quarta-feira, 25 de maio de 2016

Humanidades

O ano letivo na Universidade está a terminar. Começam os exames. Alguns terão três longos meses e meio de férias pela frente.
São os que fizeram as frequências, seguindo a avaliação contínua, vendo-se recompensados por um esforço que distribuíram ao longo do semestre. Outros lá tropeçaram aqui ou ali e terão que tentar, mais uma vez, esta ou aquela matéria menos estudada, entendida, apreciada, pior transmitida. Porque já se sabe, dos dois lados da sala, frente a frente, estão sempre seres humanos. Falíveis, instáveis, por muito competentes e esforçados que se revelem ou os declarem. Há que melhorar, sempre, e a Universidade, como o Mundo, tem esse percurso como destino a alcançar.
Na área das Humanidades e das Ciências Sociais estamos à espera de encontrar quem se ocupe e preocupe mais com metafísicas do que com físicas, mais com comportamentos, formas e métodos de interagir entre indivíduos, entre si e em grupo mais ou menos alargado. É aqui que podemos tentar iludir e ultrapassar o que é físico, químico, comandado por reações quase predestinadas, e usar o pensamento para além do técnico que, vamos lá ver, sempre é o que nos salva a vida e nos dá, em princípio e se tudo correr pelo melhor, o conforto material da evolução civilizacional. E até nessas áreas haverá momentos em que as certezas que se conquistaram contêm em si histórias que parecem do domínio da ficção e que, por isso mesmo talvez, contribuem para a evolução e para o progresso da Humanidade. O saber, o conhecimento, a técnica, tudo nas mãos de seres humanos a investigar, a ensinar, a aplicar.
O que é também interessante na instituição Universidade, que é uma Escola onde cada um, e cada vez mais felizmente, deveriam poder encontrar a totalidade, a universalidade, reflectida nos percursos possíveis do conhecimento, e fazer nela o seu caminho aprendendo, onde já ninguém se não o próprio se encarregará da sua Educação, é precisamente a sua semelhança com o resto do Mundo. Mas é lá também onde se espera que estejam os que, pela primeira vez, modelam adultos, sem a intervenção protectora de pais ou tutores, servindo de exemplo numa outra fase de maturação aos que por lá passam e continuam depois o seu percurso pela vida, desejavelmente ganhando uma autonomia libertadora. É assim, pelo menos em teoria.
Tenho para mim que numa sociedade em que as dinâmicas políticas e sistémicas permitem uma muito maior mobilidade social, com o acesso a instituições que antes só serviam elites, o quão mais trabalhoso e responsabilizador é para quem nelas trabalha: colaborar ensinando, e portanto dando o exemplo, a serem bons usuários dessas instituições. Enriquecendo-as até, com a sua participação que deve ser sempre bem vinda quando é esse o seu fim.
O Vergílio Ferreira que há 70 anos estava a terminar o seu primeiro ano letivo neste espaço que agora é Universidade e então foi Liceu, apesar da figura enigmática e do feitio a adivinhar-se mais para o taciturno, inspirou e motivou muitos dos seus alunos. Ele já tinha percebido que para além de ensinar com rigor esta ou aquela matéria, necessária, útil, trabalhosa, a que daremos muito valor num contributo determinado para a sociedade, outras capacidades aparentemente inatas ao ser humano tinham muito para ser trabalhadas por quem e para quem ensinar é mais do que isso. E onde o termo e o conceito de Cultura devem ultrapassar as paredes de uma sala de aulas numa Universidade e…entrar nela, aperfeiçoando-se e aperfeiçoando-a. Ele escreveu: «A cultura é o modo avançado de se estar no Mundo, ou seja a capacidade de se dialogar com ele.» E isto também se deve aprender lá dentro. E praticar.
Até para a semana.

Cláudia Sousa Pereira (crónica na rádio diana)

10 comentários:

  1. http://www.tribunaalentejo.pt/tribuna/artigos/estado-leiloa-palacete-em-evora

    Parece que as Infraestruturas de Portugal já leiloaram o edifício da câmara por uns míseros 581 mil euros. Deve ser por ter alguns cómodos muito esburacados.
    Parece mas nem tudo o que parece é. O palacete leiloado tem azulejos e não é este. A fotografia engana mas é só estupidez de quem publicou o artigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sendo o tribuna um projecto noticioso dos boys do PS (Francisco Costa) e tendo alguns deles trabalhado na Camara, é estranha a publicação.

      Eliminar
  2. Todos à Feira - http://bit.ly/1NM3LFv

    ResponderEliminar
  3. A Câmara está desde ontem sem telefones, nem emails, nem rede interna. É o caos. E o Pinto de Montemor pavoneia-se com o presidente da República e o Eanes na Universidade. Só lambe-botas incompetentes. A cidade caminha para a destruição acelerada. Nem no tempo do Ernesto isto estava como está hoje.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «Nem no tempo do Ernesto isto estava como está hoje»
      A destruição acelerada começou no tempo do Ernesto. Avarias nos servidores e na central telefónica foram mais que muitas e algumas por períodos ainda mais longos. Muito já melhorou nestes dois anos.

      Eliminar
  4. Apelo a CME e Gesamb.

    estas entidades responsáveis pelos lixos,devem quanto antes lançarem uma campanha de sensibilização para uma atitude mais responsável e cívica por parte de muitos cidadãos.

    Continuam a colocar as embalagens junto dos ecopontos

    Continuam a colocar restos de comida junto dos contentores

    Alguns empresários de restauração do centro histórico continuam a arrastar os sacos pelas calçadas(espalhando gordura) até aos contentores.

    Comerciantes das arcadas colocam a qualquer hora embalagens no passeio.

    O mercado mensal do rossio continua a transformar-se numa lixeira.

    BASTA é tempo de actuar:sensibilizar e em ultimo recurso aplicar coimas.

    ResponderEliminar
  5. O PCP cumpre o seu Programa:- A tomada do poder para instauração da ditadura.
    Só que a tomada do poder é por fases.
    A fase atual passa pela greve dos estivadores e tem como objetivo a nacionalização dos portos.
    Quando quase tudo estiver nacionalizado, aí sim, dá-se o golpe final da tomada do poder.
    E vai ser tão lindo.....

    ResponderEliminar
  6. 12:28,não sejas mentiroso,a Vice-Presidente representou a CME na comferência do General Ramalho Eanes.

    ResponderEliminar
  7. Rondão de Almeida deixa o PS,vai fundar um movimento e candidatar-se em 2017 as autárquicas.

    ResponderEliminar
  8. Patinho parece que está de acordo com a posição do governo em relação ao traçado ferroviário Sines/Elvas(que atravessa parte da área urbana de Évora.

    A "cenoura" terá sido o comboio de passageiros entre Évora /Badajoz.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.