segunda-feira, 23 de maio de 2016

Uma Questão de Saúde Pública e Política

Na passada semana PSD, CDS e PCP chumbaram o Projecto de Lei do Bloco de Esquerda que visava proibir a aplicação de produtos contendo glifosato em zonas urbanas, zonas de lazer e vias de comunicação.
O glifosato é um herbicida classificado pela Organização Mundial de Saúde como comprovadamente cancerígeno em animais e provavelmente cancerígeno em humanos. É o herbicida mais vendido no país. O risco que a sua utilização implica para a saúde pública é imenso.
Várias são as organizações que alertam para os perigos deste herbicida, incluindo a Ordem dos Médicos Portuguesa ou a Agência Internacional para a Investigação sobre o Cancro que já identificou a relação entre a exposição ao herbicida e o Linfoma não-Hodgkin e declarou - em março de 2015 - o glifosato como “carcinogéneo provável para o ser humano”. Este tipo de cancro de sangue é dos cancros que mais se regista em Portugal, país onde o último estudo efectuado revelou que o glifosato foi detectado em 100% das análises efectuadas à urina dos participantes, sendo estes números muito superiores aos de outros países europeus.
Os dados são, de facto, alarmantes, mas a Direita e o PCP decidiram votar contra esta resolução, invocando a necessidade de haver mais estudos. Ora, em matérias de saúde pública dever-se-á sempre seguir o princípio da precaução.
Mas porque não estão PSD, CDS e PCP preocupados com a saúde pública? Podemos induzir que preferem defender os interesses da Monsanto (que graças a este componente lucra, anualmente, mais de 5 mil milhões de dólares)? Ou por qualquer outra razão?
A verdade é que, em Portugal, para além do uso generalizado na agricultura, também várias autarquias o aplicam em praças, jardins, passeios, estradas e cemitérios.
Analisemos, então, o “panorama autárquico” permitindo-nos, talvez, perceber em parte a posição da Direita e do PCP. O Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda questionou todas as autarquias acerca da eventual utilização do glifosato em espaços públicos municipais. Pouco mais de um terço dos municípios responderam. Em relação a estes partidos que votaram contra, e tendo em conta os municípios que dirigem, as respostas foram as seguintes:
* Dos 28 municípios que responderam e que são dirigidos pelo PSD, 23 afirmam utilizar este herbicida;
* Dos 6 municípios que responderam e que são dirigidos por uma coligação PSD/CDS, 4 afirmam utilizar este herbicida;
* Os 2 municípios do CDS que responderam utilizam glifosato;
* E a totalidade dos municípios dirigidos pela CDU (coligação que integra o PCP) que responderam – 16 municípios! – afirmaram utilizar este herbicida.
De todos estes municípios, apenas é conhecida a posição do município de Évora, que já anunciou publicamente ter suspendido a utilização de glifosato.
Talvez este números ajudem a explicar a pouca vergonha que se passou, na semana passada, na Assembleia da República.
Até para a semana!

Bruno Martins (crónica na radio diana)

35 comentários:

  1. Porque será que, depois de muitas décadas de contaminação do ambiente, o BE só agora acordou para o glifosato, precisamente quando a germânica BAYER se prepara para comprar a MONSANTO, fabricante do veneno e lhe interessa desvalorizar a mercadoria?
    Porque será que o BE mais uma vez, vai atrás das questões que a direita lhe mete à frente do nariz, para fazer um grande alarido, e dividir a esquerda, e é incapaz de estudar e discutir com a esquerda, para encontrar uma solução alternativa ao veneno?
    Porque será que em vez de desinformar, em vez de lançar acusações e calúnias fracturantes, o BE não informa com verdade sobre a posição do PC?

    http://manifesto74.blogspot.pt/2016/05/sera-o-glifosato-uma-questao-fraturante.html

    ResponderEliminar
  2. Porque será que, depois de muitas décadas de contaminação do ambiente, o BE só agora acordou para o glifosato, precisamente quando a germânica BAYER se prepara para comprar a MONSANTO, fabricante do veneno e lhe interessa desvalorizar a mercadoria?
    Porque será que o BE mais uma vez, vai atrás das questões que a direita lhe mete à frente do nariz, para fazer um grande alarido, e dividir a esquerda, e é incapaz de estudar e discutir com a esquerda, para encontrar uma solução alternativa ao veneno?
    Porque será que em vez de desinformar, em vez de lançar acusações e calúnias fracturantes, o BE não informa com verdade sobre a posição do PC?

