terça-feira, 26 de abril de 2016

O 25 de Abril de Vergílio Ferreira

Recordarei hoje o registo que, na sua Conta Corrente, com a memória dos dias que pensava e escrevia, Vergílio Ferreira recebeu a notícia da Revolução dos Cravos.
«Às sete da manhã, um amigo telefona-me: “Ouça a rádio.” Ouço sem entender: rebentou a Revolução. A Revolução? Que Revolução? Por fim lá vou compreendendo. Toda a manhã a rádio nos vai esclarecendo com notícias. Passámos o dia à escuta. Será possível?» E no dia seguinte: «Vitória. Embrulha-se-me o pensar. Não sei o que dizer. Uma emoção violentíssima. Como é possível? Quase cinquenta anos de fascismo, a vida inteira deformada pelo medo. A Polícia. A Censura. Vai acabar a guerra. Vai acabar a PIDE. Tudo isto é fantástico. Vou serenar para reflectir. Tudo isto é excessivo para a minha capacidade de pensar e sentir.»
E como, um ano depois, num comício do Partido Socialista, onde a Sophia e o Torga também estavam, leu à multidão na praça pública ainda que sem o sistema de som ligado, porque teria sido sabotado:
DIZER NÃO

Diz NÃO à liberdade que te oferecem, se ela é só a liberdade dos que ta querem oferecer. Porque a liberdade que é tua não passa pelo decreto arbitrário dos outros.

Diz NÃO à ordem das ruas, se ela é só a ordem do terror. Porque ela tem de nascer de ti, da paz da tua consciência, e não há ordem mais perfeita do que a ordem dos cemitérios.

Diz NÃO à cultura com que queiram promover-te, se a cultura for apenas um prolongamento da polícia. Porque a cultura não tem que ver com a ordem policial mas com a inteira liberdade de ti, não é um modo de se descer mas de se subir, não é um luxo de “elitismo”, mas um modo de seres humano em toda a tua plenitude.

Diz NÃO até ao pão com que pretendem alimentar-te, se tiveres de pagá-lo com a renúncia de ti mesmo. Porque não há uma só forma de to negarem negando-to, mas infligindo-te como preço a tua humilhação.

Diz NÃO à justiça com que queiram redimir-te, se ela é apenas um modo de se redimir o redentor. Porque ela não passa nunca por um código, antes de passar pela certeza do que tu sabes ser justo.

Diz NÃO à unidade que te impõem, se ela é apenas essa imposição. Porque a unidade é apenas a necessidade irreprimível de nos reconhecermos irmãos.

Diz NÃO a todo o partido que te queiram pregar, se ele é apenas a promoção de uma ordem de rebanho. Porque sermos todos irmãos não é ordenarmo-nos em gado sob o comando de um pastor.

Diz NÃO ao ódio e à violência com que te queiram legitimar uma luta fraticida. Porque a justiça há-de nascer de uma consciência iluminada para a verdade e o amor, e o que se semeia no ódio é ódio até ao fim e só dá frutos de sangue.

Diz NÃO mesmo à igualdade, se ela é apenas um modo de te nivelarem pelo mais baixo e não pelo mais alto que existe também em ti. Porque ser igual na miséria e em toda a espécie de degradação não é ser promovido a homem mas despromovido a animal.

E é do NÃO ao que te limita e degrada que tu hás-de construir o SIM da tua dignidade.»

Até para a semana.

Cláudia Sousa Pereira (crónica na rádio diana)

9 comentários:

  1. Uma bela crónica. Parabéns ao Virgílio Ferreira.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anda a gaja há semanas e semanas a fazer flores à conta do homem e ainda não lhe aprendeste o nome. É Vergílio, porra! Arre que é burro! Ou burra!

      Eliminar
  2. Onde andava quando o seu governo aprovou o traçado ferroviário Sines-Caia?

    Como vereadora que posição tomou ?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A decisão não foi tomada em mandato da Professora Doutora.
      E tu que disseste na altura? Abanaste as orelhas não foi quadrúpede?

      Eliminar
  3. Hoje de manha estava uma poça de sangue enorme a entrada da autarquia,que terá sido a vitima???A situação da vida na autarquia esta quente com muita incompetência e desleixo mas com facadas parece muito o estilo Venezuela!

    ResponderEliminar
  4. O anterior executivo nada fez em relação ao traçado da linha ferroviária Sines-Caia,os vários interesses doa grupos de famílias no seio do ps não deixaram.

    ResponderEliminar
  5. Porque rejeitou o governo de Sócrates e a cãmara socialista o traçado da união europeia ?

    Basta consultar a página,ao troço na zona de Évora passa a uma centenas de metros da Caeira.

    ResponderEliminar
  6. 8:08,as vitimas tem sido os Eborenses,a divida de 90 milhões de euros da gestão PS,impostos mais altos e uma linha de comboios a atravessar a Cidade.

    ResponderEliminar
  7. Alguém que mande lavar a entrada do edifício da autarquia é mau para a imagem dos turistas que visitam os banhos romanos.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.