quarta-feira, 21 de setembro de 2016

O socialismo e o dinheiro dos outros

Já muito fora dito e escrito sobre os perigos e os atropelos dos populistas das esquerdas radicais e extremadas, aos Direitos e às Liberdades.
O século XX e o início do actual, foram e são pródigos em exemplos do que acabo de afirmar. A américa do sul é disso um paradigma mais do que evidente. Veja-se, com efeito, o que está a suceder na Venezuela e na Bolívia. A miséria é generalizada e os tumultos sociais são o “pão de cada”.
Na verdade, a solução governativa que governa o nosso país tem dado sinais de grande populismo e de uma grande desorientação. Medidas como a quebra do sigilo bancário para os titulares de contas bancárias com saldos superiores a 50 000,00€ e a medida anunciada pelo bloco de esquerda que compreende um imposto para quem detém património superior a 500 000,00€, são disso sinais mais do que evidentes.
Sou um defensor incondicional da equidade e da justiça social. Os que detêm mais rendimentos devem contribuir para que as assimetrias sociais diminuam e a diferença entre quem menos tem e os que mais têm, deva ser gradualmente esbatida. É assim que sucede nos países mais desenvolvidos. Porém, para chegarmos a este estado de bem-estar social não podemos espoliar quem mais trabalha e quem mais arrisca. As medidas propostas apontam neste inequívoco sentido.
Portanto, o governo para atacar as diferenças dos rendimentos auferidos pela população portuguesa não deverá ser pela via do aumento da carga fiscal, mas sim através de políticas que permitam o investimento e com isso haverá mais emprego e melhores salários. Senão o fizer estará a empobrecer o futuro do país.
Por fim, dizer que a manutenção do poder não justiça tudo. O caminho que o partido socialista escolheu para o nosso país poder-nos-á levar à falência e à total descredibilização, porque quando deixar de existir onde se possa tributar, chegará a pobreza e a miséria. E, não defendam que é só este partido socialista. O outro, por estar calado, é cúmplice.

José Policarpo (crónica na radio diana)

6 comentários:

  1. Tanta treta, tanta mentira...
    Deve ser tão triste ser um policarpo...tão triste...
    jmc

    ResponderEliminar
  2. Aqui está o futuro Presidente da Câmara de Évora.
    É o que diz a notícia do diário pasquim da cidade.
    Só não se sabe ainda quem vai ser o 2º da lista, mas pode ser alguém de vulto do PP, é o que se ouve para os lados da rua da lagoa.

    ResponderEliminar
  3. Mentira???Como esta América do sul berço de comunistas socialistas?
    Mariana Mortágua nasceu num berço dourado mas encharcado em demagogia do anti capital primário|!

    ResponderEliminar
  4. Já basta de esquerda na autarquia que só deu merd défice divida... chega a hora de outras cores politicas.

    ResponderEliminar
  5. Estou de acordo já basta de esquerda que não deixa andar esta Cidade para a frente mas desculpem discordo com o que disse um anónimo que este era o futuro Presidente pois se for é bem pior a emenda que o soneto.
    Vira o disco e toca o mesmo pois precisamos de outro tipo de gente que não esta.

    ResponderEliminar
  6. Todos já sabíamos que PPC era mentiroso e um aldrabão, mas nunca pensamos que alem disso é um verdadeiro vira casacas, senão vejamos, há coisa de 2/3 anos "vendia-nos" uma peregrina ideia, de que os ricos deveriam pagar mais que os pobres, ou seja, que quem tivesse prédios cujo valor tributário fosse superior a um milhão de euros, deveria ter uma taxa de agravamento nos seus impostos, até aqui tudo bem, pois ele até criou o chamado imposto de selo sobre os mesmos, agora ninguém de boa fé pode é perceber a sua verborreia contra a medida do actual governo em criar uma imposto sobre precisamente os mesmos prédios, como se quem possui um ou mais prédios desse valor, não possa pagar mil ou mesmo dois mil euros em impostos, é o mesmo que o detentor de um Ferrari, não tenha dinheiro para o seu combustível.
    Por outro lado, há bem poucos dias veio anunciar que iria apresentar uma espécie de livro, mais para o escabroso do que uma obra literária, aliás outra coisa não seria de esperar duma pessoa cuja leitura na sua juventude devem ter sido os livros do saudoso José Vilhena. Até aqui tudo bem, cada um lê aquilo que merece, mas agora que as redes sociais o atacaram, afinal o homem arrepiou caminho e já não vai ao tal evento "cultural" . Triste país este em que um ex-primeiro ministro além de mentiroso é um aldrabão e um psicopata político.
    MdM

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.