terça-feira, 12 de julho de 2016

Balanços

Ainda na ressaca do maior espectáculo desportivo de uma Europa politicamente com os níveis de fairplay tão rasteiros, chegamos ao fim de mais uma série de crónicas.
É, pois, altura de alguns balanços. Foi uma série de crónicas marcada por um dos acontecimentos mais significativos do panorama cultural português, ou não tivesse, por exemplo, a honra de ter tido como seu principal comissário Eduardo Lourenço, e que foram as comemorações do centenário de nascimento de Vergílio Ferreira. Évora é indelével da sua vida e importava Évora não o esquecer. Uma vida que ficou também, e para todos os que sejam ensinados a chegar-lhe, na sua enorme obra filosófica e literária. E os que lhe reconhecem isto mesmo festejaram-no, que foi o que também fez a Rádio Diana com esta série de crónicas que utilizou, impreterível e semanalmente como inspiração, citações suas.
Foi o ano em que a nível nacional, as Esquerdas se uniram a um Partido que não é, de certeza, de Direita para permitir um Governo a que, à falta de nome para surpresa tal, ganhou o de Geringonça, num baptismo que acabou por se tornar carinhoso quando, no início, parecia querer fadar à nascença para o insucesso. E ela está na mão de alguns, dos verdadeiros “engenhocas” que sabem da coisa, mas também dos que fazem que sabem mas não atrapalham, e dos perigosos, os que poderão arrumá-la a um canto qual Bela Adormecida, e que são os que achando que é mais do mesmo não largam os velhos paradigmas de fazer política à medida de interesses próprios e não num prêt-à-porter que a Democracia, com todos os seus defeitos, nos oferece. Uma situação que, esses mesmos profetas demagogos da desgraça que querem meter no mesmo saco três forças políticas com identidades diferentes, até como as duas a que geralmente pertencem tais profetas; uma situação que localmente não faz nem uns ficarem mais rubros para ganharem votos, nem outros empalidecerem só para os manterem, mas sim porque isto de estar no governo fia mais fino e afina por outro diapasão.
A avaliação, que é o que normalmente acontece em dia de eleições, terá de ser não entre promessas vagas do que será feito mas na atenção às atitudes da responsabilidade que são exercer o poder ou estar na oposição. E os Portugueses, como os Eborenses aliás, talvez devessem ficar mais atentos efectivamente aos comportamentos não só dos que governaram e agora se opõem, como dos que antes se opuseram e agora governam. E que dessa atenção pudessem concluir o que quem é governado, e não os que militam nuns e noutros de forma particular, e mesmo natural no que toca a ter uma agenda para o sucesso de uns ou outros, entendam como melhores para ser governo ou oposição.
Enfim, a crónica já vai longa e ficaríamos aqui o resto do dia a falar disto e daquilo, como num serão quente e quieto desses que acontecem no interior do nosso país, de Norte a Sul. E não gostava de encerrar a série sem, pelos afectos, esses que também contaminaram a versão “para o Povo e para as Criancinhas” de fazer política e têm no novo PR um ícone, escolher uma citação de Vergílio que, dizendo respeito ao íntimo, põe a nú a falácia das palavras transformadas em metáforas mortas que nos tentam enformar os neurónios e manter-nos sossegadinhos dentro da caixa. Escreveu um dia uma pergunta de que gostei muito e me ensina a ir fazendo balanços de vida que, como todas as outras e as dos outros, quantos mais princípios e fins tiver mais aprendizagens nos proporciona. E assim me despeço, citando: «Se não há amor como o primeiro, porque é que ele não é o último?»
Até setembro.

Cláudia Sousa Pereira (crónica na radio diana)

3 comentários:

  1. Então?
    Ninguém comenta?
    Foi tudo pra banhos?
    Ou já ninguém liga ao meu "Acincotons"?
    Um Blog tão bom! Ao serviço da cidade! A discutir o desenvolvimento galopante da cidade!

    ResponderEliminar
  2. Tá tudo de férias. O pessoal foge da cidade logo que pode. O PC destruiu o que o PS ainda tinha deixado de pé. Quando vierem as eleições hão-de discutir um monte de cinza, que foi aquilo em que Pauzinho, Sá, Oliveira e outras nulidades transformaram Évora- Bye Bye que me vou pirar também.

    ResponderEliminar
  3. ...cada vez mais , mas mais a juventude Portuguesa sofre de um reset histórico , querem saber como é feito determinado shot , não querem nem precisam de saber o que se passou ontem ... vivem sempre com um pá no futuro ... tão depressa que vão chegar primeiro que os antepassados aos cemitérios Portuguesas , ajam funerárias para enterrar tanta gente demente !

    Jorge

    ( ciclista )

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.