    http://manifesto74.blogspot.pt/2016/05/sera-o-glifosato-uma-questao-fraturante.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todos os partidos têm contradições, só que o PCP não o admite: Neste caso alinhou argumentos com a Monsanto. Não acredito que no PCP não haja alguém com conhecimento científico para dizer aos deputados que está mais que demonstrado que o glifosato interactua muito processos fisiológicos nomeadamente na área hormonal.

      Eliminar
    2. 11:47
      E a proposta do BE, limitada às zonas urbanas, resolvia o quê e alinhava com quem?
      Haja paciência para a DEMAGOGIA barata.

      Eliminar
  3. Curiosidade: O PCP vota contra a proibição do glifosato usando o argumento da multinacional Monsanto: "não está provado que o glifosato faz mal à saúde"

    ResponderEliminar
  4. GLIFOSATO – A DEMAGOGIA NÃO É RESPOSTA A QUESTÕES SÉRIAS

    A propósito da votação na Assembleia da República sobre a interdição do glifosato proposta pelo BE está em curso uma campanha dirigida contra o PCP assente na desinformação e no recurso à demagogia.

    O BE mudou a sua proposta. No início de Abril propôs uma recomendação sobre a consideração global da interdição do glifosato, agora propôs a aprovação de uma lei reduzindo o problema ao uso do glifosato em espaço urbano, propondo que se proibisse parcialmente o seu uso e só depois se estudassem todas as suas implicações.

    O BE sabia que o PCP não se tinha oposto à proposta apresentada em Abril mas sabia que o PCP tinha uma opinião desfavorável quanto ao projecto de lei apresentado agora e sabia que era provável que o mesmo fosse rejeitado.

    O BE também sabia que podia fazer baixar à comissão, sem votação, o projecto para que a discussão pudesse continuar na especialidade, a fim de se encontrar uma solução adequada não só para o problema do glifosato em meios urbanos mas também para outras preocupações relativas à utilização dos pesticidas, incluindo zonas urbanas e usos agrícolas.

    Apesar de poder optar por essa solução para continuar a discussão do seu projecto, o BE entendeu levá-lo a votos e provocar a sua rejeição.
    Essa foi uma opção do BE pela qual o PCP não pode ser responsabilizado.

    Regista-se que agora o BE procura responsabilizar o PCP pela rejeição desta segunda proposta apesar de não ter dito uma palavra sobre a possibilidade de a primeira iniciativa ter sido aprovada caso o PS tivesse votado a favor em vez de se abster.

    O PCP mantém a sua posição de preocupação quanto à utilização do glifosato e de pesticidas em geral e apresentou uma proposta que poderá em breve vir a dar uma resposta alargada ao problema da utilização dos pesticidas.

    Considerando a necessidade de se proceder a uma avaliação séria do uso de fito-fármacos, incluindo o glifosato, no meio ambiente e as sua eventuais consequências, o carácter não conclusivo dos estudos existentes realizados por importantes organizações internacionais ligadas à saúde e à investigação científica sobre os efeitos desta substância, tendo em conta a globalidade das preocupações que se colocam sobre esta matéria, o PCP entregou um projecto de resolução. Projecto de resolução propondo a constituição uma comissão multidisciplinar permanente, dotada de capacidade técnica e científica e envolvendo entidades públicas com responsabilidades nas áreas da saúde, ambiente, agricultura, trabalho e economia, que aprecie, no mais curto prazo possível e em conformidade com a informação científica e técnica disponível, a adequação das condições de utilização de produtos contendo glifosato, propondo as medidas adequadas, que estabeleça, após compilação e análise da informação científica e técnica necessária, a indicação quanto à possibilidade ou interdição da utilização de produtos contendo glifosato e, ainda, assuma funções de acompanhamento da toxicidade dos produtos fitofarmacêuticos utilizados em Portugal.
    ...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então porque é que o PCP se absteve quando a proibição da apliacação do glisofato era na agricultura e nesta lei votou contra? Expliquem lá pra ver se a gente percebe

      Eliminar
    2. Não se pode comentar o que o PCP faz! Saltam logo em cima! Mesmo quando fazem trapalhadas como essa. Se estivessem a governar ninguém poderia abrir o bico.

