sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Cante alentejano e viola campaniça, no dia 13, pela primeira vez em Madrid

19 comentários:

  1. PONTO DE SITUAÇÃO: Resumo das principais medidas do OE

    Fica claro que este Orçamento, é mesmo um virar de página na "austeridade", e que coloca mais rendimento disponível nas mãos do povo português.

    Senão vejamos!!!,Exceptuando o:
    1) aumento do imposto de selo sobre comissões cobradas aos comerciantes
    2) o aumento do imposto cobrado aos sócios de uma empresa sob título de remuneração de suprimentos (que resultam de empréstimos dos sócios à própria empresa)
    3) o aumento do imposto de selo agravado para crédito ao consumo.
    4) o aumento do imposto sobre os produtos petrolíferos.
    5) o aumento do imposto sobre o tabaco.
    6) o aumento do imposto sobre as bebidas alcoolicas
    7) o aumento do imposto sobre veículos.
    8) o aumento da contribuição sobre o sector bancário, que irão agravar os custos cobrados aos clientes.
    9) o aumento dos impostos sobre transportes de produtos agrícolas.
    10) o aumento de impostos sobre os alugueres de máquinas e equipamentos agrícolas.
    11) o aumento do IRS para os casais com filhos.
    12) o aumentos de impostos sobre os pães de leite e pão de tostas.
    13) o aumentos do Imposto de Circulação.
    14) o aumento do IMI para todos os imóveis que estejam a ser utilizados para industria, comércio e serviços.
    15) o aumento dos custos salariais para as empresas.
    16) o aumento dos custos de produção com os 4 feriados adicionais.
    17) o prejuízo na economia de quase 3 mil milhões de euros que irão custar esses 4 feriados adicionais.
    18) o bloqueio da promessa da redução da TSU para salários até 600 euros.
    19) o bloqueio do processo da redução do IRC.
    20) os aumentos dos juros da dívida pública que anteriormente, no prazo a 10 anos andavam nos 2% e agora já passaram os 3% (um agravamento de 50% em menos de 2 meses).
    21) o aumento dos impostos sobre viaturas eléctricas.
    22) os aumentos dos custos com horas extraordinárias no sector público.
    23) os vergonhosos aumentos inferiores à inflação de 0,4% nas pensões mais baixas, (logo os pensionistas mais pobres irão ter uma diminuição do valor real da pensão).
    24) o aumento da factura dos juros do país, a pagar sobre mais 25 mil milhões da dívida pública para os próximos em 4 anos.

    tirando para já todos estes aumentos, fica claro que de facto este orçamento, acabou de vez com a austeridade.

    E todos estes aumentos e impostos para quê? Para termos todos que pagar os aumentos dos salários dos funcionários públicos que ganham acima de 1500 euros mensais, para pagarmos a redução do seus horário semanal de trabalho para 35 horas, e para pagarmos a eliminação da CES sobre as pensões acima dos 4 mil euros mensais, e para pagarmos a entrega do sector dos transportes públicos, novamente aos sindicatos da CGTP e ao PCP!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assim vão as glórias esquerdistas do mundo

      Eliminar
  2. O nosso querido 1º Ministro António Costa já reverteu o negócio da venda da TAP.
    A TAP já é nossa outra vez. Viva a nossa TAP!
    Apenas vamos ter que pagar impostos para dar 1 900 000 000 de euros (uns trocos) aos que tinham ficado com ela, para que possamos continuar a dizer que a TAP é nossa e que vai continuar a dar prejuízo todos os anos. Palavra do 1º Ministro António Costa!

    ResponderEliminar
  3. O país está agora em boas mãos e então o "Acincotons" dá-nos música.

    ResponderEliminar
  4. Basta ver os noticiários da SIC para percebermos a porcaria jornalística que dali sai. Parece o orgão noticioso do PSD/CDS.
    Sobretudo agora que a geringonça está e funcionar muito bem, e a defender Portugal, ao contrário da máquina de roubar do Balsemão.

    Jornalistas e jornalismo
    Dos problemas laborais ao ataque à democracia

    A situação laboral dos jornalistas portugueses está a atravessar um dos mais graves períodos dos últimos anos. As salas de redacção cada vez têm menos profissionais e a maior parte dos que ficam vêem as condições de trabalho piorar. Mas a fragilização dos jornalistas, e consequentemente do jornalismo, não os afecta apenas a eles mas também a todos os portugueses, assim privados – como se não bastassem razões de natureza mais profunda, de natureza política, económica e ideológica – de uma informação independente, contextualizada, rigorosa e pluralista. O que está em causa não é apenas um grupo profissional, é também a qualidade da democracia.


    lêr o resto aqui:
    http://www.avante.pt/pt/2201//138865/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ao contrário da SIC a redação do ávante prima pela isenção e superioridade moral editorial

      Eliminar
  5. Peço a todos os leitores do Acincotons que:
    Se alguém trabalha, ou conhece quem trabalha na câmara Municipal, que diga aquela cambada de mentecaptos, que o alcatrão que andam a gastar em lombas que mais parecem bossas de camelo, era muito melhor empregue para tapar a quantidade de buracos que toda a variante de Évora, desde a rotunda da Malagueira, até à saída para Viana...

    ResponderEliminar
  6. "Tenho fé que vai chover em breve"
    (Conceição Cristas, ministra da agricultura do governo Passos Coelho)

    O Portas colocou uma deficiente mental a substitui-lo na direcção do CDS durante a "travessia do deserto" que se segue. Está bem entregue.
    Entretanto o Portas "lava-se" dos crimes que cometeu contra Portugal, arma-se em patriota, e dá brilho aos dentes.

