quinta-feira, 17 de março de 2016

A cidade e as árvores (acerca do debate de ontem sobre as árvores cortadas no Bairro Frei Aleixo)

Plátanos podados

Árvores cortadas em Évora no Frei Aleixo

Teve lugar ontem o debate organizado pela Associação “Colecção B”, com iniciativa de Fernando Moital e Miguel Cintra, a propósito do abate de algumas árvores numa rua do Bacelo. Ambiente cordial, as pessoas escutaram o que as outras tinham para dizer, ninguém ficou sem poder exprimir-se. Presentes estavam também a presidente da Junta de freguesia do Bacelo e o presidente da CME, Dr. Pinto de Sá.
A questão inicial – devia-se ou não abater aquelas árvores – desembocou em duas vias: as razões invocadas por aqueles cidadãos que solicitaram à CME o abate, e por quem decidiu realizá-lo, por um lado, e o próprio processo de consulta, de participação e de decisão.
A primeira tem que ver com o lugar das árvores na cidade: que árvores (espécie), em que sítio são plantadas (passeio? Faixa de rodagem?), os efeitos das raízes sobre as estruturas existentes (muros, perfil dos passeios, canalizações de água, gás, etc.). O que foi exposto mostra uma divergência profunda entre os vizinhos imediatos das árvores e os defensores das mesmas. Os vizinhos apontam para empedrados levantados pelas raízes que tornam certos passeios impraticáveis, pelo estreitamento dos passeios pelas cladeiras, pela acumulação de folhas nos seus quintais, nos ramos que caem sobre as viaturas por não serem as árvores devidamente podadas, etc., etc.
De acordo com as pessoas favoráveis ao abate, um dos problemas que a presença daquelas árvores naqueles locais agrava (problemas que têm também outras causas) é o da mobilidade. As pessoas com mobilidade reduzida não podem utilizar uma cadeira de rodas naqueles locais e são atiradas para a faixa de circulação automóvel, o mesmo acontecendo com os carrinhos de bébé e os peões com dificuldades de locomoção.
Os oponentes ao abate invocam a necessidade de ter sombras nas ruas especialmente durante o Verão, o efeito paisagístico (estético) que produz a presença de árvores, sem falar do seu papel enquanto “sumidouros de CO2”.
A segunda linha de debate disse respeito ao processo de decisão, que os oponentes ao abate consideram pouco ou nada participativo. Colocou-se a questão da legitimidade da decisão se for fundamentada apenas na opinião dos vizinhos imediatos das árvores (e, admitamos, na percepção que eles têm dos seus interesses), tratando-se dum espaço público, dum bem público, que não satisfaz apenas necessidades dos vizinhos mais próximos, mas também duma população que utiliza as ruas e tem legitimidade para se pronunciar em qualquer arbitragem entre um conjunto de inconvenientes e o correspondente conjunto de vantagens da presença das árvores.
Os eleitos presentes afirmaram que tinham escutado com interesse as ideias expostas, e o presidente da CME explicou a posição da Câmara, admitindo que poderia ter sido feita uma melhor informação junto dos cidadãos, mas assumindo que a decisão terá sido fundamentada por estudo técnico e por uma consulta junto dos habitantes no local.
Foram evocadas as causas das inúmeras situações de conflito entre a presença das árvores e a vida quotidiana dos habitantes, e não apenas daqueles que vivem na vizinhança imediata. Certas avenidas foram evocadas como exemplos da completa inadequação dos plátanos deixados crescer sem limites, sem cuidados de poda e manutenção, com passeios esventrados, telhados entupidos com folhas, poeiras, alergias etc. Exemplos numerosos, que mostram que a convivência com as árvores não pode ser pensada em abstracto (“uma árvore está sempre bem onde está”…), mas sim em função do local exacto (passeio? Com caldeira no passeio? Perto das fachadas?). Em função, também, da espécie: será que quem decidiu há décadas plantar plátanos pensou no porte dessas árvores e nas consequências práticas decorrentes? Será que certas espécies “decorativas” exóticas estão mesmo adaptadas ao uso que delas fazemos ou esperamos?
Como proceder para remediar as situações causadas pelos plátanos na cidade, sabendo que os há que são centenários, por um lado, e que a plantação de árvores jovens para substituí-los só resultará em sombra e conforto dentre de uma a duas décadas? Uma solução apontada por alguns dos presentes foi a da substituição progressiva (uma em cada duas árvores?); outra, aliás compatível, foi a da “educação” das formas gigantes actuais (fruto do abandono da árvore ao crescimento espontâneo, sem poda de formação), procedendo à redução imediata do porte dos plátanos.
Sugeri que fosse pensado e posto à discussão pública um plano estratégico de re-arborização da cidade de Évora: pensar de modo integrado o lugar das árvores na cidade. Na minha opinião, Évora precisa de mais árvores, porque é uma cidade que certos visitantes conhecedores consideram commo exageradamente “mineralizada” (muita pedra, pouca verdura), coisa que infelizmente podemos confirmar todos os dias. E certas intervenções, como a que foi assinalada no “acincotons” e evocada de novo ontem por um interveniente, a saber, a destruição das árvores na esplanada do palácio da Inquisição, deveriam, também elas, ser proscritas.
No total, um debate cidadão cordial, aberto e certamente útil. Parabéns aos que tomaram a iniciativa.


José Rodrigues dos Santos, 
Évora, 17 de Março de 2016.