      Eliminar
  5. Proibir os produtos prejudiciais á saúde devia ser uma posição de Todas as forças politicas.

    Como também multar os cidadãos que deitam para a via pública lixo ou colocam fora dos contentores e ecopontos.


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Proibir os produtos prejudiciais á saúde... E ENCONTRAR ALTERNATIVAS... devia ser uma posição de Todas as forças politicas.

      Infelizmente o BE, não consegue ultrapassar a sua vertente demagógica e irresponsável, ficando-se pela PROIBIÇÃO PARCIAL sem querer saber das consequências e muito menos das alternativas. Um partido que ainda está na adolescência.

      Eliminar
    2. E o PC está a entrar na fase da demência senil

      Eliminar
  6. Urge repavimentar alguns troços de rodagem (cheios de buracos) e remover o matagal das bermas e passeios.

    A Bem da qualidade de Vida dos Eborenses.

    ResponderEliminar
  7. Donald Trump e Hillary Clinton estão empatados nas sondagens. De facto tão merda é um como outro.
    Na Europa, na Austria, terra natal do Hitler, está em formação um governo nazi fascista.
    A Europa, o Mundo, vai tudo de mau a pior.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelo contrário! Começam agora a abrir os olhos...

      Eliminar
    2. andas a ver muito o canal Historia, estamos em 2016

      Eliminar
    3. Exatamente! Estamos em 2016, e evoluímos. A Esquerda falhou, e o povo, traído, volta-se para a Direita. Vamos ver...

      Eliminar
    4. VENHA DE NOVO A GLORIOSA URSS

      Eliminar
    5. Ele que venha quanto antes! Esse governo a que tu chamas nazi fascista sem saberes o que dizes.

      Eliminar
  8. A saúde pública devia de constituir uma preocupação de Todos,uma melhor qualidade de vida é um objetivo que devemos pugnar.
    Basta andar pelas ruas da nossa cidade e reparar na falta de Civismo por parte de alguns,desde os restos de comida espalhados na via publica,a calçadas sujas do arrastar de sacos dos restaurantes para os contentores,das mini lixeiras junto dos ecopontos e contentores.
    As autoridades competentes devem ter uma acção fiscalizadora ativa e pedagógica junto dos cidadãos e nalguns casos recorrer á legislação em vigor e penalizar quem faz das ruas da nossa Cidade uma lixeira.

    ResponderEliminar
  9. O matagal avança por bermas e passeios do nosso concelho.

    É tempo de atuar.

    ResponderEliminar
  10. Estudos da “Agência Internacional para a Investigação sobre o Cancro” também alertam para outros produtos potencialmente cancerígenos:

    "provavelmente cancerígeno para humanos":
    sumo de toranja, frango frito, peixe grelhado ou trabalhar à noite.

    "existem evidências convincentes de serem cancerígenos":
    óleo de bébé, contraceptivos orais, bebidas alcoólicas e a luz do sol.

    Fico à espera das propostas do BE para proibir o sumo de toranja, o frango frito, o peixe grelhado, o óleo de bebé, os contraceptivos orais, as bebidas alcoólicas e… a luz do sol.

    ResponderEliminar
  11. Uma questão de vida mais saudável.

    "Melhoria das acessibilidades ao centro como fator gerador de estilos de vida mais saudáveis e promotor de um desenvolvimento integrado da cidade (particularmente os Bairros do Bacelo,Pites,Frei Aleixo,Santa Luzia,Santo António e Comenda).

    ResponderEliminar
  12. José Goulão, excelente:

    http://www.jornaltornado.pt/a-soberania-e-o-pechisbeque/

    ResponderEliminar
  13. Ao ler: "De todos estes municípios, apenas é conhecida a posição do município de Évora, que já anunciou publicamente ter suspendido a utilização de glifosato."
    Pensei: Ai que o Pinto de Sá vai para o olho da Rua! A desobedecer ao Partido... (se calhar não desobedeceu só disse que tinha desobedecido e continua a espalhar glifosato)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como com o gasóleo verde no tempo do Dr Abílio, lembram-se?

