prestações de desemprego indignas. Sejam advogados, médicos, engenheiros, sapateiros ou motoristas de táxi.
Não gosto de gente que acha que os outros, sejam eles quem forem, são todos uns malandros e preguiçosos e que a única força que faz avançar o mundo é a sua própria existência. Sejam advogados, médicos, engenheiros, sapateiros ou motoristas de táxi.
Não gosto de gente que afirma que as virgens e as leis existem para serem violadas. Sejam advogados, médicos, engenheiros, sapateiros ou motoristas de táxi.
Não gosto de gente racista, xenófoba, que faz intriga enquanto trabalha e que se julga guardiã do templo supremo da moral e bons costumes. Sejam advogados, médicos, engenheiros, sapateiros ou motoristas de táxi.
Não gosto de muito mais coisas e comportamentos, mas o que é que isso tem a ver com o facto de que quem exerce uma actividade, no caso o transporte individual de passageiros, dever estar sujeita às mesmas regras?
Não se trata de uma luta “entre carteiros e serviço de e-mail”. Não se trata de um combate entre a modernidade e os resquícios do passado. O serviço de táxi pode (e deve, digo eu) usar plataformas tecnológicas idênticas às Uber’s deste mundo. Se o fizer não deixará de estar sujeito às regras que conformam a actividade do serviço de transporte individual de passageiros. Logo, a questão é a de tratamento igual perante a lei no exercício diverso da mesma profissão.
Independentemente da opinião negativa que todos nós possamos ter sobre o estereótipo do “motorista de táxi”, julgo ser da mais elementar justiça a exigência de regras iguais para todos os que exercem a mesma actividade, quer do ponto de vista fiscal, quer do ponto de vista regulamentar.
Já agora, deixem que vos diga, que isto não significa que esteja do lado de gente que agride outros trabalhadores (tão explorados como eles), de gente que manda os motoristas da UBER para a terra deles (não sabia que existia uma terra de motoristas dessa multinacional) ou dos que sem saberem muito bem o que estavam a ali a fazer foram dizendo e fazendo coisas que iam retirando base de apoio ao que era essencial no protesto.
Não gostei mesmo nada de muita coisa que vi e ouvi durante aquela manifestação e, confesso, quase me apeteceu dizer “é bem feito, têm o que merecem”. Depois lembrei-me que apesar de não gostar do que via e ouvia isso não era o suficiente para defender que uma qualquer multinacional beneficiasse de regras diferentes para o exercício da mesma actividade.
Até para a semana

Eduardo Luciano (crónica na radio diana)

20 comentários:

  1. As matas e os matos tem de ser limpas para evitar os incendios. Mas porque razao os cantoneiros nao limpam os passeios das ervas?

    Precisam as matas e os matos de incendios para ser limpos?

    Precisam as calçadas de quimicos para ser limpos? Isto perto das nossas casas junto a portas e caixas de luz??? E a contaminaçao?

    Os excrementos dos animais de estimaçao nao podem ser limpos um a um na calçada, manualmente ou precisa-se de soda caustica?

    As ervas nao podem ser arrancadas manualmente?

    As cagadas sao recolhidas manualmente e as ervas nao?

    NAO GOSTO de regras diferentes para o exercício da mesma actividade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acaso sabes se há cantoneiros, ou quantos seriam precisos para fazer esse trabalho manual?
      Acaso sabes quanto isso custaria?
      Acaso estás disposto a pagar o aumento de impostos suficiente para pagar esse trabalho?

      E, como se isso não bastasse, ainda achas que devemos ser todos nós a pagar a limpeza da merda dos cães que os seus donos levam diariamente a defecar e urinar nas ruas.

      Haja paciência. À próxima evita escrever tanto disparate.

      Eliminar
    2. Por acaso nao sabe que existem sacos para a m... dos animais . Os donos responsaveis a limpam. Um exemplo do que se faz manualmente. A erva dos passeios nao pode ir tambem para o lixo quando varrem? Porque teimam em fazer festas ao passeio e fingem que os limpam no Alentejo?

      Eliminar
    3. Com a produtividade dos trabalhadores da Câmara eram precisos 10 000 cantoneiros para trazer a cidade limpa.
      Oh larilas!

      Eliminar
    4. 10 Milhares de cantoneiros não digo, mas para o concelho de Évora todo seriam precisas largas centenas de trabalhadores para arrancar MANUALMENTE as ervas das centenas de Km de estradas municipais, das centenas de km de arruamentos e das muitas dezenas de largos e Praças.