    ResponderEliminar
  7. A despesa em consumo intermédio, rubrica associada às chamadas gorduras do Estado, vai aumentar 8,6% ou 912 milhões de euros em 2016, somando 11,5 mil milhões, segundo o Orçamento do Estado.
    A esquerda só serve para endividar e engordar a conta do contribuinte!

    ResponderEliminar
  8. Em ano de congresso do PCP,aconselho Todos os militantes e sinpatizantes a lerem a entrevista do Comunista Carlos Brito ao DN de sexta-feira passada,Brilhante, aponta alguns caminhos que o pcp deve refletir em ano de congresso.

    ResponderEliminar
  9. Senhor comissário da PSP

    os cidadãos começam a desesperar pela inércia da instituição que o senhor comanda,os atos de vandalismo são uma constante e os senhores nada fazem.

    ResponderEliminar
  10. via aventar
    A imprensa ao serviço do directório liberal
    Wolfgang Herles, antigo director da televisão pública alemã ZDF, acusou esta semana o executivo de Angela Merkel de dar orientações muito específicas sobre a linha editorial que a estação deve seguir, nomeadamente a forma como alguns assuntos devem ser abordados ou o próprio alinhamento dos noticiários, decidindo sobre o que pode e não pode ser alvo de cobertura informativa. Herles acrescentou ainda que o comentário político segue a linha da coligação no poder (CDU/SPD).
    Nada de novo. Por cá as coisas não são muito diferentes. José Rodrigues dos Santos, a escola liberal com assento permanente no Prós e Contras ou a presença assídua dos principais opinion makers da Fox News da direita nacional do Observador nos programas de debate político, algo que contrasta com a habitual ausência de comentadores afectos ao BE e ao PCP são indicadores disso mesmo. Pena que a Comissão Europeia não mostre noutros casos o músculo que mostrou contra a Polónia.


    Depois da privatização, alienação e destruição da informação e da televisão publica, em Portugal passámos a ter

    A imprensa ao serviço do directório fascista

    ResponderEliminar
  11. Contributos para o Congresso do PCP

    tornar o jornal Avante a voz de Todos os militantes,tendo acesso a opinar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim. Opinar é bom e não cansa o lombo.

      Eliminar
  12. Congresso do PCP

    contributos:

    eleições autárquicas:Plataforma de forças de esquerda e movimentos sociais.

    ResponderEliminar
  13. O Governo do Passos Coelho reduziu as mensalidades (as chamadas subvenções) aos políticos velhos, (os responsáveis pelo estado a que Portugal chegou), a 17 mil euros. O Tribunal Constitucional, em nome da defesa da Constituição que os comunistas adoram, já veio dizer que os políticos têm direito a receber essas subvenções. E o governo do António Costa já disse que sim senhor vai pagar. A módica quantia de quase 19 milhões de euros. Os comunistas nem piam. Estão a favor. Pudera também lá os há a receberem a maquia.
    E o povo pá?
    É esta a verdadeira política Patriótica e de Esquerda que defende o PCP. Mas ainda há pobres de Cristo a votar nesse partido.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De facto, os partidos da extrema direita PSD/CDS são os responsáveis pelas obscenas subvenções vitalícias dos políticos.
      De facto, os partidos da extrema direita nunca respeitaram o julgamento do Tribunal Constitucional, e procuram por todos as formas diminui-lo e ofende-lo.
      De facto, os partidos da extrema direita são partidos de delinquentes e criminosos.
      De facto, os partidos da extrema direita são uma máfia de gatunos que explora Portugal e os portugueses, sem dó nem piedade.

      Eliminar
    2. À geringonça também serve muito bem os camaradas de serviço.

      Eliminar
  14. JOSÉ VÍTOR MALHEIROS no Público, hoje
    a não perder

    Quando os jornalistas são o centro do problema
    "Vivemos uma primeira investida da direita contra o governo do PS e contra a estratégia acordada entre o PS e as restantes forças de esquerda.
    ...
    quando Bruxelas deixou afinal passar o orçamento, todos esqueceram as previsões catastróficas que tinham feito, para exprimir apenas dúvidas, críticas e discordâncias.

    Mas o que aconteceu? O que foi isto que vivemos nas últimas semanas? Porquê tanta agitação por algo que afinal não se concretizou?

    Aquilo que vivemos foi uma primeira investida em regra da direita contra o governo do PS e contra a estratégia acordada por este com as restantes forças de esquerda. Uma primeira investida em regra contra uma política alternativa à austeridade e que teve como actores não apenas a direita nacional mas toda a direita europeia, com mobilização sincronizada pelo Partido Popular Europeu. Isso pode aceitar-se como normal. O que não é normal é que uma estratégia partidária deste tipo, - onde para a direita portuguesa contava mais obter uma derrota do governo português (pelo simples facto de ser do PS) do que a defesa dos interesses nacionais - tivesse tido uma tão entusiástica e sectária cobertura da imprensa em geral e dos jornalistas em particular."


    ler o resto aqui:
    https://www.publico.pt/politica/noticia/quando-os-jornalistas-sao-o-centro-do-problema-1722761

    (de facto: 1 a Europa está hoje nas mãos de forças fascistas; 2 os meios de informação são a arma da contra informação, contra as democracias e contra as liberdades; 3 os jornalistas são usados como míseros lacaios, arautos da mentira e da prepotência)

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.