quarta-feira, 15 de junho de 2016

Começa esta quinta-feira, em Évora, Festival "Lá Fora"

5 comentários:

  1. via
    http://manifesto74.blogspot.pt/2016/06/alerta-alerta-antifascista-nao-passarao.html#more

    ...
    Lille foi de resto o palco de novos confrontos, que se somam a escaramuças e situações de maior gravidade ocorridas um pouco por todo o território gaulês. Na origem de todas elas estão, mais do que países ou nacionalidades, grupos fascistas organizados, compostos não raras vezes por criminosos bem treinados para espancar com a máxima brutalidade. França é hoje o parque de diversões de neonazis húngaros, ingleses, alemães, polacos, russos, albaneses, ucranianos, unionistas da parte ainda ocupada da Irlanda. O nazi-fascismo troglodita mostra nas cidades francesas as suas habilidades criminosas, demonstrando a sua capacidade para gerar terror, intimidação, violência gratuita e, noutros casos, direccionada.
    ...
    Confundir fascistas de uma nacionalidade com uma pátria inteira não é apenas um erro; é antes de mais batota propositada. Limitar a violência de um Europeu perfeitamente esclarecedor acerca da força da extrema-direita troglodita (apoiada a partir de gabinetes "insuspeitos", nos centros políticos, económicos e mediáticos) aos russos não é apenas um disparate: é um insulto ao povo que neste mundo mais se bateu pela Paz, pagando por ela - para si e para os outros - o mais alto preço (quase 30.000.000 de mortos entre 1941 e 1945). Ignorar que a violência entre "adeptos" é apenas na aparência um fenómeno particular das grandes competições de futebol é estúpido, mas muito conveniente.


    A NATO, EUA, UE, prosseguem a campanha imperialista contra os estado árabes e a Rússia. Os meios de comunicação participam activamente a desinformar e a enganar os cidadãos europeus contra árabes e russos. O futebol é mais uma arma de arremesso.
    A Europa invadiu a Rússia com Napoleão (França) e com Hitler (Alemanha), causando carnificinas catastróficas.
    A Rússia invadiu a Europa para se defender da invasão nazi e, com razão, criou uma fronteira defensiva, a que os europeus chamaram "muro da vergonha". Vergonha dos europeus, certamente.
    A Rússia não se esquece da crueldade dos europeus, mas a Europa já quer mais sangue.
    Hoje, a Europa está novamente a ser governada por animais nazi fascistas, com manifesto desprezo pela humanidade e pela democracia.
    Caminhamos para mais um confronto irracional e selvagem com a Rússia. Já começaram a arrasar o Norte de África, o Médio Oriente, a Ucrânia, e tudo o que estiver no caminho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito gostam estes gajos de reescrever a história. Como diria o seu amigo Goebbels (pelo menos até 1941) se repetirmos muitas vezes uma mentira ela acabará por ser verdade. Com que então o muro era uma fronteira defensiva? Não pá. O muro era para não deixar os cidadãos fugir do "paraíso". Não consta que alguém tenha querido passar a fronteira para lá. E para quê? Para passar fome?

      Eliminar
    2. A História é feita pelos povos, na sua luta pela emancipação, pela liberdade e pela igualdade. A "tua" história pode ser a história do imperialismo, mas não é a História.
      A propósito do Goebbels, devia saber que foi um agente do capitalismo, em modo de organização fascista. Ao contrário do que pretendes afirmar, Goebbels tem inúmeros seguidores dentro do imperialismo.

      Eliminar
    3. @10:11
      Se estivesse calado, sempre escondia o dogmatismo e a ignorância.
      De facto a estupidez é muito atrevida.

      Eliminar
  2. Pois é. Tão bons e tão justos mas tinham que construir muros para o povo não fugir. É que, ao contrário do que vocês pensam, o povo não é estúpido.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.