domingo, 5 de junho de 2016

Federico García Lorca (Fuente Vaqueros, 5 de junho de 1898 — Granada, 18 de agosto de 1936)


Verde que te quiero verde. 
Verde viento. Verdes ramas. 
El barco sobre la mar 
y el caballo en la montaña. 
Con la sombra en la cintura 
ella sueña en su baranda, 
verde carne, pelo verde, 
con ojos de fría plata. 
Verde que te quiero verde. 
Bajo la luna gitana, 
las cosas le están mirando 
y ella no puede mirarlas. 

* 

Verde que te quiero verde. 
Grandes estrellas de escarcha, 
vienen con el pez de sombra 
que abre el camino del alba. 
La higuera frota su viento 
con la lija de sus ramas, 
y el monte, gato garduño, 
eriza sus pitas agrias. 
¿Pero quién vendrá? ¿Y por dónde...? 
Ella sigue en su baranda, 
verde carne, pelo verde, 
soñando en la mar amarga. 

* 

Compadre, quiero cambiar 
mi caballo por su casa, 
mi montura por su espejo, 
mi cuchillo por su manta. 
Compadre, vengo sangrando, 
desde los montes de Cabra. 
Si yo pudiera, mocito, 
ese trato se cerraba. 
Pero yo ya no soy yo, 
ni mi casa es ya mi casa. 
Compadre, quiero morir 
decentemente en mi cama. 
De acero, si puede ser, 
con las sábanas de holanda. 
¿No ves la herida que tengo 
desde el pecho a la garganta? 
Trescientas rosas morenas 
lleva tu pechera blanca. 
Tu sangre rezuma y huele 
alrededor de tu faja. 
Pero yo ya no soy yo, 
ni mi casa es ya mi casa. 
Dejadme subir al menos 
hasta las altas barandas, 
dejadme subir, dejadme, 
hasta las verdes barandas. 
Barandales de la luna 
por donde retumba el agua. 

* 

Ya suben los dos compadres 
hacia las altas barandas. 
Dejando un rastro de sangre. 
Dejando un rastro de lágrimas. 
Temblaban en los tejados 
farolillos de hojalata. 
Mil panderos de cristal, 
herían la madrugada. 

* 

Verde que te quiero verde, 
verde viento, verdes ramas. 
Los dos compadres subieron. 
El largo viento, dejaba 
en la boca un raro gusto 
de hiel, de menta y de albahaca. 
¡Compadre! ¿Dónde está, dime? 
¿Dónde está mi niña amarga? 
¡Cuántas veces te esperó! 
¡Cuántas veces te esperara, 
cara fresca, negro pelo, 
en esta verde baranda! 

* 

Sobre el rostro del aljibe 
se mecía la gitana. 
Verde carne, pelo verde, 
con ojos de fría plata. 
Un carámbano de luna 
la sostiene sobre el agua. 
La noche su puso íntima 
como una pequeña plaza. 
Guardias civiles borrachos, 
en la puerta golpeaban. 
Verde que te quiero verde. 
Verde viento. Verdes ramas. 
El barco sobre la mar. 
Y el caballo en la montaña.

23 comentários:

  1. Ser Radical hoje é estar do lado dos que sofrem as injustiças das politicas neoliberais de Bruxelas.

    A comissão europeia e o euro-grupo é constituído por gente de extrema-direita da família politica de Passos e Portas.

    ResponderEliminar
  2. O pólo aglutinador da Esquerda pode ser o Bloco,tem condições para crescer,para isso tem que defender Mais os precários,os desempregados e os idosos.

    ResponderEliminar
  3. Abril e Maio foram meses de bastante chuva,resultado disso o mato e a degradação dos pisos é uma realidade.

    A CME tem que atuar rapidamente,na remoção do mato em passeios e bermas(a visibilidade dos automobilistas em certos pontos torna-se diminuta),como os buracos nas faixas de rodagem podem provocar acidentes.

    Apelo á camara e seus funcionários um esforço para debelar esta situação.

    ResponderEliminar
  4. El largo viento, dejaba en la boca un raro gusto...

    ResponderEliminar
  5. Apelo aos Eleitos da CME e funcionários da área limpeza e jardinagem.

    A área urbana da cidade necessita com Urgência a remoção do mato nos passeios e bermas.

    Obrigado.

