quinta-feira, 21 de abril de 2016

A liberdade e os seus inimigos

Na passada semana assistimos a um espectáculo degradante dado por políticos acusados de corrupção, saudosos da ditadura militar, fanáticos de seitas religiosas e imbecis que repetem os que os seus mandantes determinam, tudo isto embrulhado em discurso patriótico e em nome da liberdade, e dito em português com sotaque.
Foi o culminar de uma vil campanha iniciada por uma comunicação social paga por aqueles que construíram a possibilidade de um golpe de estado sem disparar um tiro.
Aconteceu isto no Brasil, quando ainda não passaram 40 anos sobre o fim de uma feroz ditadura militar que transformou aquele país no destino preferido dos fascistas que entretanto se puseram ao fresco quando por cá recuperámos a nossa liberdade.
Ouvir um deputado nomear elogiosamente um coronel torturador, enquanto votava a favor do golpe de estado foi talvez a coisa mais repugnante que ouvi nos últimos tempos.
O movimento democrático que varreu a américa latina está hoje debaixo do fogo império que não lhe perdoa a ousadia de optar por caminhos de independência e progresso social. Se estivéssemos nas décadas de 60 ou 70 do século passado a solução seria pagar a uns quantos criminosos fardados, para derrubar governos legítimos e impor ditaduras militares, como aconteceu no Brasil, no Chile ou na Argentina.
Mudando-se os tempos a solução passa por desestabilizar através de campanhas veiculadas por uma comunicação paga para tal, que levem ao mesmo resultado, com a conivência de povos sujeitos a essa brutal manipulação.
Assistimos a esta mesma operação, de que agora o Brasil é alvo, na Venezuela e noutros pontos do mundo, com a popularização de caminhos de retrocesso a tempos de barbárie.
São preocupantes os tempos que vivemos. Parece que uma onda de neo fascismo vai crescendo e tornando legítimas todas as possibilidades, mesmo as mais atrozes.
Basta ver o que se repete nas redes sociais, o que se passa na Ucrânia, na Polónia, na Venezuela ou no Brasil para percebermos como está este mundo perigoso para os ideais de progresso.
Chegámos a um ponto em que parece admissível que o império possa ter como dirigente máximo figuras como Donald Trump e que a alternativa possa ser Hilary Clinton.
É neste contexto que, apesar de todos os retrocessos, a nossa Revolução parece brilhar como farol de futuro, podendo nós afirmar que 42 anos depois do fim da ditadura é impensável ouvir um deputado da Assembleia da República, mesmo os da direita mais conservadora, elogiar um qualquer torcionário da polícia política do regime fascista.
É preciso lembrar que a liberdade e o direito ao sonho de uma vida colectiva melhor e mais justa, têm de ser defendidos todos os dias e de forma implacável.
Comemorar o que conquistámos em Abril é também uma forma de afirmar a nossa vigilância contra a besta fascista que usa a palavra liberdade como mobilizadora para o caminho que leva à sua supressão.
Até para a semana.

Eduardo Luciano (crónica na radio diana)

4 comentários:

  1. A atenção da CME

    vários troços de artérias da cidade necessitam com urgência serem repavimentados.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ontem, dia 22 as fotos da visita do Sr. Presidente da República, valeram 317 likes á página oficial Évora Noticias!!! Ainda dizem que Évora é maioritariamente CDU...hummmm. Hoje dia 23 já começou a arruaça pelo Giraldo. Eh pá, poupem os residentes!!! A véspera do 25 de abril, é amanhã! Fogo....

      Eliminar
  2. Atenção da CME

    Urge construir passeios entre o troço Porta de Avis/Bacêlo,tem vindo a aumentar o fluxo de cidadãos que percorrem a pé,em certas zonas o perigo de atropelamento é real.A colocação de sinalética,passadeiras e a limpeza dos arbustros é fundamental.

    ResponderEliminar
  3. A liberdade de opinião não existe em Angola. 14 jovens foram condenados a penas de prisão por delito de opinião. O PCP, O CDS e o PSD rejeitaram o voto de condenação da prisão destes jovens. E este tipo vem para aqui a falar de liberdade! É preciso ter LATA!

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.