quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Resumo dos principais assuntos tratados na Reunião Pública da CME de 10/08/2016


O Presidente da Câmara informou formalmente o Executivo Municipal sobre a obtenção do Visto Prévio do Tribunal de Contas para os três contratos de empréstimo previstos no quadro do plano de saneamento financeiro para o Município de Évora. Segundo Carlos Pinto de Sá, tratou-se de um passo fundamental no caminho da recuperação financeira da Autarquia, uma vez que permitirá maior autonomia e consequente capacidade negocial na redução da dívida, para além de permitir também o recurso a ferramentas de gestão interna mais eficazes.
A Câmara tomou conhecimento sobre a decisão do Governo de avançar com a construção da variante à EN 256, que inclui a nova ponte sobre o Rio Degebe na zona do Albardão. O Presidente da Câmara esteve presente em Reguengos de Monsaraz na assinatura do Auto de Consignação da Empreitada e depois no local da obra, onde decorreu a cerimónia oficial com a presença do Ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Carlos Santinho Horta. O investimento previsto é de três milhões de euros e prazo de execução de 300 dias, com início dos trabalhos já no próximo dia 16 de Agosto.
Foi aprovada por unanimidade a abertura de concurso para atribuição de licenças de Guarda Noturno. Nesta fase as licenças serão para seis zonas, abrangendo três uniões de freguesias: União de Freguesias de Évora, Malagueira e Horta das Figueiras e ainda Bacelo e Srª da Saúde.
Aprovada também por unanimidade a requalificação de um terreno baldio na Horta das Figueiras junto à Rua General Humberto Delgado. O projeto, que foi discutido no local com a população, prevê a construção de uma área verde com zona de estadia e local para prática de desporto informal. O investimento foi estimado em cerca de 21.600 euros, ficando a manutenção a cargo da Junta de Freguesia.
Foi deliberada por unanimidade a abertura de concurso público para a empreitada de conclusão das infraestruturas do loteamento das Villas do Alcaide, no Bairro de Almeirim. Eduardo Luciano, Vereador do Pelouro da Gestão Urbanística, sublinhou a importância desta deliberação que permitirá, ao fim de vários anos de impasse, intervir nos espaços exteriores do loteamento e terminar as respetivas obras.
A Câmara deliberou ainda por unanimidade aprovar um voto de saudação ao jovem eborense Miguel Encarnado, que se sagrou Campeão do Mundo Sub-18 na modalidade de Pesca Desportiva de Rio. (nota de imprensa da CME)

12 comentários:

  1. Ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Carlos Santinho Horta???A nossa autarquia esta a deriva nem o nome do ministro conhecem,como podem mandar limpar e conservar o espaço publico.

    ResponderEliminar
  2. Aprovada também por unanimidade a requalificação de um terreno baldio na Horta das Figueiras junto à Rua General Humberto Delgado,estão perdidos,essa rua é no bairro da comenda na união freguesias do Bacelo Nossa SrºSaude. Estão mesmo a chegar o fim as eleições são para o ano e esta equipa fraca esta nas lonas quase KO!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem será que está perdido? Vá la ver se há ou não uma Rua General Humberto Delgado na Horta das Figueiras. Ó homem, antes de afirmar coisas em oposição às afirmações de outra pessoa, verifique bem se os outros não têm razão.
      Veja lá se não se atrapalha a votar…
      A ignorância é quase sempre atrevidota…OK?

      Eliminar
  3. É CASO PARA DIZER:

    Enquanto o Funchal Ardia

    Albuquerque Tocava Piano…

    A História fala-nos no grande incêndio de Roma, que ocorreu na noite de 18 de Julho do ano 64 depois de Cristo, e algumas fontes atestam-nos mesmo que, enquanto o fogo consumia aquela que mais tarde ficaria conhecida como a Cidade Eterna, Nero contemplava o espectáculo tocando a sua lira…
    O que ninguém acreditaria seria que 1952 anos depois, na noite de 8 de Agosto do ano 2016, a cidade do Funchal arderia, e o megalómano Miguel de Albuquerque, presidente do governo regional da Madeira, no meio do oceano Atlântico, tocava piano, enquanto contemplava o vale de lágrimas em que transformara o anfiteatro da capital do arquipélago.
    Miguel teve uma primeira carreira como tocador de piano nas salas de baile dos hotéis da Madeira; teve uma segunda carreira como presidente da Câmara Municipal do Funchal; e estava agora no começo da terceira carreira, como presidente do governo regional do arquipélago.
    Megalómano como é, Miguel de Albuquerque aproveitou a ameaça do incêndio que se adensava sobre a cidade, para convocar os órgãos de comunicação social da ilha e aí fazer render a sua conhecida megalomania.

