domingo, 17 de julho de 2016

Programa de verão da CME "Évora à calma"

9 comentários:

  1. À calma, devagar e devagarinho com muito amiguismo e passeios pelo meio são as únicas três velocidades que esta Câmara conhece. Depois do Ernesto, pior do que isto não é possível (mas isso já se dizia do Ernesto).

    ResponderEliminar
  2. Com tanta calma, não parece haver tempo para limpezas. A cidade está uma autêntica lixeira a céu aberto. Com o calor, os sacos de lixo abandonados por toda a cidade, "perfumam" o ar. Se já antes pouco faziam, agora com metade deles de férias, é a pouca vergonha geral...

    ResponderEliminar
  3. Não se preocupem o presidente esta na sua moradia no Algarve com piscina ,comendo boas barrigadas de peixe regadas com sumo de uva,já se encheu de euros goza na autarquia os últimos tempos da politica.
    O homem fugiu de Montemor antes de terminar o mandato,ficou dito da sua qualidade atitude,tem enterrado a cidade como o clã Ernesto!

    ResponderEliminar
  4. O comunismo fez aos municípios alentejanos, o que as carraças fazem aos cães. Chupam-lhe o sangue, deixam-nos com doenças e fazem-nos envelhecer prematuramente. Basta fazermos uma pequena viagem por algumas das cidades do centro e norte do país, para percebermos que há vida para além do marasmo. Ruas limpas, pavimentos em condições, infraestruturas funcionais... E depois voltamos a Évora. Passamos pela manta de retalhos e buracos que é a variante oeste, olhando para os caixotes de lixo na berma da estrada, completamente cheios e acompanhados de montes de sacos de lixo, alguns deles já mostrando os seus conteúdos devido a um animal mais faminto que ali procurou alguma forma de subsistência. ao entrarmos no bairro, saltam à vista os grafittis, os candeeiros de rua quebrados, os carros abandonados... Paramos junto ao passeio, e vamos abrindo caminho pela selva de vegetação que cresce livremente por entre as pedras da calçada, e pensamos: "- Mas que m**** de cidade em que eu vivo..."

    ResponderEliminar
  5. Muita calma, porque em Évora, até pra morrer em casa ao domingo é preciso calma; não morras ao domingo, ficas lá a encher-te de moscas.
    Não tens médico que te entre em casa, não tens quem te leve o teu pesado cadáver, tão pouco tens quem te esquarteje às iscas e ao domingo vivo sempre ficas nem que seja coberto de moscas.
    Na Saúde Pública, o Alentejo Central, está ao nível da África Central.

    ResponderEliminar
  6. O dr Pinto de Sá que deite o projecto Évora a Calma para o lixo. Envergonha-nos a nós eborenses e a nossa Cidade. Sugiro lhe que aprenda com os autarcas vizinhos a apresentar um projecto de verão com qualidade e onde a cultura tb esta presente. Caso não consiga o melhor é desistir e ir pra Montemor, isso sim era UMma grande prova de respeito e consideração por Évora.

    ResponderEliminar
  7. O dr Pinto de Sá que deite o projecto Évora a Calma para o lixo. Envergonha-nos a nós eborenses e a nossa Cidade. Sugiro lhe que aprenda com os autarcas vizinhos a apresentar um projecto de verão com qualidade e onde a cultura tb esta presente. Caso não consiga o melhor é desistir e ir pra Montemor, isso sim era UMma grande prova de respeito e consideração por Évora.

    ResponderEliminar
  8. Évora deixou ser a única capital de distrito sem pista de atletismo. Vai ser inaugurado hoje o complexo desportivo de Évora, com pista de atletismo, campo em relva sintética e 4 balneários. Finalmente.

    ResponderEliminar
  9. Mais uma boa notícia:
    Vai ser lançada hoje a obra da nova ponte sobre o Rio Degebe, no concelho de Évora (EN 256 que liga Évora a Reguengos), que substituirá a ponte do Albardão, que permite apenas um sentido de trânsito. Uma obra reclamada há mais de 30 anos que vai, finalmente, ser executada.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.