quinta-feira, 2 de junho de 2016

Ideologia e a realidade

A retórica utilizada pela actual governação e suportada pelos seus aliados da extrema-esquerda, assenta num otimismo irreal e irresponsável, porque não se funda na realidade.
Será, porventura, a mais agradável de ser ouvida e aquela que todos gostávamos que representasse e traduzisse a realidade, mas segundo as instituições que estudam e analisam os índices relativos à produção da riqueza, apontam no sentido contrário das proclamações governativas.
Hoje foram dados à estampa vários textos pelo jornal de negócios, que, em comum, dão nota e aludem ao conceito de sorte. O conceito de sorte segundo o site Priberam, significa;
Combinação de circunstâncias ou de acontecimentos que influem de um modo inelutável. Ora, se a sorte não depende da vontade de cada um, assim, para que o futuro seja mais justo e condigno para todos, não deveremos entregar-nos a essa imprevisibilidade. Por isso, dever-se-á realizar o certo, mesmo que o certo signifique restrições.
No caso do nosso país a sorte fora quase sempre o nosso diapasão. A fundação do país está ligada ao aparente desentendimento do nosso primeiro rei com sua mãe. A chegada à Índia através de mar à frente do reino de Castela, deveu-se, porém, à má interpretação da cartografia existente realizada por estes últimos. A restauração, deveu-se ao facto dos ocupantes, Castela e Filipe III, terem dado primazia ao reino da Catalunha na guerra contra os franceses. Somos portugueses porque a sorte o assim ditou.
No entanto, se quisermos ser um país soberano onde a nossa autonomia esteja garantida no mundo actual, que é muito competitivo, deveremos deixar os optimismos infundados e as proclamações irreais, de lado. O futuro está nas nossas decisões. Se a sorte for o guião político, mais cedo ou mais tarde, vem a dura realidade dos números, significando isso, e não preciso de recorrer ao dicionário, numa nova intervenção externa. É isto que pretendemos para nós e para os nossos filhos?
Se não é isso, teremos, todos, de pautar as nossas atitudes e decisões pela responsabilidade e pela exigência. Não será com exemplos de show-off que nos mobilizaremos para prosseguirmos o desenvolvimento e o bem-estar existentes nos países mais desenvolvidos. Resta, então, fazer a pergunta sacramental. Queremos subir ao nível do desenvolvimento dos países da Europa central, ou pretendemos descer ao nível dos países da América latina? O futuro ainda está nas nossas decisões, mas teremos pouco tempo.

José Policarpo (crónica na radio diana)

25 comentários:

  1. Urgência

    A CME deve repavimentar alguns troços de faixas de rodagem esburacadas(perigo de acidentes)

    Remover o mato das bermas e passeios,em várias zonas tapam a visibilidade dos condutores.

    ResponderEliminar
  2. Principalmente os banqueiros e gestores deviam-se de pautar por princípios éticos e não de negócios corruptos.

    ResponderEliminar
  3. O cavaquismo é o Grande responsável pela ruina do País.

    Basta ver o circulo de amigos que nas ultimas décadas com ele partilharam o poder,a maioria está envolvida nos maiores ROUBOS feitos nos últimos 42 anos.

    ResponderEliminar
  4. Por favor limpem e tratem do Parque Infanil no S José da Ponte.
    As Crinaças querem brincar em segurança

    ResponderEliminar
  5. Nem acredito, o presidente Pinto de Sá diz que vai financiar obras através do programa 2020,a fundação Eugénio de Almeida e a Universidade de Évora???Terei que ouvir bem?Autarquia tem um bairro social Escurinho a pior miséria e degradação que conheço,não deviam demolir e realojar aquelas famílias em habitações condignas e requalificar Escurino?????Vindo da esquerda até parece mentira,VÃO BENEFICIAR CAPITALISTAS E O SEU PATRIMONIO!

    ResponderEliminar
  6. Mas desde quando é que a câmara decide para onde vão os fundos do 2020?

    ResponderEliminar
  7. Pinto de Sá só revela que não tem mínimo conhecimento dos problemas urgentes da cidade,devia ser o primeiro financiamento do 2020,telhados de amianto imóveis pré fabricados fora de validade com encaixes abertos que o mínimo abalo sísmico entram directamente em colapso,nem se fala do espaço publico um retalho de degradação e lixo.Esta esquerda que apregoa a luta constante contra a pobreza e desigualdade vai apoiar a burguesia no embelezamento dos seus chalés!?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando escreves sobre algum assunto, devias preocupar-te em estudar primeiro para saber o que é.
      Ao escreveres sobre o "financiamento do 2020" percebe-se perfeitamente que desconheces o assunto. Só assim se compreendem as alusões e sugestões que fazes. Pois nem foram as câmaras municipais que definiram o âmbito das intervenções possíveis, nem esses fundos podem ser utilizados para nenhuma das obras que sugeres.

      Um conselho: não escrevas bitates sobre aquilo que julgas conhecer apenas porque ouviste uma notícia na televisão.