    ResponderEliminar
  6. Icomos candidata Malagueira a Património Mundial.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ò secretário, não sejas mentiroso. Tanto tentas agradar ao teu dono que aindas mordes a mão. O que foi incluído na lista do ICOMOS foi a globalidade da obra de Siza Vieira e não o Bairro da Malagueira. E a notícia já tem mais de uma semana, mas só agora é que a máquina de propaganda da Câmara lhe quis dar eco, enquanto a Malagueira aí está moribunda e exangue às mãos de uma Câmara que ainda não mexeu uma palha para lhe dar outro rumo. A notícia como ela é, sem propaganda do PC Évora, e veiculada pelo Diário de Notícias: "Os caminhos de peregrinação a Santiago de Compostela, as obras do arquiteto Siza Vieira ou as levadas da Madeira integram a lista indicativa ao património mundial de Portugal, num total de 22 bens candidatos a esta distinção da UNESCO." Apenas isto, o resto é propaganda e pôr-se em bicos de pés. Quem não tem obra, fica-se pela propaganda.

      Eliminar
    2. O nível de autopropaganda desta câmara já roça o doentio... é já delírio...

      Eliminar
  7. Évora | Bairro da Malagueira é candidato a Património Mundial - http://bit.ly/1r9QCv7

    ResponderEliminar
  8. A famosa erva andorinha esta a povoar como sempre passeios e largos a que se cola o lixo juntando os buracos no alcatrão e a calçada os montes,torna-se 1 cenário de miséria.
    Esta autarquia aposta em animação e atracção de pessoas mas estas imagens servidas e transitadas não são nada agradáveis para um regresso ou investimento.

    ResponderEliminar
  9. 15:15,Ó secretário,não sejas mentiroso.A divida de 12 anos foi de 88 milhões de euros.

    ResponderEliminar
  10. Senhor Presidente da Cãmara.

    Urge intervir nos bairros,os passeios e bermas estão cheios de mato,autêntica Vergonha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. junto ao viveiro (bacelo) cortaram as ervas das bermas, ficou o lixo que estava escondido pelo mato, parece um país de 3ºmundo. é uma vergonha

      Eliminar
  11. Os meninos do Bairro de S José da Ponte, agradecem ao Sr Presidente da Câmara, ter ordenado a limpeza do Parque Infantil. Já agora mande também regar a relva, antes que seque definitivamente. Já agora que o Parque não esteja tanto tempo, como aconteceu agora, sem ser varrido. Bem haja Sr Presidente Pinto Sá.

    ResponderEliminar
  12. Temos Milagre Pinto De Sá,as obras da Malagueira vão ser concluídas,por causa da candidatura do bairro a património da UNESCO.Vamos ter uma Cova da Iria junto do lago da Malagueira -Guido Russo-Belo Racha -Luciano Viajante- 3 réis magos e o Santo Sá de Montemor que vai fazer uns números de magia, vai chover euros relva calçadas trabalhadores em massa e o fim de 4 meses estão concluídas as obras do bairro o fim de 38 anos com um MILAGRE COMUNISTA DE ESQUERDA!Muito Feliz!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se não fosses ignorante, o que gostarias de ser?

      Eliminar
    2. Parvo e curioso, como tu...

      Eliminar
  13. A obra de Siza, incluindo o Bairro da Malagueira, como proposta de classificação a Património da Humanidade.
    A gente bem percebe o desconforto de alguns comentadores que aqui vão espalhando veneno e ódio.

    Afinal, a obra que sempre menosprezaram, tem valor. Afinal, alguém nesta cidade conseguiu construir, em tempos modernos, alguma coisa de valor. É que, quando lemos alguns comentários, somos tentados a concluir que a cidade tem sido gerida por uma cáfila de imbecis. E afinal...

    ResponderEliminar
  14. 00,42 Ódio?Os moradores é que foram enganados,foi lhe prometido tudo,e na realidade só se construíram os imóveis e as ruas o resto é só miséria e degradação nos vários espaços públicos.O próprio Siza Vieira afirmou que o projecto estava trucidado,mas tem duvidas que temos sido desgovernados e saqueados pelas tropas de esquerda,não existe em Portugal uma cidade que não tenha um parque de feiras exposições Évora é a única cidade sem esse espaço e podia continuar a enumerar outras falhas municipais mas não vale a pena esta a vista dos olhos!

    ResponderEliminar
  15. Ultima Hora:

    Negociações em curso para uma coligação entre CDU/PS/BLOCO a cãmara ?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É o assalto geral ao que resta. Em três anos, teremos falência total, e paralisação de todos os (poucos) serviços municipais que ainda funcionam...

      Eliminar
  16. O Propaganda de Sá vai deixar como obra o cinema da Rodoviária...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se pensas realmente isso, vais ter muitas surpresas nos próximos anos.
      Se não pensas realmente isso, como julgo, vais perceber a verdadeira diferença entre 12 anos de gestão de amiguismos e uma gestão racional, séria e ao serviço do interesse público.

      Eliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.