    ResponderEliminar
  4. Mais uma boa notícia:
    «Saneamento financeiro da Câmara aprovado pelo Tribunal de Contas»

    ResponderEliminar
  5. Mais uma boa noticia???Saneamento financeiro implica corte na despesa, que envolve despedimentos de funcionários e venda de património que é já só o que existe porque o resto já foi a vida.
    O tribunal de contas não dorme nem brinca a politica, a autarquia Évora tem como condição corte na despesa na cabeça do contrato em toda a orgânica da autarquia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Corte na despesa??? E porque não? Viajem menos, tenham menos acessorias. Despedimentos de funcionários? E porque não? Já contratam tudo fora. Já contratam empresas para calcetar, cortar a água, limpar, fazer cartazes, montar som, etc. Venda de património? E porque não? Vendam o Salão Central por exemplo.

      Eliminar
    2. 08:48
      Quando não se sabe do que se fala, mais vale ficar calado.
      Por exemplo:
      - Consideras que não se deve contratar empresas para calcetar, mas não explicas como se pode tratar das calçadas de todo o concelho apenas com um calceteiro.
      - Sugeres o despedimento de funcionários, nada de novas contratações e recusas contratar serviços externos para limpar. Mas não explicas como limpar uma cidade inteira apenas com 11 varredores para o CH (antes do 25 de Abril eram 18!) e cerca de uma dezena para todos os bairros da cidade.
      ...
      - Como medida de salvação, sugeres a venda do Salão Central. Mas essa "solução", já tentada antes pelo anterior proprietário e pelo José Ernesto, teve um pequeno obstáculo: falta de comprador.

      Em conclusão: Quando não se sabe do que se fala, mais vale ficar calado, para não fazer figuras tristes.

      Eliminar
  6. São palavras duras de Eugénio Rosa: para o economista, está em curso uma “OPA” dos principais grupos económicos sobre a Caixa Geral de Depósitos (CGD). Em declarações ao Observador, o ex-deputado comunista e quadro do gabinete de estudos da GGTP denuncia o descaramento com que foi escolhida a nova administração da Caixa — que inclui vários representantes de alguns dos mais poderosos grupos financeiros em Portugal. “Parece que se perdeu a vergonha“, critica. O PCP, no entanto, recusa-se a comentar a questão.

    A expressão “OPA” surge “em sentido figurado, naturalmente”, como salvaguarda Eugénio Rosa. Mas serve para descrever como, “objetivamente, os grandes grupos económicos se preparam para garantir o controlo efetivo do banco público sem gastarem um euro“. Como? Colocando “homens de confiança” na administração da Caixa “com a conivência do Governo”.
    Em causa estão as relações que os futuros administradores (executivos e não-executivos) da CGD mantêm ou mantiveram com os principais grupos económicos. A lista é longa: entre os 19 novos administradores do banco público contam-se ligações à Unicer, Peugeot-Citroen, Sonae, Renova, Sogrape, Fundação Champallimaud ou Porto Bay, por exemplo. Jerónimo dedica-te os netos tu e outros que no partido já vivem com fascistas!

    ResponderEliminar
  7. O tribunal de contas aprovou os empréstimo que o sr presidente tanto queria o que o deixou muito satisfeito como se tivesse inaugurado um obra estruturante para o concelho. Por mim e para muitos eborenses mais dívida , pra nos pagarmos. Convinha que o sr. Presidente explicasse objectivamente onde vai aplicar os milhões. Consta que é para pagar dívidas correntes ,não amortiza o PAEL ,sendo assim lixou os eborenses no mínimo por mais uma década. Talvez esteja em tempo de os eborenses fazerem uma petição ao tribunal de contas para fazer uma auditoria as contas do município. Que lhes parece? é justo?

    ResponderEliminar
  8. na tua opinião, parvalhão, gostas de ser enganado! que tristeza!OU será que estás com medo? quem não deve não teme!

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.