17 comentários:

  1. estava a ler o artigo e de propósito não desci para ver quem era o seu autor, preferindo terminá-lo. de facto estranhei inicialmente (quando desconhecia o autor) mas após ver quem o escrevera, tornou-se óbvio pelo tom utilizado: construtivo, positivo, conciliador. lê-se e ouve-se pouco por aí. obrigado.

    ResponderEliminar
  2. Estou de acordo com o artigo, é pena não se ter falado sobre a falta de formação dos trabalhadores na poda das arvores e nas condições de trabalho.

    O que aconteceu na Universidade de Évora(um trabalhador morreu e outro ficou em coma) na poda dos plátanos foi a falta de condições de trabalho e falta de formação.

    ResponderEliminar
  3. Retiraram as árvores por causas,causas que ficaram por resolver passeios levantados e muros levantados que dá autarquia vai pagar e reparar os prejuízos?deixar lá as raízes não resolve nada apenas adia a reparação!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para escreveres patetices, próprias de quem pouco ou nada sabe sabe mas que se julga um especialista na matéria, mais vale estares calado.

      Eliminar
  4. O que começa a fartar e de que maneira é a estratégia da «discussão publica» e dos «amplos debates com as populações»e andar tudo na mesma como a lesma.

    Como diz o outro:«Quando não se sabe andar ou correr,até as pernas atrapalham»

    Promessas são às resmas, obra nem vê-la.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «Promessas são às resmas, obra nem vê-la»
      Só cabeças tontas ou muito ressabiadas podem sustentar tal tese.
      Sabendo que o PS deixou a câmara falida e sem projectos, só gente irresponsável faria promessas de obras "às resmas". Mas mesmo assim, tal como aconteceu com a limpeza, é muito provável que venhas a ter de engolir mais essa atoarda.

      Eliminar
  5. Os plátanos da Av.São João de Deus devem ser podados,as pernadas estão sempre a cair.

    ResponderEliminar
  6. Em vários bairros da cidade os residentes não tratam das arvores dos seus quintais,em certos troços de passeio os cidadãos tem que sair para a faixa de rodagem,já que as pernadas das arvores o impede de circular.

    ResponderEliminar
  7. Os debates publicos com presidente Pinto de Sá presente servem para a montra dos opinadores da cor politica ,mas na realidade e na pratica os problemas ficam iguais por culpa dos vereadores o Viajante e o mete a pata na poça não dão uma para a caixa,que desgraça de equipa!

    ResponderEliminar
  8. Gostei do tom deste artigo, coisa rara neste blogue conhecido por achincalhar quem aqui comenta ou quem protagoniza alguma coisa. Felicito o presidente da câmara pela participação num debate para o qual me parece que não havia sido convidado expressamente. pelo que percebi apareceu como qualquer cidadão poderia ter aparecido. Gostei de o ouvir, gostei da forma clara e muito prática como expôs o lado da câmara. Subiu pontos na minha consideração pela forma simples e próxima com que se apresentou muito contrária à do vereador luciano que se apresenta sempre com altivez, arrogância e debaixo de uma capa pseudo descontraída e às vezes até com piadas de mau gosto das quais ele é o único que se ri, torna-se uma pessoa de trato desagradável. O presidente , por outro lado, é simpático e afável e eu gostei de o ouvir ontem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostas dele? Que te sirva de proveito.
      A mim não me enganam os comunistas apresentem-se eles como simpáticos ou afáveis.
      Se és ingénuo dou-te por conselho. Não te fies. Fazem tudo por interesse partidário.

      Eliminar
    2. Pois gosto ! Gosto de alguém que dá a cara , que se expôs da forma que ele se expÕs ! Não são todos os presidentes de câmara que fazem isto. Olha os dois anteriores, Ernesto e Melgão ,até fugiam das pessoas!!! Refugiavam.se atrás do Costa Brilhantina e do Natanael e nem apareciam ! Não admira que tivessem sido corridos pelos eborenses e já foram tarde, muito tarde porque ainda tiveram tempo de dar cabo disto tudo.

      Eliminar
  9. Também não sei porque a CME tem um Viveiro de plantas e árvores , se não tem um projeto de substituição planeado , cortar ou abater e substituir . Nem tão pouco adequam as árvores novas ao tipo de clima , solo e finalidade .

    Mas Évora não tem Universidade e ciência nessa área ?

    Então , despeçam os partidários que só sabem ocupar o tempo a trocar as pernas por jovens com ideias e instrução !

    Jorge

    ( ciclista )

    ResponderEliminar
  10. Muito se tem falado em ambiente neste site,tudo começou pelo a abate de arvores no frei-aleixo,esta cidade tem um grande déficite de espaços verdes,e tem alguns abandonados.

    Existe na freguesia uma área considerável(viveiro florestal) ao abandono,este sim um Crime,um espaço público que pode e deve ser uma zona verde aberto aos cidadãos.

    ResponderEliminar
  11. Os responsáveis do viveiro é o ministério da agricultura,basta falar com o Capoulas Santos e ele disponibiliza o espaço.

    ResponderEliminar
  12. Fernando Moital e Miguel Cintra,tem aqui uma oportunidade de lançar um grande debate sobre este grande espaço na fraguesia do Bacêlo(viveiro florestal),o que fazer desta zona verde degradada e abandonada.

    ResponderEliminar
  13. ESte Jorge Ciclista na ânsia de comentar sobre tudo e sobre todos acaba por demonstrar a profunda ignorância que o caracteriza. A CME não é dona do viveiro florestal , homem ! Informe-se melhor antes de bater no teclado !

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.