segunda-feira, 2 de maio de 2016

O Município de Évora utiliza um Herbicida Potencialmente Cancerígeno. O que é que o Sr. Presidente tem a dizer?


SEGUNDO A “LUSA”:

Ministério da Agricultura diz que potencial carcinogénico está num co-formulante do glifosato. A tutela refere que “foi determinada a pesquisa de glifosato em sementes de centeio”.

O Ministério da Agricultura esclareceu hoje que o potencial carcinogénico do herbicida glifosato está associado a um co-formulante (taloamina) e não ao produto, cuja utilização futura será decidida em maio.
Um trabalho da RTP, divulgado na sexta-feira, dizia que "há vários portugueses contaminados com glifosato, um herbicida que é potencialmente cancerígeno”, e referia que “a sua presença foi detectada com valores elevados no norte e centro do país".
No seguimento de “dúvidas que a utilização da substância activa glifosato, como herbicida, têm suscitado na opinião pública”, o Ministério da Agricultura divulgou um comunicado em que se lê que este herbicida “nunca fez parte da lista de substâncias a pesquisar, tendo sido determinada a sua introdução no Plano Nacional de Pesquisa de Resíduos (PNPR) em 2016”.
A tutela refere que “foi determinada a pesquisa de glifosato em sementes de centeio”.
“Na sequência das observações da Agência Internacional de Investigação para o Cancro, que apontavam para possíveis efeitos cancerígenos da substância ativa, e da exaustiva reanálise dos estudos e informações disponíveis pela Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos, foi concluído que o potencial carcinogénico identificado está associado não ao glifosato, mas sim à presença, em certos produtos fitofarmacêuticos contendo glifosato, de um co-formulante (taloamina)”.
Este co-formulante “evidenciou um potencial genotóxico”, prossegue o ministério.
No comunicado, indica-se que “o Comité de Peritos da União Europeia reunir-se-á a 18 de Maio para analisar e decidir sobre a utilização futura do glifosato a nível europeu”.
Na sexta-feira, o partido Pessoas Animais Natureza (PAN) pediu a realização de análises à água e aos alimentos para detecção da presença do herbicida glifosato.
O PAN pede explicações ao ministro da Agricultura, através da Assembleia da República, e recorda que, em Junho, a Comissão Europeia vai tomar uma decisão acerca deste produto químico utilizado na produção agrícola e para erradicar ervas daninhas em jardins ou ruas das localidades, na maior parte dos concelhos portugueses.
Um comunicado da Plataforma Transgénicos Fora, divulgado na sexta-feira, insiste no alerta para este problema e salienta que "o Ministério da Agricultura tem de sair do estado de negação profunda em que se encontra e encarar finalmente o glifosato como o químico tóxico e omnipresente que de facto é".
Embora admita que "não se conhecem ao certo quais as principais vias de exposição", a plataforma, que reúne associações da agricultura e do ambiente, salienta que "a alimentação e a água são candidatos óbvios e devem começar a ser amplamente testadas e as fontes de contaminação eliminadas"
O glifosato, um herbicida que a Organização Mundial de Saúde identificou como uma substância “provavelmente cancerígena”, é utilizado pela esmagadora maioria das autarquias que responderam a um inquérito do Bloco de Esquerda, noticia este domingo o Diário de Notícias. Entre os 308 municípios contactados, 107 prestaram informações sobre o uso da substância e, destes, 89 confirmaram que utilizam o herbicida. Gondomar é a câmara que mais usa a substância (4000 litros), seguida de Matosinhos (2800) e Évora (2500).

SEGUNDO O “PUBLICO”:

Valores de glifosato em amostras de urina de voluntários portugueses são vinte vezes maiores do que os registados noutros países europeus. Herbicida é utilizado na agricultura, mas também na eliminação de ervas daninhas nos passeios de zonas urbanas.
O glifosato, um herbicida que a Organização Mundial de Saúde identificou como uma substância “provavelmente cancerígena”, é utilizado pela esmagadora maioria das autarquias que responderam a um inquérito do Bloco de Esquerda, noticia este domingo o Diário de Notícias. Entre os 308 municípios contactados, 107 prestaram informações sobre o uso da substância e, destes, 89 confirmaram que utilizam o herbicida. Gondomar é a câmara que mais usa a substância (4000 litros), seguida de Matosinhos (2800) e Évora (2500).
Em Portugal, onde em 2014 foram comercializadas 1600 toneladas de glifosato, o herbicida é utilizado na agricultura mas também em espaços urbanos, sobretudo na eliminação de ervas daninhas nos passeios. A absorção pelo organismo humano está comprovada. Num estudo promovido pela Plataforma Transgénicos Fora e acompanhado pela RTP em que participaram 26 voluntários portugueses, uma universidade norte-americana analisou amostras de urina e detectou a presença do glifosato em todos os casos. O valor médio registado foi de 26,2 nanogramas por mililitro, muito superior ao valor máximo detectado num conjunto de 18 países europeus (1,8 nanogramas) e maior do valor máximo observado nos Estados Unidos (18,8 nanogramas).
Existe um enorme debate científico e político em torno do glifosato. Em Março de 2015, o braço de pesquisa oncológica da Organização Mundial de Saúde (OMS) atribuiu à substância o segundo grau mais grave de risco cancerígeno (o 2A, numa escala de 1, “cancerígeno para humanos”, a 4, “provavelmente não cancerígeno para humanos”). No estudo publicado na Lancet, a Agência Internacional de Pesquisa de Cancro (IARC, na sigla inglesa) aponta “provas limitadas” de uma maior propensão para o linfoma de não-Hodgkin em trabalhadores expostos ao glifosato após análises conduzidas na Suécia, Estados Unidos e Canadá. A IARC cita ainda um outro estudo que indica a subida de marcadores tumorais em populações de regiões colombianas onde aquele herbicida é utilizado. Em ratos, foi identificada “prova suficiente” da relação entre a exposição ao glifosato e o desenvolvimento de tumores no sistema urinário, no pâncreas e na pele.
As conclusões da IARC não têm efeitos vinculativos sobre a capacidade das agências nacionais de decidirem sobre a utilização do herbicida. Em Portugal, e através de um comunicado divulgado no sábado, o Ministério da Agricultura sublinha que o risco em causa não está directamente associado ao glifosato, mas antes a uma substância presente em determinadas fórmulas que potenciará os possíveis efeitos do primeiro elemento. Trata-se da taloamina. A conclusão do Governo português é retirada após “exaustiva reanálise dos estudos e informações disponíveis pela Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos”.
A utilização do glifosato é debatida neste momento a nível europeu. A 18 de Maio, a Comissão Europeia vai decidir sobre a renovação da licença de uso do herbicida. Uma primeira proposta para a revalidação da autorização durante 15 anos foi rejeitada por Itália, França, Holanda e Suécia. Uma recomendação não vinculativa do Parlamento Europeu aponta agora para uma revalidação por sete anos e a proibição do uso do glifosato em zonas urbanas.
Citado pelo Diário de Notícias, o deputado bloquista Jorge Costa afirma que o Ministério da Agricultura era inicialmente “favorável à renovação”, mas que “entretanto indicou aos peritos que assumam uma posição de abstenção”.
“Esperamos que o Governo não alinhe na renovação”, disse.
Em 2015, e após a divulgação do estudo da IARC, o Governo francês começou por fazer uma recomendação não vinculativa contra a venda ao público do glifosato. Há poucas semanas, porém, optou pela proibição total de produtos químicos que contenham glifosato e taloamina.
Fora do espaço europeu, países como o Sri Lanka e as Bermudas proibiram a importação e uso do herbicida. A Colômbia, por seu turno, deixou de utilizar nesse ano a substância nas campanhas de destruição da planta de coca.
O glifosato foi desenvolvido pela multinacional agroquímica Monsanto, que também comercializa as culturas transgénicas que resistem à substância. A empresa desvaloriza a toxicidade do herbicida, apontando que na mesma categoria em que a IARC coloca o produto também estão “o café, os telemóveis, o extracto de aloé vera e vegetais em conserva”.

Enviado por AJPM (enviado por email)

12 comentários:

  1. 1. Os rótulos do produto indicam os seus efeitos cancerígenos?
    2. Se se sabe que é cancerígeno, porque razão não é retirado do mercado?
    ...
    O título do blogue volta a revelar a usual ignorância e parcialidade a que nos tem habituado. Como se os consumidores fossem os responsáveis pelos defeitos e efeitos dos produtos que consomem. Haja paciência.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não me venha com mais esta! É impressionante a ignorância de quem tem responsabilidades na autarquia. É criminosa a pulverização das ruas com pessoas a passar e crianças a brincar. É costume remeteram todas as críticas para os adversários políticos o que só revela simplismo e ligeireza mas desta vez não pega.