      Eliminar
  8. Continuem a votar na esquerda e continuaremos com Escurinhos ervas lixo barracas divida e miséria!Enquanto uns continuam a encher as nalgas a conta do sistema!

    ResponderEliminar
  9. A cãmara.......Universidade.........Fundação vão candidatar-se programa 2020.

    Não deturpes,basta ler.

    ResponderEliminar
  10. Segundo Carlos Pinto de Sá, o plano assenta na requalificação de edifícios públicos e municipais e de instituições, como a Universidade de Évora, a Fundação Eugénio de Almeida ou a Misericórdia, além do espaço público.Deturpo?O presidente afirmou bem claro para onde vai a fatia dos 15 milhões atribuídos,não consta lá Escurinho????As 3 instituições tem muito dinheiro em caixa e o dinheiro 2020 devia ir para as verdadeiros e fortes problemas sociais como exemplo o bairro social Escurinho. Vindo da esquerda que tem o povo e pobres na boca é uma nódoa!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens de te queixar a quem definiu o conteúdo e âmbito do programa. Mas isso é muita areia para a tua camioneta.

      Eliminar
  11. Em 2012 Melgão presidente da Habevora pediu um levantamento os serviços,lista dos imóveis do bairro Escurinho municipais e privados.Era para se começar a pensar a construção de novas moradias e avançar com a demolição de todos os pré fabricados.Chegou Pinto de Sá mudou as chefias e o dossier Escurinho morreu na gaveta do arquivo,é uma vergonha total!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Melgão "pediu um levantamento"?
      E o que fez com o "levantamento"?

      Continua a ser muita areia para a camioneta, não é?

      Eliminar
    2. Junto com o "levantamento dos imóveis" o Melgão deixou ao Pinto de Sá uma dívida de 80 milhões e mais o PAEL.
      Mas graças ao Melgão, a família Torres ganhou uma Praça de Touros novinha em folha, com cobertura, para tourear os eborenses.

      Eliminar
    3. Esta Câmara bem que tem toureado os eborenses na mesma praça. Para um sitio que não servia para nada, como diziam os camaradas, não há semana em que não seja utilizada... Se a má língua matasse já não estava cá nem um.

      Eliminar
    4. Esta câmara está a pagar a dívida, e a usar os poucos recursos que a gatunagem cá deixou.
      Esta câmara não toureia os eborenses e não os rouba, como fez a gatunagem, durante 15 anos.

      Eliminar
  12. Por favor tratem de limpar o Parque Infantil de S. José da Ponte

    ResponderEliminar
  13. Policarpo e Cláudia, uma parelha de morte.

    ResponderEliminar
  14. Vamos lá a ser sérios...
    O Programa 2020 neste eixo da requalificação é só para os centros das cidades, não dá para ir requalificar bairros. Depois a câmara candidata os seus edificios e os outros proprietários fazem as suas candidaturas, se sao ou nao aprovadas depende de quem as analisa. E este programa é para todos nao é só para a câmara ou para a fundação. Se alguém tem edificios que necessite de obras candidate o seu arranjo, pode ser que seja aprovado! Vao à Câmara e peçam ajuda!
    Mexam-se em vez de dizer mal de tudo!
    Lurdes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois claro. É esta mesma gente que agora anuncia a Fundação eugénio de Almeida e Universidade como destinatários dos dinheiros para a requalificação urbana que acusava a anterior Câmara de promover (através da Acropole XXI) a requalificação dos edíficios da Fundação (Palácio da Inquisição, Pátio de São Miguel, etc.)e da Igreja... Mudam-se os tempos, muda o discurso. Por isso é que a política desta gente é uma porcaria.

      Eliminar
    2. 00:05
      E, acaso sabes, quem é que definiu o conteúdo e o âmbito dos programas de apoio comunitário?
      Não seria melhor tentares informar-te primeiro, antes de continuares a escrever disparates?

      Eliminar
  15. Pensem lá todos durante um minuto , para tudo !

    Quem afinal em Portugal tem os filhos nos colégios privados ?

    a) os filhos dos judeus .

    b) os filhos do Nazis .

    Resposta correta :

    b)

    ...o resto que sobra são advogados capangas , magistrados corruptos , espiões do KGB ( sis ) , forças de segurança corruptas e assassinas , pouco sobra mesmo pois já nem os Padres estão salvos por Cristo .

    Jorge

    ( ciclista )

    ResponderEliminar
  16. O IFRRU 2020 – Instrumento Financeiro para a Reabilitação e Revitalização ... âmbito do Portugal 2020, e como tal podendo vir a ser financiado pelos Programas ... de natureza privada e publica, detentores de fracções em edifícios de habitação social,(22.13) vamos ser sérios e não secretários ou Ernestos!Andar a financiar ricos é que não!

    ResponderEliminar
  17. É o contagio com o socialismo do betão vip esta a estoirar com o comité dos trabalhadores!

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.