quinta-feira, 28 de abril de 2016

Equação impossível

O presidente da república Marcelo Rebelo de Sousa no primeiro discurso que fez à nação nesta qualidade a propósito das comemorações do 25 Abril, descreveu de forma rigorosa e imparcial os factos político-constitucionais que marcaram a nossa vida política em Democracia. Quantos aos apelos que dirigiu aos partidos que constituem a representação parlamentar, tenho muitas dúvidas, que, venham ser atendidos.
Na verdade, a atual solução governativa tem fundada a sua legitimidade política em partidos que não acreditam na União Europeia, no Euro, nas regras orçamentais que decorrem dos tratados, como, também, não acreditam na economia social de mercado. Acreditam, porém, num Estado protecionista, dirigista e empresário. Esta visão do papel dos Estados, em minha opinião, está caduca e é contrária ao desenvolvimento e colocará os países e as respetivas sociedades mais distantes do progresso, do desenvolvimento e do bem-estar.
Ora, os apelos que o atual presidente fez aos partidos para que sejam criadas as condições políticas para que haja consensos em matérias como a Segurança Social e o sistema politico, mormente, a Lei eleitoral. Terão, indubitavelmente, as resistências do Partido Comunista e do Bloco de Esquerda. A sobrevivência destas forças politicas, passa, como de resto tem sido a estratégia adotada, pelo confronto, pelo radicalismo e pelo populismo quase primário. Neste último aspeto, o bloco destaca-se largamente.
Por isso, sou da opinião que será muito pouco provável que se consigam encontrar, no atual quadro político, as condições necessárias que permitam encontrar o espaço para que seja possível haver consensos e os respetivos acordos de regime em matérias como aquelas que acima identifiquei.
Assim, afasto-me total e conscientemente do presidente da república, porque estou convencido de que a atual situação politica só se clarificará com a devolução da decisão ao povo. Não porque defenda que devamos andar sempre em campanha eleitoral, mas porque estou plenamente convencido que de esta solução constitui um impasse e o país não pode nem deverá perder tempo.
De resto, o atual governo depende de uma solução política que não só não foi sufragada, como não tem a capacidade de gerar os consensos políticos em virtude das inultrapassáveis divergências políticas e ideológicas que separam os partidos que a suportam.
Com efeito, posso reconhecer o esforço realizado pelo presidente da república no seu aviso à navegação, mas um automóvel com rodas quadradas muito dificilmente chegará longe.

José Policarpo (crónica na radio diana)

19 comentários:

  1. Senhor Policarpo o Povo votou para eleger Deputados(eleições legislativas) e não primeiros ministros.

    É na Assembleia que se formam as maiorias para formar Governo,ao longo de 40 anos os media tem passado até a exaustão que são eleições para eleger o Primeiro Ministro,uma forma de favorecer o Centrão.

    A revisão da lei eleitoral que tanto fala,tem como finalidade criar maiorias não representativas,acabar com a pluralidade,reduzir o Parlamento a duas forças politicas.

    Em relação a União Europeia, são cada vez mais os Cidadãos que não acreditam nesta união,amarrada aos mercados e a politicas que penalizam quem trabalha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Falam-te em alhos, respondes em bugalhos. Tal não é a dose de PCP que te meteram na cabeça. O Policarpo falou de 2 programas políticos distintos, o da Esquerda que só leva à vida de Cuba ou da Venezuela e o da Direita que quer desenvolver Portugal com Trabalho e Justiça. Não falou de política da treta.
      Vê se entendes.

      Eliminar
  2. Está preocupado com o populismo ?

    parece que não ,esteve coligado durante quatro anos e meio com a força mais populista (CDS).

    ResponderEliminar
  3. Economia social de mercado ou caridadezinha?

    ResponderEliminar
  4. " a solução politica não foi sufragada"

    Não faça dos Eborenses estúpidos,os Portugueses votaram em maioria nos partidos que tinham como objetivos pôr fim a politica de austeridade.
    É um governo com legitimidade Democrática e Constituicional.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pôr fim à austeridade?
      Tu vais ter é mais austeridade. Então ainda não te apercebeste que os investidores, os que podem criar empregos, estão a abandonar os projetos ou a desviar-se para outros países porque não estão para aturar o Costa?
      O Costa está a preparar a vinda da Troica outra vez. E depois é que tu vais ver no que deu o fim da austeridade que os esquerdas como tu apregoam. Vai doer mais do que a austeridade que o Sócrates arranjou para ti.
      Aponta para mais tarde recordares.

      Eliminar
  5. Passos Coelho e o Lava Jato, no Publico

    As autoridades policiais brasileiras pediram informações ao Ministério Público sobre a actividade do publicitário André Gustavo em território nacional, onde dirigiu as duas últimas campanhas eleitorais (2011 e 2015) lideradas por Pedro Passos Coelho.
    ...
    André Gustavo tinha acesso livre a Pedro Passos Coelho e nos primeiros anos da sua governação era visto com frequência em São Bento. O publicitário brasileiro conheceu, há quase 20 anos no Brasil, Luís Filipe Menezes, o ex-presidente do PSD, como foi confirmado pelo próprio à Visão em 2011. Mais tarde seria apresentado a Marco António Costa, que, por sua vez, o deu a conhecer a Miguel Relvas. André Gustavo começou a trabalhar para o PSD em 2010, quando o partido estava na oposição, sob a liderança de Passos Coelho.


