terça-feira, 5 de abril de 2016

Factos, notícias e opiniões

É normalmente quando os assuntos nos tocam de mais perto que procuramos conhecê-los melhor. Ora é precisamente também nesses momentos e nessas circunstâncias que é mais fácil deixarmo-nos toldar pela subjectividade na análise e a, por vezes, ajustarmos os argumentos mais ao que nos interessa do que à chamada “verdade dos factos”.
E isto é natural no indivíduo da espécie humana que vive desde sempre a interpretar tudo o que lhe acontece ou, não sem alguma inércia intelectual, a acreditar em interpretações que lhe vão apresentando mais ou menos à força.
Este tema não podia escapar ao autor, pensador e escritor, que me inspira esta série de crónicas e que chegou a afirmá-lo da seguinte forma: «Toda a cultura assenta na interpretação dos factos. Os factos em si permanecem, sujeitos embora a emendas como factos que são. Mas não a sua leitura.» O interessante nesta afirmação de Vergílio Ferreira é, não apenas ela opor-se à vulgar sentença que diz que «contra factos não há argumentos», como sugerir que os factos se podem emendar. Vamos pois, por partes, ver se nos entendemos.
Utilizar-se o argumento da não argumentação de factos é renunciar à possibilidade de qualquer tipo de discussão tratando os factos como fatalidades. Como se todos os factos fossem actos isolados. Sê-lo-ão os factos ilícitos, que são os que quebram as leis, ou os factos consumados, que são os que não se podem reverter. Mas se os primeiros são julgados e a repreensão depende da avaliação da sua gravidade, os segundos servem-nos para estarmos mais alerta, da vez seguinte em que essa irreversibilidade indesejada se possa dar. Na vida em sociedade, que é a que em princípio temos de viver, existem os factos sociais. São aqueles em que se deve ter em conta as relações entre os indivíduos e o ambiente colectivo em que decorrem, sendo impossível analisá-los sem se observar a totalidade do seu desenvolvimento na sociedade. Os factores tempo e espaço são, por isso, indissociáveis desta noção de factos. E são também eles que nos permitem contarmos a nossa história e, consequentemente, sugerir outras e mais leituras.
Que toda esta conversa vos faça pensar nos perigosos rebeldes (sublinho a ironia) recentemente condenados em Angola como uma associação de criminosos. Os jovens foram detidos durante um encontro em junho do ano passado no qual partilhavam a leitura do livro "Da ditadura à democracia". Rejeitaram sempre as acusações que lhes foram imputadas e declararam em tribunal que os encontros semanais que promoviam visavam discutir política e não promover qualquer acção violenta para derrubar o regime.
E já agora, também espero que a conversa vos faça avaliar a reacção de membros de uma associação ideológica que, tantas vezes parecendo reclamar para si o monopólio da liberdade e o discurso da justiça social, se escudam em factos que arrumam como inevitabilidades. E todos sabemos do que estou a falar.
Até para a semana.

Cláudia Sousa Pereira (crónica na radio diana)

20 comentários:

  1. Uma das fações perdedoras das eleições Distritais do PS/Évora lançou alguns nomes para as autárquicas,o objetivo é"queimar " esse(s) candidatos entre eles surgiu o nome do Patinho.
    Em 2013 o PS perante o descalabro de 12 anos "sacrificou" Melgão,o estado da descredibilização da politica passa também poe estes comportamentos,o PS não pode usar candidatos "descartáveis".

    ResponderEliminar
  2. A corrupção em Angola é generalizada entre os elementos do poder,as relações de amizade com muitos políticos Portugueses é uma realidade.O MPLA partido do Poder pertence a Internacional Socialista a família politica do Partido Socialista.

    ResponderEliminar
  3. Mais Vergílio, mais blá-blá, tudo rematado com uma valorosa luta contra a opressão sobre a liberdade de expressão.
    Farto-me de rir, cada vez que ouço alguém da Esquerda "radical" vir em defesa da liberdade de expressão. Se é para dar liberdade à Esquerda e ao Comunismo, tudo porreiro.Se é para dar liberdade à Extrema Direita, já tá tudo mal. Tenho aqui deixado comentários que nunca chegam a ser publicados, apesar de não ofenderem ninguém, mas que nunca são divulgados só porque apresentam um ponto de vista diferente dessa Esquerda. Aliás, só pelo que estou aqui a dizer, já tenho fortes suspeitas que nem este venha a ser publicado. Onde está assim a liberdade de expressão neste blog?

    ResponderEliminar
  4. Como era de esperar, o desemprego em Fevereiro já começou a subir,
    e o António Costa ri-se!

    ResponderEliminar
  5. Vem ai o Centro Comercial?