      Eliminar
  2. O Bloco de Esquerda na reunião de Assembleia Municipal de Évora de 29 de Fevereiro de 2016 questionou o executivo municipal sobre esta questão. Tal como está descrito na acta:
    (...) “Bruno Martins (...) lamenta o destaque dado na informação trimestral do município da monda química utilizada em vários bairros da cidade, inquirindo se é utilizado o glifosato e se já o poderaram deixar de o utilizar. Afirmou, ainda, que vários municípios do país já aderiram a um manifesto conjunto de autarquias sem glifosato que, como se sabe, é uma substância altamente cancerígena, facto que nos deve preocupar a todos” (...)
    (...) “Respondendo às interpelações formuladas, o sr. Presidente da Autarquia (...) acerca do herbicida, especificou que quando a Administração Camarária tomara conhecimento do assunto suspendera a sua utilização, estando a procurar uma alternativa não nociva para o meio ambiente”.
    Pois bem, a questão ficou esclarecida em Fevereiro, espero que corresponda à realidade.

    aqui: https://www.facebook.com/brunomsmartins

    ResponderEliminar
  3. em 2015 diz uma eborense na Assembleia Municipal: Apesar de todos os grupo se terem manifestado favoráveis a deixar de utilizar e mesmo a Câmara, quando em Junho de 2015 me manifestei contra a sua utilização. Pelo menos mais 3 vezes foi já utilizado.
    Isto em 2015. Só em Fevereiro de 2016 o Sujeito que ocupou o cargo de Presidente da Autarquia diz que suspendeu a utilização.
    AS CONTRADIÇÕES DE PINTO SÁ SÃO MAIS QUE MUITAS.

    ResponderEliminar
  4. Esta gente quer tudo e o seu contrário.
    Não querem herbicidas e também não querem ervas nas ruas.
    Soluções para resolver o problema, isso não interessa nada.

    ResponderEliminar
  5. Esta gente?
    pelo que percebo são municipes que estão preocupados com o ambiente na cidade!
    Esta gente?
    É esse o seu conceito de democracia? Um democrata não falaria assim dos seus concidadãos.

    ResponderEliminar
  6. Isto é muito simples cada habitante passa a ter 2 ou 3 ovelhas para comer a erva e nas circulares começam a pastar rebanhos e o problema fica resolvido sem gastar dinheiro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. 22:41
      Se fizessem isso, haviam de arranjar maneira de continuar a falar contra.
      Querer tudo e o seu contrário, é uma maneira de estar na vida. A maneira de ser de quem acha que o problema está sempre e exclusivamente no outro, mas nunca neles próprios.

      Eliminar
    2. Este é daqueles que devia ir para ovelha.

      Eliminar
  7. A Câmara de Évora deixou de usar, no ano passado, o pesticida glifosato, potencialmente cancerígeno. A garantia foi dada à DianaFM pelo presidente do município, Carlos Pinto de Sá.

    "A câmara deixou de usar esse pesticida desde o ano passado", afirmou o autarca.

    O glifosato é um pesticida que foi considerado “provavelmente cancerígeno” pela Organização Mundial de Saúde em 2015. Carlos Pinto de Sá explicou que "quando surgiram informações de que o produto químico podia provocar problemas para a saúde", a câmara entendeu "deixar de adquirir os pesticidas que tivessem esse produto químico".

    O autarca lembrou que, ainda assim, "o produto é vendido de acordo com as normas da União Europeia".

    O Ministério da Agricultura já esclareceu que o potencial carcinogénico do herbicida glifosato está associado a um co-formulante (taloamina) e não ao produto. A sua utilização futura será decidida durante este mês de maio.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este anónimo parece um porta-voz do Pinto Sá / Capoulas Santos.
      Leiam acima:
      "em 2015 diz uma eborense na Assembleia Municipal: Apesar de todos os grupo se terem manifestado favoráveis a deixar de utilizar e mesmo a Câmara, quando em Junho de 2015 me manifestei contra a sua utilização. Pelo menos mais 3 vezes foi já utilizado."
      em 2015 diz uma eborense na Assembleia Municipal: Apesar de todos os grupo se terem manifestado favoráveis a deixar de utilizar e mesmo a Câmara, quando em Junho de 2015 me manifestei contra a sua utilização. Pelo menos mais 3 vezes foi já utilizado.
      Isto em 2015.

      Eliminar
  8. Ò AJPM, vê lá se consegues saber se O Mourinha da Câmara de Estremoz, usa tal herbicida?

    Um estremocense emigrado que do Mourinha espera tudo...

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.