sábado, 6 de agosto de 2016

Câmara Municipal de Évora: em 2017 é que vai ser!



Quem defende que o investimento na cultura é essencial em Évora, não pode deixar de considerar, no minimo, espantosa a actuação da actual Camara Municipal sustentada pela CDU, apesar da propaganda com que entope diariamente as redes sociais.
Quando o actual executivo tomou posse, a cidade contava com algumas realizações regulares, âncoras da actividade cultural. A CDU criticava ( E BEM!) o anterior executivo municipal pela falta de visão e politica cultural e sobretudo pela falta de apoio aos agentes culturais da cidade para que essas realizações pudessem desenvolver-se.
Mas vejamos o que aconteceu com a actual gestão de Pinto de Sá:
- BIME - a bienal de marionetas, com tradições firmadas, não se realizou em 2015 porque não havia ainda fundos comunitários disponíveis, pssaria para 2016 ...em 2016 da BIME nem o cheiro...
- FIKE - festival de curtas metragens de Évora. O 13º festival já foi feito também em Beja e o 14º será também em Portalegre. Porquê? porque não há apoios suficientes em Évora
- Semana dos palhaços - com uma "escola de palhaços" de nível internacional. Em 2016 mudou-se para as Caldas da Rainha e veremos se não fica por lá. Porquê? Porque por lá haverá os apoios que por cá faltam 
Isto para não falar na ópera bufa em que se transformou a existência de cinema.
Em 2014, primeiro ano de mandato, a CME promoveu o Cenas ao Sul, sendo certo que foi uma associação quem assumiu a responsabilidade da contratualização dos apoios financeiros, apesar de pouco riscar no tocante à escolha de espectáculos e a cachets. Houve algum envolvimento dos agentes culturais, "ma non tropo" para a amalta não começar a ter ideias ....Avaliação desta realização: estamos à espera ainda; 
Em 2015 o figurino foi ainda mais "balseiro" . As Cenas ao Sul, foram de facto verdadeiras cenas: pagaram as 3 juntas de freguesia da CDU e o Turismo e decidiu a Camara: Agentes culturais? Ninguém os ouviu, participaram apenas alguns e em processos pouco transparentes ....aliás consolidou-se o figurino "artistas sim, mas os nossos"; avaliação pública, ainda está por fazer; justificações quanto às relações entre quem contrata e quem é contratado não existem.
E 2016 é o ano da Calma... todos à calma, com muita calma...mas em lamentável circuito artistico mais que fechado, isto para não dizer que são sempre os mesmos, num exercício que começa a ser penoso.
Dir-se-á: a CME está falida...não há dinheiro. 
É verdade...mas só é verdade parcialmente, porque - como a CDU dizia antes e bem - não é só não haver dinheiro, é saber quais as escolhas, as opções politicas que se fazem com o pouco dinheiro que há. 
Ah!!! Mas tenhamos esperança...vem aí 2017! E em 2017 é que vai ser!! 
Em ano de eleições podiam lá desperdiçar-se munições..
Em 2017 até o Cinema Central será noticia.
Os fundos do Alentejo 2020 podem dar uma mãozinha...e se não for pela cultura será pelo turismo!

Maria Helena Figueiredo (ex-candidata do BE à Câmara de Évora)

18 comentários:

  1. Nem no tempo da outra senhora o atavio era tão medonho.
    Lembro-me ainda miúdo,dos concertos das bandas filarmónicas no coreto do jardim, onde as famílias passavam a noite fugindo «à calma» das noites quentes de verão;lembro-me dos serões de cinema ao ar livre no «café-esplanada»;lembro-me das tertúlias de bairro acompanhadas por saltimbancos que improvisando um pequeno circo, faziam malabarismos inocentes, expondo os seus palhaços e ilusionistas; lembro-me de não se pedir nada à câmara municipal, com medo que o senhor presidente denunciasse quem por lá fosse com pedidos básicos, como básica era a vida daquela gente...

    Hoje,o elenco camarário ilude os munícipes com as demagógicas decisões «de todos» sobre coisa nenhuma, comoforma de esconder a sua incapacidade para gerir a autarquia.E as pessoas além de deixarem de acreditar , passaram a ter medo de serem denunciadas das suas vontades básicas.

    É o eterno retorno.

    O tempo da outra senhora, está a voltar à nossa cidade e o mais grave é que já nem há bandas no coreto, saltimbancos nos bairros nem cinema na esplanada.

    Os tempos são muito sombrios na minha cidade.