    Évora continua a ser uma cidade de província, ainda que a distância a Lisboa seja de pouco mais de uma hora, a mentalidade continua al como se ainda levássemos duas ou três horas via Vila Franca de Xira.

    Por outro lado o comércio da cidade não se modernizou, lá continuamos com os mesmos comerciantes de sempre (Cunhas & Cp.ª), se alguém pretende quer comprar algo diferente lá têm de dar um salto a Almada ou ao Montijo, isto para não falar a Badajoz.

    Quanto a possuirmos uma sala de cinema, já nem é bom falar nisso, pois as promessas são isso mesmo, promessas. Ainda não percebi por que razão a CME proprietária o antigo salão Central ainda não negociou com alguém que esteja interessado na sua recuperação, pois tenho a certeza que quer a sua localização, e dimensão seria o espaço ideal para que Évora voltasse a ter cinema de qualidade. Será que a recuperação do antigo salão é assim tão complicada e com valores tão elevados que não merecem a pena.


    Bom, mas as boas notícias é que segundo parece o reinicio das obras do Centro Comercial vão começar no próximo dia 11 (próxima 2,ª feira) ao mesmo tempo vão também iniciar as obras da Decathlon, ainda segunda a mesma fonte, este empreendimento vai situar-se junto à rotunda que fica junto à Tyco Electrónics e a Opel.



    Vamos lá a ver se é desta que Évora vai poder contar com um conjunto de lojas de qualidade evitando assim, a “migração” de fim de semana, para os Centros Comerciais da Capital ou Espanhol.


    Contrariamente a algumas mentes pensantes desta cidade, o Centro Comercial, não sendo o local recreativo e ideal para as pessoas passearem, sempre será um local de encontro, principalmente aos fins de semana, pois infelizmente Évora é um deserto em termos de locais onde as pessoas possam descontrair e encontrar e ao mesmo tempo permitir a troca ideias.

    aqui: http://manoelinho.blogspot.pt/2016/04/vem-ai-o-centro-comercial.html

    ResponderEliminar
  6. Venezuela pagou sete milhões ao Podemos para criar forças políticas bolivarianas em Espanha,a esquerda ainda fala,o bloco de esquerda também deve ser finaciado pelo a seita comunista Venezuelana,Marisa Matias nunca largou o lider do podemos agora percebo porque!

    ResponderEliminar
  7. O Movimento de Defesa do Centro Histórico (MDCH) de Évora congratula-se com o fim do pagamento do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) nos centros históricos classificados pela UNESCO.
    O porta-voz do movimento, João Andrade Santos, reage à notícia avançada pelo Jornal de Notícias, no fim-de-semana, que diz que o Governo vai dar indicação às Finanças para que pare de notificar os proprietários isentos.
    Agora já os podem continuar a deixar cair de podre já foram os telhados agora só restam as paredes,estes propriatarios que deixam os imoveis em ruinas devia pagar o IMI a triplicar e todos os anos devia subir até fazerem obras é uma VERGONHA PATROCINADA E LIDERADA POR COMUNISTAS!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo com a isenção de IMI no centro histórico, dado o valor patrimonial e o acréscimo de custos inerentes à sua conservação. No fundo esta isenção corresponderá a assumir colectivamente parte dos custos de conservação de bens que consideramos de valor nacional, dai a classificação como Património Nacional.

      Contudo, essa isenção devia deixar de existir sempre que os proprietários não cumprissem as suas obrigações de conservação dos imóveis. Nos casos em que os proprietários não cumprissem a sua obrigação de conservação, aplicar-se-ia o regime geral de taxas, impostos e respectivas penalidades. Só assim se introduziria alguma moral e justiça nesta questão.

      Eliminar
  8. 08:01,não falas dos Biliões de Dólares que os EUA dão a organizações (direita) na América Latina.

    ResponderEliminar
  9. 11,26 deves estar a delirar a maior parte da América latina tem petróleo versus dólares,organizações só as do narcotráfico e é de consumidores como sucede do México América são toneladas diárias!

    ResponderEliminar
  10. Camarada Patinho não deixe "apodrecer" a situação vivida na junta de S.Manços,o partido Socialista está a passar uma imagem contrária aquilo que deve ser a transparência do Poder Local.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A situação vivida na junta de S. Manços não é apenas da responsabilidade da presidente Florinda Russo mas também "daqueles" que tanto a apoiaram na sua candidatura. Essa mulher não é, e nunca foi, socialista, o seu único objetivo foi, desde sempre, ganhar confiança politica de um partido, infelizmente do PS, para atingir os seus objetivos. Aí está os resultados...

      Eliminar
    2. Quem impulsionou a candidatura da D. Florinda foi o Melgão e o Francisco Costa.