    Luis Filipe Menezes, Marco António Costa, Miguel Relvas e Passos Coelho. Tudo bons rapazes.

    Cambada de gatunos que andou a roubar Portugal, a privatizar o que era do estado, a endividar os portugueses, a destruir os serviços públicos, a tirar direitos aos mais pobres, aos trabalhadores, aos funcionários, aos reformado, e a submeter o país aos ditames da banca, da extrema direita, e dos fascistas de Bilderberg.

    É isto o PSD.
    É por isto que o Marcelo não quis o PSD na campanha para presidente.
    É disto que o Marcelo foge, como o Diabo da Cruz.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eh pá, se eu fosse a ti metia esses gatunos todos em Tribunal para serem julgados por tanto roubo.

      Eliminar
  6. "Assim, afasto-me total e conscientemente do presidente da república"
    Essa é muito boa!
    O Presidente da republica é que se afastou do PSD.
    Ele não quer nada com os incompetentes e corruptos que tomaram conta do partido.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se são tão incompetentes porque perdes tanto tempo a dizer mal deles.
      O que tu sentes é que esses "incompetentes" vão voltar ao Governo mais cedo do que tarde. Tens medo deles voltarem a colocar Portugal na senda do Progresso e do Desenvolvimento, porque sabes que onde há Desenvolvimento o PCP desaparece e lá se vai o teu tachinho.

      Eliminar
    2. A Conceição Cristas também tem muita piada.
      Acusa o Jerónimo de sair da sala "por ter vergonha da votação contra a proposta do CDS. Essa está muito boa.

      O CDS participou na roubalheira e ruína de Portugal.
      Delapidou a riqueza e os recursos nacionais.
      Endividou os portugueses para lá da capacidade de sustentação do país.
      Andou a roubar os pobres, aos trabalhadores, aos que pagam impostos, para dar aos corruptos e aos banqueiros.
      Essa senhora sabe o que é ter vergonha?
      Muito pior do que ter vergonha, é não ter vergonha pelos crimes que se cometem.

      Já o Passos Coelho vem para a televisão, com um ar muito cândido e inocente, acusar o Primeiro Ministro de ser ofensivo no parlamento.
      Já os crimes que ele cometeu contra os portugueses, associado a uma corja de bandidos, como se vem comprovando, não são nada ofensivos.

      Não há ninguém que lhes pregue com um pano encharcado nas trombas?

      Eliminar
    3. Olha, para que saibas. Cá para mim, que vivo do meu trabalho e pago impostos para tu teres ordenado como funcionário público, desejo que rapidamente venham esses crimes que tu dizes que o Passos Coelho cometeu contra os portugueses. Crimes esses que criam empregos e destroem tachos.
      Não há pachorra para a ladainha dos comunistas.

      Eliminar
    4. 14:26
      Eu também vivo do meu trabalho e também pago impostos. E daí, isso dá-me alguma superioridade moral sobre outros?
      ...
      Haja paciência para a indigência mental de certos sujeitos que se julgam seres superiores.

      Eliminar
    5. Nos anos 80 foi ver os YUPIS a subir na hierarquia das empresas publicas, dos bancos, das ONGs, e dos partidos do "arco da corrupção".
      Os mais "brilhantes" foram integrando os governos do Cavaco, do Durão, do Sócrates, e do Coelho.
      O Passos chegou a primeiro ministro, assessorado pelo Relvas, recebeu o país falido e ainda o enterrou mais.
      O Meneses e o Marco António são os campeões da dívida autárquica.
      Agora, andam todos às voltas com a Justiça.
      Os restantes andam pela blogoesfera a ganir.

      Eliminar
    6. @14:26
      "Olha, para que saibas. Cá para mim que vivo do meu trabalho e pago impostos" como funcionário público
      1
      para que tu tenhas direito a Serviço Nacional de Saúde Publico e Privado, Escola Publica e Privada, Justiça, Segurança Social, Segurança Publica, Protecção Civil, a tua cidade com qualidade de vida;
      2
      enquanto a tua Banca Privada é suportada pelos que pagam impostos, e tu tens direito a não pagar os teus impostos, e a esconder os teus crimes em qualquer paraíso fiscal;
      3
      se achas que andas a suportar os funcionários públicos, então acho que só podes ser uma grande besta.

      Eliminar
  7. 16.04 Toma Kompensam azia esta a subir ó cerebro,o Jeronimo não teve tomates,durante a semana afirmou uma coisa na sexta pediu para votarem outra e o mesmo fugiu do parlamento.
    Se é de homem vou ali e já volto,tivemos 3 troikas versus bancarota tudo a mão e de obra socialista de esquerda estamos a caminho da 4 troika,desde janeiro a despesa publica subiu mais de 300 milhões é brutal.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não passas dum cretino, a despesa pública teve ter subido tudo isso com os 2 meses do Governo do Costa, vai mas é dar banho ao cão, não passas dum carneiro fascista.

      Eliminar
  8. A dívida pública na ótica de Maastricht subiu 1,7 mil milhões de euros em março face a fevereiro, fixando-se em 233 mil milhões de euros, segundo dados divulgados pelo Banco de Portugal.
    A geringonça de esquerda no seu máximo de destruição!

    ResponderEliminar
  9. 16,52 Fascismo e comunismo é a mesma merd percebes ou queres um desenho meu asno!

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.