      Mas também já percebi que há por aqui muitos especialistas em arrancar ervas à mão e eliminá-las com sal. Deves ser assim que fazem nas cidade dos países "civilizados". Eu é que, confesso, nunca vi tal coisa.

      Eliminar
    5. De defesa da aplicaçao de glisofato nas calçdas que o sr das 17:49 fez...agora ja mistura estradas municipais e tudo...grande confusao vai nessa cabeça de alho chocho.

      Eliminar
    6. E elimina ervas com sal risos...tempera com sal e pimenta e come as...chiça pinico voce deve ser muito complicado e teimoso...

      Eliminar
    7. Largas centenas chiça...isso era trabalho que com tanta gente se fazia num so dia: limpar as calçadas de Evora das ervas.

      E depois iam para o desemprego?

      Eliminar
    8. O mais engraçado: o sr deve pensar que com herbicida limpa as estradas municipais!!!!??

      E para a recolha de lixo? Tambem necessita das largas centenas de trabalhadores? Ou remove o lixo provocando fogos?

      Nunca ouviu falar de iniciativas como 'Limpar Portugal'?


      Olhe que a limpeza nao foi feita com herbicidas.

      Tomara que todos tivessem a mesma boa vontade de limpeza MANUAL ao invens de arranjarem desculpas

      Eliminar
    9. A dita civilizaçao sem cidadaos fica condenada a fracassos

      Eliminar
    10. Este blog tem como lema "...do Alentejo com vista para o mundo" mas nao se esqueçam que o 'mundo' ve o tambem o Alentejo' atraves dele. Torna se vergonhoso como opinioes de uns sao achicalhadas com palavroes por uns e outros.

      E mais quando todas as opinioes sao moderadas...ou deveriam

      Eliminar
    11. «Nunca ouviu falar de iniciativas como 'Limpar Portugal'?
      E que foi isso senão uma fantochada de um dia, para entreter as criancinhas?
      Alguns e algumas que andaram nessa iniciativa, andam agora a levar os cães a "passear" só para cagar as ruas e deixar os "presentes" para os outros cheirarem e pisarem e, ainda, outros limparem.
      E, depois, vêm fazer comentários politicamente corretos nos feicebuques ou nos blogues cá da terra.

      Eliminar
  2. Ja percebi porque as ruas estao sujas...a luz esta muito cara para ligarem o aspirador. Contratem a UBER e fica mais barato...risos...

    ResponderEliminar
  3. Quantos alentejanos seriam precisos para limpar as bermas das estradas?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sr das 13:50 a limpeza das ervas por trabalho manual nao era feito todo de uma vez e na cidade. os varredores fazem isso em agueda porque o nao fazem no Alentejo?

      Eliminar
    2. Ora porquê? Porque tá muito calor e as micoses assam mais, dai que deiam mais coceira

      Eliminar
  4. Trabalha-se muito nas caixas de comentários dos blogues. O pior é na vida real.

    ResponderEliminar
  5. Para comentar basta cada um. Para criticar sempre aos outros...

    ResponderEliminar
  6. Parque Ecológico da Várzea da Quinta do Conde - Plano de Atividades
    Percursos pedestres, curso de produção e utilização de plantas aromáticas, formação em arranjos florais e lançamento do livro Da Arrábida ao Tejo são algumas das atividades que se vão realizar de outubro a dezembro no Parque Ecológico da Várzea da Quinta do Conde.
    Do programa merece ainda destaque a iniciativa Ecoférias de Natal, que decorre de 19 a 22 de dezembro. O Ecoférias propõe, entre outros atrativos, tiro com arco, observação de aves, arranjos de Natal ou volteio a cavalo.

    As iniciativas, abertas a toda a comunidade, têm como principais objetivos proporcionar o contacto dos participantes com a natureza, dar a conhecer a biodiversidade do Parque Ecológico, e os projetos que têm sido implementados com vista à sua valorização.

    Estas atividades são promovidas pelo projeto Animenatura, em parceria com a Câmara Municipal de Sesimbra e Junta de Freguesia da Quinta do Conde.
    Autor ou Origem: http://www.cm-sesimbra.pt/
    Ver mais em: http://www.cm-sesimbra.pt/uploads/writer_file/document/2501/programa_de_atividades.pdf

    ResponderEliminar
  7. Uma boa notícia:

    O novo Hospital Central de Évora vai avançar no próximo ano. O Governo diz na proposta do Orçamento do Estado para 2017 que vai ser lançado o projeto da nova unidade hospitalar.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.