      Eliminar
  11. A gestão PS na freguesia de S.Manços é o "espelho" do que foi no concelho em 12 anos.

    È isto que querem para Évora?

    O partido socialista no concelho continua a não ter politicas que tragam uma melhor qualidade de vida .

    Temos um concelho bloqueado por divida feita por má gestão socialista,pagamos impostos no máximo por decisões erráticas do partido socialista.

    2017 ano de eleições autárquicas, é tempo de discutir projetos ,que Alternativas para Évora ?

    Uma candidatura cidadâ formada por movimentos sociais com o apoio(Bloco /Livre) ?

    O atual projeto em curso,(PCP/PEV) ?

    ou os partidos do centrão ligados aos interesses pessoais e ao compadrio ?

    ResponderEliminar
  12. O problema do atual governo não é os acordos com a Esquerda,é o próprio ps.

    Senhor Primeiro Ministro,Demita o Senhor Soares.

    ResponderEliminar
  13. PS e Bruxelas os grandes "inimigos" deste governo.

    ResponderEliminar
  14. Apelo:

    a empresa proprietária da antiga panificadora devia de ter mais respeito pelos cidadãos,tem toda a legitimidade em requalificarem o edifício,o que não podem é prejudicar as centenas de automobilistas que diariamente por ali passam,a faixa de rodagem entre o Lidl e a empresa Pinto e Filhos está completamente Destruida a longos meses.

    A cãmara municipal já devia de ter intimado os proprietários a reporem o pavimento.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «A cãmara municipal já devia de ter intimado os proprietários a reporem o pavimento»

      Escreveste isto dia 7 e no dia seguinte (dia 8) o pavimento foi reposto.
      Aposto que tudo se ficou a dever ao teu douto e bem informado comentário. A câmara leu-o, intimou os proprietários no próprio dia e, NO DIA SEGUINTE, aí estava a obra a ser feita...

      Obrigado, a cidade agradece estares tão bem informado e sobretudo, a tua capacidade e rapidez de trabalho.

      Eliminar
  15. Para desenjoar da mediocridade e da violência reinante, por favor, deliciem-se e redeliciem-se com a arte a sabedoria do dragão, neste extracto do "Fado da enburkada", via dragoscópio

    "... fui, pela enésima vez, brindado com mais um chorrilho de inaninades roncantes. Do despejo só não digo que é um zurro completo porque, apesar de tudo, nele ressaltam duas invectivas que tomo como cumprimentos: quando me chama ignorante e quando me manda estudar. Chamar-me ignorante é, tout court, chamar-me humano; mandar-me estudar, embora desnecessário e redundante, é desejar-me algo que eu faço (e tenho feito ao longo da vida), com o maior dos deleites (superior a isso só mesmo cobrir senhoras ou tocar guitarra; de igual comprazimento apenas dar tiros ou andar à porrada - u). Acresce que, por via duma retorcida tendência para certos livros plenos de temas abstrusos tive o infuortúnio (mais que o privilégio) de tomar boa nota do paradoxo da sabedoria, a saber, que quanto mais sabemos, mais descobrimos a proporção cósmica da nossa ignorância. De tal modo que eu, que na minha juventude sabia praticamente tudo (e o que não sabia era porque nem valia a pena saber), agora, perpassados livros e anos, estou cada vez mais ciente de que não sei praticamente nada. E piora a cada dia que passa. Com a agravante de teimar na frequência de ignorantes ainda maiores que eu. Ignorâncias, essas, por assim dizer, monumentais, perante as quais irrompo feito um perfeito sabichão. E das quais, a grande custo, saio, ocasionalmente, um bocadinho mais ignorante. Faço tenção mesmo (com alguma megalomania, reconheço), que uma vez diante do Juiz final, tenha a declarar o seguinte: sendo certo que não ignoro completa e absolutamente, tenho a dizer, sob penhor da minha alma, que ignoro profundamente uma quantidade apreciável de coisas. Nada disto tem que ver com a obra daquele sábio Nicolau (de Cusa), porque os sábios, como esse , pouca ignorância têm para transmitir. Se um tipo perde muito tempo com sábios, regride à adolescência e é uma chatice. Corre mesmo o sério risco de ficar viciado na regressão e, em menos de nada, dá consigo em forma de girino fora da bolsa seminal em odisseia de nhanha palrante pelo mundo. Palrante e, cúmulo do horror, sentenciosa."

    ResponderEliminar
  16. INFORMAÇÃO
    Se querem ter acesso a informação independente, com explicação competente, séria e honesta, do que se vai passando nestes tempos, e livre da censura e propaganda imposta pelo capital sobre os meios de comunicação nacionais, por favor leiam este jornal online

    http://www.jornaltornado.pt/

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.