quarta-feira, 16 de março de 2016

(Évora) Debate esta noite na ISV: As árvores também se abatem?


Hoje, às 21,30H, na Igreja de São Vicente (colecção B)


Vamos falar de árvores, ambiente e qualidade de vida? Uma conversa urgente, a propósito do recente abate de árvores na rua Frei Aleixo, em Évora.


"É já dia 16/3 pelas 21h30 na Igreja S. Vicente/Colecção B, aqui em Évora, vamos falar de árvores, ambiente e qualidade de vida. Uma conversa urgente, a propósito do recente (e recorrente) abate de árvores na rua Frei Aleixo (ZAPA- Zona de Abate Programado Arbóreo aqui no googlemaps: https://www.google.com/maps/d/edit…).
À boleia das, por enquanto imóveis árvores, discutiremos o simbolismo da cidade que se afirma de gestão participada e educadora; e da forma como nos(não) implicamos na vida da cidade.

Estão todos convidados a participar. Com ideias, diferenças, (con/di)vergências, o que for! Porque o importante é participar(mos) e estarmos conscientes do nosso superpoder enquanto cidadãos mobilizados por uma cidade/sociedade melhor.
Apareçam, se puderem!

Abç
Fernando Moital"
aqui: https://www.facebook.com/events/1697240480552764

relacionado: http://www.cincotons.com/2016/03/crime-ambiental-em-evora.html
https://crowdreciclyng.wordpress.com/2016/03/12/historia-o-tragedia-de-un-arbol-en-la-ciudad/

15 comentários:

  1. Agora vão debater o que?Já foram destruidas!Podiam ter sido cortas as raizes e colocado uma cinta de rede metalica a volta das raizes e nunca mais davam problemas,que mora nessa rua tem poder na autarquia só pode,a casos bem mais graves sem solução por arvore ter subido em altura no piso, como sucede na Av Leonor Fernandes e Alto dos Cucos.Temos tantas arvores tradicionais no alentejo põe expecies do Brasil Australia e outros e depois queixam-se!

    ResponderEliminar
  2. Que seja um debate Aberto e participativo, Évora necessita de mais arvores,mas as existentes precisam de ser tratadas.

    A universidade em fevereiro de 2015 mandou podar algumas arvores pela simples razão de as folhas caírem num campo de futebol(e este ter sido entregue a privados),sem condições de trabalho deu-se a tragédia um trabalhador morreu e o outro ficou em estado vegetativo,os responsáveis até ao momento não foram punidos,a ACT nada fez.

    ResponderEliminar
  3. O que aconteceu na Universidade é elucidativo da falta de respeito por quem trabalha,uma empresa privada usou funcionários da instituição para podar arvores sem o mínimo de condições,morreu um trabalhador outro ficou invalido para toda a vida e nada acontece.

    A responsabilidade não pode deixar de ser da entidade máxima da instituição,mas esta tem amigos poderosos na politica,neste de debate este assunto também devia de ser debatido,duvido.

    Já que se vai falar de qualidade de vida,e essa passa por condições de trabalho dignas e que cada trabalhador execute as tarefas para as quais teve formação.

    ResponderEliminar
  4. Bruno Santos no aventar
    LULA
    Nem tudo é o que parece.
    As manifestações “espontâneas” de cidadãos, do Brasil à Ucrânia, de Hong Kong ao Cairo, são operações militares organizadas a partir do exterior com o propósito de criar instabilidade e operar mudanças de governo ou regime. Na verdade são actos de guerra disfarçados de grandes clamores democráticos e revolucionários que, sob pretextos as mais das vezes pouco imaginativos, lançam o caos nas ruas e a desordem nas instituições.
    O Brasil está sob ataque há vários anos, pagando o preço da sua política de alianças internacionais, designadamente no contexto dos BRICS. Lula aceita ser ministro e faz muito bem.


    O acincotons funciona na mesma frequência. Desinforma, lança a confusão, e põe-se de fora. A extrema direita agradece.
    O acincotons traz-nos a Primavera Árabe.

    ResponderEliminar
  5. O Orçamento de Estado da Esquerda foi aprovado.
    Portugal continua o caminho para o desastre.
    Espero que o Governo caia quanto antes para evitarmos males maiores.

    ResponderEliminar
  6. Como se trata de uma conversa urgente,certamente gente ligada ao ambiente e Universidade vai estar presente,a qualidade de vida ou a falta dela vai ser debatida,a tragédia na universidade não vai ser ignorada.

    ResponderEliminar
  7. Este Moital deve desconhecer a situação em que temos vivido por causa destas arvores que em boa hofra foram abatidas e SIM, FOMOS OUVIDOS, SIM PARTICIPÁMOS, FOMOS NÓS OS MORADORES QUE PEDIMOS À JUNTA QUE INTERCEDESSE POR NÓS. SIM, PARTICIPÁMOS ! NÓS OS LESADOS, OS QUE JÁ AÍ CAÍMOS, OS QUE NÃO CONSEGUEM AÍ ANDAR DE CADEIRA DE RODAS, PARTICIPÁMOS E FOMOS OUVIDOS! Vocês os que clamam por esta participação só a querem quando vai de encontro à vossa forma de pensar, independentemente da situação de sequestro em que as pessoas vivem por causa de umas arvores . Uma vida humana tem menos valor que uma arvore? Que raio de ética é essa?

    ResponderEliminar
  8. No Forue da Universidade.

    convite para o debate....As árvores também se abatem?

    é pena não realizarem outro sobre os trabalhadores na Universidade também se abatem?

    ResponderEliminar
  9. O silêncio sobre a morte na Universidade foi geral,discutir a cidade e qualidade de vida,não pode omitir este CRIME.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O acidente deveu-se a falhas na segurança da máquina.
      O resto é conversa sem interesse.

      Eliminar
  10. (boa hora foram abatidas?)De verão com 40 graus vão perceber a falta das árvores começando pela sombra para o carrinho e para quem anda a pé acabando na humidade e purificação do oxigénio,bela lição da natureza em directo e ou vivo vão sentir na pele!

    ResponderEliminar
  11. A rapaziada da UE falou muito no abate das arvores do frei-aleixo,na tragédia nem uma palavra,Medo ?

    ResponderEliminar
  12. Passado um ano sobre a tragédia na UE,a ACT já tinha obrigação de divulgar o resultado das investigações.

    ResponderEliminar
  13. Terá sido proposto no debate "As árvores também se abatem?",um próximo, "os funcionários da UE morrem a abater árvores ?"

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.