terça-feira, 14 de junho de 2016

Oposição em três tempos - Terceiro tempo

Chego ao fim deste trio de crónicas sobre a oposição e socorro-me mais uma vez do irónico raciocínio do Vergílio Ferreira: «Não se tem simpatia se não houver seja o que for de admiração: tem-se apenas tolerância ou piedade».
Quer queiramos quer não, a sociedade em geral só valoriza os vencedores. E sobre os que ficam em segundo lugar chega a considerar-se que são só os primeiros de uma longa lista de perdedores.
Se, em determinados casos, este espírito mais competitivo que construtivo transforma os “segundos” em pessoas resilientes e portanto há, seguramente, uma vitória de construção do seu próprio carácter; por outro, e quando se percebe que quem concorre não o faz pelo percurso, tantas vezes em si mesmo já uma finalidade, mas única e exclusivamente com uma ambição até legitimada pelo contexto da competição de nada servir senão a vitória, não ficar em primeiro é motivo de enorme frustração e, por vezes, motivo de comportamentos distorcidos de carácter. Em alguns tristes casos a tendência é a desistência, não de uma carreira no mesmo domínio o que seria compreensível, mas do persistir em percorrer um caminho de construção e optar por enviesar para caminho paralelo que estraga verdadeiramente o espírito inicial, e essencial, da competição em causa.
Podendo parecer que me estou a afastar da Política, da Democracia e do papel da oposição, garanto-vos que não. Uma oposição eleita deve comportar-se ao nível dos seus eleitores, não à espera de vencer a qualquer custo, mas de tentar corrigir eventuais rumos que, claramente inversos aos que propunham para a governação, merecem que se lhes oponham. Por vezes o ambiente causado por uma oposição pouco construtiva, destrutiva mesmo, acaba por contaminar o ambiente em que se vive. E como o destino tem das suas ironias, poderão vir a ter de ser esses mesmos, caso lhes caiba voltar a governar, a recolher os resultados do mau ambiente que criaram.
Comprova-se isto mesmo, a nível nacional, nas ligações entre Partidos que deitaram abaixo um governo socialista em 2011 e que se rearrumaram novamente para permitir que em 2015 um governo socialista voltasse ao poder. A nível local confesso que o que sinto mesmo, no quotidiano que retomei após quatro anos de experiência governativa, é que o clima de contestação pela contestação, que vigorou durante 12 anos, está a ser difícil de levantar. Mesmo com uma aposta feita numa comunicação eficiente, leia-se propaganda, que tenta ser multiplicadora de efeitos de feitos que há décadas se repetem e, em alguns casos, até com melhores resultados antes do que agora, por vicissitudes várias.
Para lá do incontestável facto de que quem ganha o poder é que o tem para mudar o que tem de ser mudado, para melhor em princípio, parece-me que o caminho mais saudável para exercer a oposição é perceber se seria, e como seria, possível fazer melhor do que a proposta governativa. Mais: em nome de que é que se tomam determinadas posições e decisões, normalmente bem identificadas com determinadas ideologias que estão precisamente na base da constituição dos Partidos. E é aqui que entre a esquerda e a direita e tendo eu sempre defendido, no adolescer da Democracia portuguesa a que tenho tido o privilégio de assistir, mais os princípios do que as tácticas da esquerda, me convenço que há que estarmos atentos a outras diferenças, que também se percebem nas estratégias: as dos radicais e as dos moderados.
Enfim, é por isso que para mim também em Política, e ao contrário do que as regras do mundo competitivo da comunicação pela imagem nos querem fazer crer, e conseguem, não me parece que sejam a simpatia ou o seu contrário o mais importante. E muito menos a admiração. Isso fica para os amigos e aqueles com quem efectivamente privamos. Assim, excluir-se-iam também a piedade e a tolerância que, banalizadas desta forma, roçam tantas vezes a arrogância. A mim chegava-me muito bem o civismo e a competência. Na governação, como na oposição a Democracia, com uma real igualdade de oportunidades, deveria tender a crescer no domínio da Meritocracia, sem dó nem piedade, sem idolatrias nem factos tornados consumados. Talvez se lá chegue.
Até para a semana.

Cláudia Sousa Pereira (crónica na rádio diana)

4 comentários:

  1. A Ecopista está inacabada, e ao abandono. O trilho do Aqueduto da Água da Prata está ao abandono. O projecto da Ecopista Évora-Reguengos nunca saiu do papel. Os Percursos do Monfurado, em especial o troço Évora-Valverde, ou estão abandonados, ou foram simplesmente eliminados. É motivo para perguntar: O que andam a fazer na Câmara?!? Tenham vergonha, e façam alguma coisa!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quanto estás disposto a pagar para ter tudo isso, limpo, arranjado e nas devidas condições?
      Eu, pela minha parte, não quero pagar nem mais um cêntimo do que aquilo que pago. Já me chega estar a pagar impostos e taxas no máximo, durante 20 anos, para suportar as dívidas vultuosas feitas pela gente incompetente que esteve na autarquia.

      Eliminar
  2. A Câmara de Évora ( PCP) segundo os seus eleitos herdou uma grande dívida da anterior gerência (PS). Porque é que se trabalha ao sábado a limpar as caldeiras das árvores a lavar os monumentos das rotundas a cortar ervas nos parques de estacionamento. Tantas pessoas a fazerem horas extraordinárias .No parque de materiais da Câmara vão tantos ao sábado que parece um dia normal de trabalho. A CME assim como é que reduz a dívida, isto para não falar nas mudanças de chefes e encarregados que têm sido uma vergonha

    ResponderEliminar
  3. Já cá faltava a conversa do "Eles não podem fazer nada por causa da dívida..."
    ISSO NÃO SERVE DE DESCULPA PARA NÃO TRABALHAREM!
    Em qualquer uma destas situações, não é preciso gastar muito dinheiro. É preciso sim, mão de obra, e vontade de trabalhar! Mão de obra, existe por aí a pontapés! Basta ir ali ao estaleiro da zona industrial, e esconder-lhes os baralhos de cartas, temos logo ali umas dezenas de funcionários disponíveis...
    Cambada de preguiçosos! Nós não queremos desculpas! Quem arranja desculpas, são os incompetentes que tentam disfarçar as suas incapacidades ou a sua malandrice!

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.