    ResponderEliminar
  2. Agora dizem que não há dinheiro. Mas já o sabiam quando se candidataram. E apesar de o saberem prometeram que iam fazer melhor. Mentiram.
    Assim que chegaram à Câmara apagaram imediatamente o Mais Évora para que as pessoas não pudessem lá ir e reler as promessas que fizeram durante anos e não tencionavam cumprir. Isto é outra forma de mentir.
    As aldrabices começaram quando o então presidente da Câmara de Montemor saiu de lá e disse numa entrevista que foi porque tinha saudades de dar aulas e ia voltar à Universidade. No mês seguinte, sem ter dado uma única aula, era candidato à Câmara de Évora. Mentiu. Quando deu a entrevista sabia bem que estava a mentir, só tinha saído de Montemor antes do mandato terminar por causa dos 3 mandatos e da lei que não permite mais candidaturas. Sabia que estava a mentir e mentiu.
    Apesar de eu ser habitual votante na esquerda, quando vi que na lista de candidatos estava o principal energúmeno responsável pela vergonha das praxes universitárias, jurei que jamais votaria em tal lista. Não votei. Como não sou comunista, não gosto de mentiras. Estes tipos não passam de vulgares aldrabões, capazes de vender a mãe para chegarem ao poder.

    jmc

    ResponderEliminar
  3. Évora merece mais que esta gentinha oportunista e mentirosa que desgoverna a cidade.
    Évora merece ser governada por gente inteligente e independente dessa doença pegajosa e repugnante que são os partidos políticos de hipócritas e aldrabões.
    Os partidos formam mentirosos que vendem a mãe para chegar ao poder e depois nada fazem.
    Évora precisa de gente que fale verdade, independente dos partidos.

    jmc

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como tu? Deixa-me rir...

      Eliminar
    2. Não disse que era como eu. Jamais teria capacidade para isso. Mas há gente, melhor que eu e melhor de certeza do que tu, que ama Évora e é capaz de fazer melhor que estes hipócritas e oportunistas que lá estão. Se achas que os que lá estão são os melhores, é porque não passas de um deles.
      jmc

      Eliminar
  4. Não podia estar mais de acordo! Não passam de vulgares mentirosos e propagandistas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu guardei o programa de CDU de 2013. Vejam quantas daquelas coisas que eles diziam que iam fazer foram já feitas! Certo, ainda falta 2017, em 2017 é vai ser pois "a CDU cumpre sempre as suas promessas"!!!!

      Eliminar
  5. E a LIMPEZA ???Falavam a boca cheia que iam fazer de forma diferente com rigor ouvindo as pessoas,a chamada gestão participada,uma ALDRABICE TOTAL,o lixo amontoa-se os problemas agravam-se e não se trata só de dinheiro falamos de ORGANIZAÇÃO!Armara-se em heróis da mudança e vão sair totalmente torrados e fracassados!

    ResponderEliminar
  6. Um texto demagógico onde a desonestidade intelectual surge em todo o seu esplendor. É isto o Bloco de Esquerda?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, o bico de obra é que já têm mais fregueses, tá a ver na tá?! Depois há aquele problema etário da clientela, tá a ver na tá?! Os compadres do partidão são assim mais para o tá a descair, tá a ver na tá?! O maralho reguila não enxerga nem sequer quer vir a enxergar a classe operária coisa que não tem nada a ver com motoqueiros, tá a ver na tá?! Depois o centralismo democrático é discurso que não entra na onda shot-rock, tá a ver na tá?! Atão e os charros nem pensar camarada? O Berloque é bué mais prá frentex, tá a ver na tá?!

      Eliminar
  7. Desonestidade intelectual é ter que pagar o imi a taxa máxima e nem a rua a autarquia manda varrer é terrível!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O IMI a taxa máxima (durante 20 anos) negociado no PAEL foi a grande herança do Ernesto, com apoio do Dieb, para pagar às Águas de Portugal e à família da Praça de Touros. Não sobra nem um cêntimo para a limpeza.

      Eliminar
  8. Mas para o Rugby há dinheiro para se lhes dar 150000 euros por ano da exploração do campo inaugurado recentemente. Até pouco tempo antes não havia um cêntimo que fosse para ninguém.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens de ter mais cuidado com o que andas a fumar. É que já não se percebe nada do que dizes.

      Eliminar
  9. 12.55 Vai contar historias a meninos,autarquia tem dinheiro para festas de verão e outras orgias festeiras não tem capacidade de mandar varrer uma rua???Ridículo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As parvoíces que a gente lê por aqui.
      Uns dizem que a autarquia anda a fazer festas com o dinheiro de outros (Juntas de Freguesia, Turismo, etc.).
      Este diz que é a CME que paga "as festas de verão e outras orgias festeiras" (deve ter visto as facturas!).
      E assim, com as parvoíces próprias da época, se vai passando o tempo.

      Eliminar
  10. 11.56 Queres me dizer que Évora a calma foi e é tudo gratuito???Só em trabalho dos funcionários da autarquia fora de horas nem te conto e o resto os artistas etc..Parvoíces é Évora projecta já a animação do próximo ano.
    Nesse sentido o Município, em articulação com diferentes agentes culturais da cidade, submeteu uma candidatura ao “Programa operacional Alentejo 2020”, a que deu o nome abrangente de “confluências”. Vê lá se autarquia pensa terminar com a miséria podridão para a cidade bairro Escurinho zero,venha a festa orgia,podem é em 2017 ir de excursão já tem o vereador viajante para lhe fornecer o roteiro !

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.