sábado, 14 de maio de 2016

Vai ser inaugurada este sábado a exposição "Todo o Património é Poesia" no Fórum Eugénio de Almeida


Este sábado, às 17,30H

Pensada para o 30º aniversário da classificação de#ÉvoraPatrimónioMundial pela UNESCO, esta exposição abre novas perspetivas para uma reflexão aberta sobre o Património, e propõe-se ser um elo de contemporaneidade entre a memória e o futuro.
Neste sentido, e no desejo de convidar a cidade a participar nesta reflexão, o #FórumEugeniodeAlmeida desafiou a#CâmaraMunicipaldeÉvora, #DirecçãoRegionaldeCulturadoAlentejo e o Cabido da #SédeÉvora a colaborar neste projeto, propondo intervenções em espaços da sua tutela como as #TermasRomanas e a#IgrejadoSalvador.
Curadoria de Filipa Oliveira
Com: Ai Weiwei, Anri Sala, Clemens Von Wedemeyer, Danh Võ, David Maljković, E.B. Itso, Elisabetta Benassi, Francisco Tropa, Lara Almarcegui, Lida Abdul, Mariana Castillo Deball, Mariana Silva, Oswaldo Maciá, Pablo Bronstein, Pedro Cabrita Reis, Richard Wentworth, Rirkrit Tiravanija, Susana Mendes Silva, Tonico Lemos Auad, Vasco Araújo.
Integrado na exposição, apresenta-se o projeto O Museu do Vazio dos alunos finalistas do Mestrado Integrado em Arquitetura da Universidade de Évora em 2014-2015, coordenado por João Carlos e Vanessa Franco.
De 14 de maio a 28 de agosto de 2016

5 comentários:

  1. A seguir à medida de boa gestão que o governo está a levar a efeito com as escolas privadas, é imperioso que o governo continue a estancar a sangria que os parasitas fazem aos recursos do estado.
    A seguir deviam rever todos os contratos com as alegadas "fundações". A começar pela do Mário Soares.
    Alguém sabe qual o valor do serviço público que as fundações alegadamente produzem, para justificar as mordomias que recebem do estado?
    Alguém sabe qual o valor que o estado paga em investimentos a fundo perdido, em subsídios, em fugas aos impostos, aos gatunos que se escondem sob a capa das fundações?
    (por falar em gatunos, para onde fugiu o Granadeiro?)

    Há quem lhe chame, cortar as gorduras do estado.
    Deviam chamar-lhe, acabar com a ladroagem que vive à custa do contribuinte.

    (em tempo de crise, o primeiro corte devia ser na ladroagem e na cleptocracia, em vez de andarem a cortar nos salários e nos serviços públicos básicos, e a roubar quem na verdade suporta o estado)

    ResponderEliminar
  2. Discoteca Praxis destrói Mupis do Bloco e do PCP.

    ResponderEliminar
  3. Gangue destrói cartazes do Bloco e PCP.

    ResponderEliminar
  4. Multa pesada para estes arruaceiros da noite.

    ResponderEliminar
  5. O PCP e o Bloco deviam ser proibidos de colar cartazes dentro do CH É uma vergonha

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.