quarta-feira, 4 de maio de 2016

Infelizmente, está em causa!

No primeiro dia de Maio celebra-se e evoca-se o dia dos trabalhadores. Esta data comemora-se pelo facto de no ano de 1886 mais de 500 mil trabalhadores, em Chicago, nos Estados Unidos, fizeram a primeira greve geral da história laboral.
Até então, os trabalhadores apenas trabalhavam e jamais reivindicaram os seus direitos. Por isso, as sociedades e os países democráticos deverão assegurar que esta data possa ser comemorada em total liberdade.
Com efeito, analisando o facto politico do primeiro de Maio e sem pretender e/ou arrogar-me no interprete de serviço das palavras proferidas pelo presidente do partido social-democrata, Dr. Passos Coelho. Não posso, todavia, aceitar que se deixe passar a mensagem, que, Passos Coelho, desvaloriza a importância dos trabalhadores, ou, sequer tenha alguma posição de princípio contra a comemoração deste dia. Por isso, quem pensa assim, ou, insinue tal facto, é no mínimo, intelectualmente desonesto.
Na verdade, o Dr. Passos Coelho no discurso que proferiu no encerramento do congresso da Juventude Social-Democrata, que ocorreu este fim-de-semana na Batalha, fez alusão à comemoração do 1 de Maio, dizendo mais ou menos isto; não há razões para a comemoração deste dia. Concedo, porém, que podia ter escolhido outras palavras e até ter sido mais claro naquilo que pretendia comunicar. Outra coisa bem diferente é associar esta afirmação a quem é contra os trabalhadores e contra os seus direitos.
Ora, o que está em cima da mesa, refiro-me, e, estou absolutamente certo de que Passos Coelho, também, é saber se o futuro dos trabalhadores e por consequência o futuro do nosso país, está em causa. Pelo que, o relevante, no presente momento, é perceber e compreender a actual governação do país. Se as politicais levadas a cabo, são ou não “amigas” dos trabalhadores e de Portugal. Tem fundadas dúvidas disso o Dr. Passos Coelho. E, eu próprio, menos, não tenho. Infelizmente está em causa!

José Policarpo (crónica na rádio diana)

7 comentários:

  1. Este homem massacra a língua portuguesa em cada texto que produz.
    Tenha pena de nós, senhor.
    Tanta patacoada e tão mal escrita leva a crer que a sua "
    máquina pensadora" é uma caranguejola…
    JC

    ResponderEliminar
  2. Que sujeito tão rasteirinho. Escreve o ignorante que até 1886 os trabalhadores apenas trabalhavam e jamais reivindicaram os seus direitos... E esta nulidade pretende passar por advogado?
    Para não falar de tudo o resto. Porque não te calas, ó Policarpo?

    ResponderEliminar
  3. A atenção da CME

    até quando a cãmara vai permitir ás empresas de tauromaquia o desrespeito pela Cidade?

    Colocam cartazes nas paredes,sujam os muros dos privados,colocam painéis em rotundas(dificultando a visibilidade aos condutores).

    Basta,é preciso pôr estes senhores a Cumprir os regulamentos da publicidade.

    ResponderEliminar
  4. FIM as Touradas.

    ResponderEliminar
  5. Em pleno séc.xxi,a Barbárie contra os animais é uma realidade.

    Arena de Évora ? ou praça da Tortura?

    ResponderEliminar
  6. A atenção da CME

    O troço Porta de Avis/Bacêlo não tem passeios,e as bermas por onde circulam os cidadãos é um autêntico matagal.

    O perigo de atropelamento é Grande.

    ResponderEliminar
  7. Apelo a Cãmara Municipal

    Urge limpar o matagal das bermas no troço Porta de Avis/Bacelo,sem passeios e as bermas neste estado os cidadãos arriscam-se a serem atropelados.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.