      Eliminar
  14. O Mercado Municipal definha,Urge revitalizar aquele espaço.

    ResponderEliminar
  15. O Rossio encontra-se num estado Vergonhoso.

    É tempo de cuidar do espaço;nivelar o terrado,recuperar os candeeiros junto do monumento,colocar arvores,construir uma estrutura para eventos(exposições,colóquios,feiras temáticas,espectaculos),recuperar o quiosque,limpar o chafariz,

    ResponderEliminar
  16. BE ataca Venezuela

    «Não me custa nada condenar a falta de democracia na Venezuela.» afirmou, hoje, no JN, Mariana Mortágua, deputada do BE. Há uma semana, quando o PCP apresentou votos de solidariedade com os povos da Venezuela, Brasil e Colômbia, o deputado bloquista Paulino Ascenção afirmava que o seu partido rejeitava “qualquer abuso da força ao nível interno ou através de ingerência externa” e que condenava “qualquer limitação à liberdade de expressão e à livre determinação do povo da Venezuela”. Ou seja, o BE alimentava o peditório de que o governo venezuelano abusa da força e limita a liberdade de expressão.

    Num momento particularmente grave na Venezuela, a par do Brasil, em que se tenta legitimar o derrube de Nicolás Maduro, o BE sobe ao muro da traição para dar força aos que já executaram um golpe fascista, entretanto derrotado pelo povo, em 2002. No parlamento europeu, os eurodeputados do BE aliaram-se à direita e abriram caminho à invasão na Líbia e, desde então, tentam repetidamente convencer-nos de que não fizeram nada disso. A haver uma agressão contra Caracas legitimada por uma opinião pública contaminada pelas Marianas Mortágua e Paulinos Ascenção de todo o mundo que saibam os deputados do BE que o criminoso não é só o que dispara. É também o que aponta.

    É também curioso que os que dizem defender o legado de Salvador Allende conseguem ao mesmo tempo condenar a revolução bolivariana e Nicolás Maduro porque são, supostamente, os responsáveis pelo caos económico na Venezuela. É que quem tem pelo menos dois dedos de testa e um conhecimento mínimo da história sabe que também houve caos económico no Chile durante o governo da Unidade Popular fruto da mesma estratégia de sabotagem, desabastecimento e bloqueio promovidos pelos grandes grupos económicos, em conjunto com a direita e os Estados Unidos.

    Também curiosamente, o BE continua calado sobre a maior deportação de seres humanos desde a 2ª Guerra Mundial que leva o carimbo do Syriza. A polícia de choque do regime grego desaloja milhares de refugiados dos campos e nem uma só palavra sobre o assunto dos amigos do peito de Alexis Tsipras.

    Manifesto 74 http://ift.tt/1qGLRcb

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh comunista, olha lá, então os grandes grupos económicos que põem à tua disposição o que tu precisas de comprar nas grandes superfícies, não têm o direito de fazer oposição à política de esquerda que só traz miséria e fome à Venezuela, ao Brasil e a Cuba?
      Os grandes grupos económicos são constituídos por milhares ou milhões de pessoas com os mesmos direitos que tu queres só para ti.
      "Óvistes?"

      Eliminar
  17. OS SINTOMAS MAIS COMUNS DE AZIA SÃO:
    SENSAÇÃO DE ARDOR NO PEITO OU NA GARGANTA DEPOIS DE COMER.
    FLUIDO QUENTE, ÁCIDO OU SALGADO, NO FUNDO DA GARGANTA E DIFICULDADE EM ENGOLIR.

    ResponderEliminar
  18. O Vereador Luciano viajante já leva mais de 100 viagens a conta dos e borenses,todos os problemas se acumulam em cima da sua mesa aguardar despacho,é uma vergonha,no próximo mandato arranjem um lugar só para vereador viajante!

    ResponderEliminar
  19. O menino Bruno Martins o que tem a dizer da realidade das fotos acima publicadas acerca do espaço publico e do trabalho da autarquia versus assembleia municipal?

    ResponderEliminar
  20. Eu gostava que ele fosse viajar para a Sibéria desde que fique por lá. Pago a viagem!

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.