terça-feira, 29 de março de 2016

Multidões e Silêncio – crónica em fim de Quaresma

Tivemos mais um Março violento de acontecimentos que, tendo sido em países estrangeiros, nos afectam enquanto parte de um todo, nem que esse todo se divida em duas áreas mais específicas: a Europa e a Democracia.
O atentado em Bruxelas, que não matou mais do que os que morrem às mesmas mãos noutros continentes todos os dias, trouxe o terrorismo para ao pé de nós para que uns encontrassem num qualquer céu as virgens prometidas em troca de outros poderem encher-se do poder que faz o mundo girar. As manifestações no Brasil, onde não parece haver virgens em matéria de “mãos untadas” que usam o poder para fazer girar o seu pequeno e privado mundo, expôs-nos às dificuldades de fazer vingar a Democracia a sério, e num promissor País tão novo nela.
Mas para além de todas estas questões sociais e políticas, tão importantes para a Humanidade em geral, é ao nível do indivíduo, e em cada um de nós cidadão-comum, que se voltam a criar sentimentos vários e confusos. Não só porque nem a todos apetece passar por esta vida sem se preocuparem com o resto para além do que a si-próprios diz respeito, como - a avaliar pelo rumo da escalada de violência que recomeça, evocando a barbárie da terra sem lei em que já se viveu, por muito distantes que sejam os acontecimentos - isto está tudo ligado e algum dia virá bater-nos à porta. Para além de que, se quisermos ser ainda e só cidadãos-comuns mas empenhados em exercer essa cidadania, importará viver, ensinar a viver e deixar viver de acordo com os padrões civilizacionais de que já não desejávamos, nem prevíamos, retrocessos.
Para além das ruidosas manifestações de quem se indigna e dos silêncios que, a respeito da memória das vítimas, vamos demonstrando indignados na nossa consternação, começa a ser difícil encontrarmos o modo de nos contarmos às gerações que nos trouxeram até aqui e, bem pior ainda, às que ficarão depois de nós partirmos. A educação como transmissão de valores, como abertura de caminhos a formas de pensar, agir e criar, começa a esbarrar com extremismos que nos toldam uma existência que, eventualmente, se desejaria moderada, construtiva, tolerante. Ao ritmo a que a Natureza nos ensinou a reagir ao caos para dele fazer Vida.
O Vergílio Ferreira aconselhava assim: «Falar alto para quê? Poupa as forças, fala baixo. Poderás talvez assim ser ouvido ainda, quando os outros que falam alto se calarem estoirados.» E, pergunto-me eu: e se todos cairmos estoirados, uns de tanto gritar, outros de tanto calar? E se os gritos de uns e o silêncio de outros, entre a multidão e a morte, não nos deixarem aproveitar a vida para além da sobrevida? As dolorosas dúvidas, de que podemos ir fazendo uma espécie de luto, talvez só se apaguem com aquilo que nos faz ir acalmando a dor: o tempo e o amor que dispensamos e nos dispensam. Mas e quando é em nome desta espécie de deuses – tempo e amor -, ainda que falsos mas bem, muito bem, disfarçados, é que a dor se faz? Tenho para mim que há uma única resposta à pergunta que nos resume por estes dias – “onde é que vamos parar?”. É que não pára. Nós é que saímos dela. E essa é a boa notícia. Afinal, celebrar a Páscoa teria que nos ensinar qualquer coisa, não?
Até para a semana

Cláudia Sousa Pereira (crónica na rádio diana)

7 comentários:

  1. E pronto, lá vem o Virgílio outra vez...

    ResponderEliminar
  2. É verdade. Para além de "opiniões" que nem isso são, a fixação a um autor, é clara demonstração das limitações desta sra.
    Lamento a decadência a que se sujeitaram os diversos meios de comunicação da nossa cidade, que, ao invés de procurarem formas de se inovarem e de atraírem novos leitores ou ouvintes, se agarram a dinossauros de opiniões e ideias ultrapassadas pelos tempos, caminhando assim para um inevitável encerramento... É pena...

    ResponderEliminar
  3. A gestão PS em Évora foi desastrosa,dividas,compadrio e muito mais.Na freguesia de S.Manços a gestão PS continua,trapalhadas e ilegalidades.

    A rapaziada do PS até agora não conseguiu pôr termo a situação.



    ResponderEliminar
  4. A trapalhada na freguesia de S.Manços vai continuar?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E em Évora o PCP na Câmara, limita-se a fazer a recolha do lixo.

      Eliminar
    2. Recolha de lixo, limpar as ruas, pagar as dívidas, tapar os buracos deixados por 12 anos de descalabro.
      Limita-se a fazer o que não feito durante 12 anos, o que não é pouco.

      Eliminar
  5. O PCP e seus correlegionarios amestrados podiam arranjar desculpas novas, não???

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.