quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

O primeiro desafio do ano

Este é o mês da primeira volta das eleições presidenciais e já tivemos oportunidade de assistir a vários debates, declarações e movimentações dos diversos candidatos.
Acentua-se aquilo que já se previa desde há alguns anos a esta parte, com uma comunicação social servil a tentar demonstrar que há um vencedor antecipado tratando-o com a dignidade de um chefe de Estado antecipadamente empossado.
O candidato levado ao colo vai-se multiplicando em declarações de independência, tentando demonstrar o impossível, quase convencendo os mais incautos que nunca foi presidente do PSD, que nunca apoiou as políticas do governo PSD/CDS, que não tem o apoio destas forças políticas, mas apenas a sua indicação de voto e, algumas vezes, afirma nunca ter dito o que disse.
Ainda não começou a campanha eleitoral e todos os dias temos um tratamento vergonhosamente diferenciado, para com um candidato que durante mais de uma década foi paulatinamente fazendo campanha pelo seu partido de (quase) sempre e, nos últimos, anos centrado no objectivo pessoal de ser presidente da República.
Tudo isto seria risível se não estivesse em causa um processo revanchista que pretende permitir que a direita, derrotada em 4 de Outubro, possa voltar a recuperar uma fatia do poder que se lhe escapou das mãos.
Lembrando-nos que Cavaco foi o Presidente que necessitou do menor número de votos para ser eleito, torna-se essencial o apelo à participação no acto eleitoral de todos os que querem travar o passo a uma direita que pretende transformar estas eleições numa segunda volta das legislativas.
Se todos os votos fora da candidatura da direita são importantes para a sua derrota, o voto no candidato que de forma mais coerente defende os princípios constitucionais será a garantia de que teremos na segunda volta uma oportunidade de ter uma candidatura vitoriosa na defesa dos valores de Abril.
Como imaginam o meu apoio vai para o candidato Edgar Silva que tem o apoio do projecto colectivo onde me insiro.
Mas este meu apoio, sendo um apoio a um meu camarada de Partido, é também um apoio à pessoa do cidadão Edgar Silva, pela garantia que me dá o seu percurso de vida, a sua coerência de sempre na luta pela reconhecimento da dignidade dos marginalizados desta sociedade iníqua.
Na presidência da República não precisamos de mais do mesmo. Não precisamos de provedores do sistema financeiro ou de empregados de tutelas representativas do poder económico, disfarçados de árbitros do sistema político.
Precisamos de quem defenda, cumpra e faça cumprir a Constituição da República e para isso só mesmo alguém comprometido com o projecto de sociedade que lá está impresso.
Volto depois da campanha. Com a confiança de que saberemos ter o discernimento necessário para travar o passo à continuidade do cavaquismo, embora com um toque de cor, como alguém afirmou.
Até para a semana

Eduardo Luciano (crónica na radiodiana)

14 comentários:

  1. O primeiro desafio do ano: trabalhar, trabalhar, trabalhar.

    Entretenimento é para quem come o estado na gamela da politica.

    É preciso é que haja liberdade!
    À moda do PCP como na coreia do norte?

    ResponderEliminar
  2. Sim, trabalhar, como o Dias Loureiro, o Relvas, os gatunos do Bpn\Sln, do Banif, os amigos do Cavaco, do Sócrates, do Passos Coelho, os administradores do Banco de Portugal, o PSD\CDS, são tudo grandes trabalhadores.

    O país é que não trabalha o suficiente, para a fome da gatunagem.

    ResponderEliminar
  3. O PSD acusou esta quarta-feira o Governo de António Costa de ter feito 154 nomeações em apenas 41 dias sem as publicar como manda a lei,agora o partido comunista e o bloco não se queixam bem os percebo!!!!!Como este contador de historias lucianas!

    ResponderEliminar
  4. O Presidente da Republica deles:

    via manifesto74

    Um bufo da PIDE a Presidente da República?

    Carta de 14 de Abril de 1973

    “Acompanhei de perto (como Vossa Excelência calcula), as vicissitudes relacionadas com o Congresso de Aveiro, e pude, de facto, tomar conhecimento de caraterísticas de estrutura, funcionamento e ligações, que marcam nitidamente um controle (inesperado antes da efectuação) pelo PCP. Aliás, ao que parece, a atividade iniciada em Aveiro tem-se prolongado com deslocações no país e para fora dele, e com reuniões com meios mais jovens”

    “Como Vossa Excelência apontou, Aveiro representou, um pouco mais do que seria legítimo esperar, uma expressão política da posição do PC e o esbatimento das veleidades “soaristas””

    “O discurso de Vossa Excelência antecipou-se ao rescaldo de Aveiro e às futuras manobras pré-eleitorais, e penso que caiu muito bem em vários sectores da opinião pública”

    Marcelo Rebelo de Sousa

    "Cartas Particulares a Marcello Caetano", de José Freire Antunes.

    ResponderEliminar
  5. Os comunistas são uns grandes trabalhadores, lá isso são.
    Principalmente os da Câmara.
    Dá gosto pagar impostos para eles receberem mesada dia vinte e três, de cada mês.

    ResponderEliminar
  6. E os socialistas que nem uma palavra dizem sobre o escândalo que caiu sobre a presidente da junta de S. Manços? Então a mulher do sr padre Canha, a Elsinha Teigão, agora não aparece nas fotografias ao lado da Florinda e da Florbela Fernandes? Onde andam as senhoras socialistas que nada dizem sobre esta escandaleira? Querem abafá-la ? Tal não deve ser o conteúdo da auditoria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Conte lá que ninguém sabe isso?

      Eliminar
    2. Onde andam os comunistas elegíveis na Freguesia de S. Manços? Nem um apareceu à Assembleia de Freguesia realizada ontem, na Vendinha. A Presidente da Junta e da Assembleia foram enxovalhadas pelo povo. A Elsinha Teigäo näo se pronuncia? Porque será? Aguardamos os próximos episódios...

      Eliminar
  7. Os Comunistas, os Comunistas, os Comunistas, Os Comunistas, os Comunistas, os Comunistas, Os Comunistas, os Comunistas, os Comunistas, Os Comunistas, os Comunistas, os Comunistas, Os Comunistas, os Comunistas, os Comunistas... Epá este comentadores já aborrecem. Mas que Raio que esta AZIA não pára.

    ResponderEliminar
  8. Esquerda....Direita....Esquerda....Direita....Esquerda....Direita....e pronto, para estes gajos na cabeça deles tudo se resume entre bons e maus

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De facto, tudo se resume entre bons e maus.

      De facto tudo se resume entre os que sabem separar o trigo do joio e os que metem tudo no saco.

      De facto tudo se resume entre os que defendem o bem dos portugueses e os que roubam os portugueses.

      Eliminar
    2. Quem e como vão roubar desta vez os Portugueses para serem pagas as promessas do Bloco de Esquerda e do PCP e do PS? Quem e que politicas foram criadas para roubar o país e enfiá-lo em 3 bancarrotas?

      Realmente tudo se resume entre os que fazem politica para arruinar um país, e os que na realidade vão ter que pagar

      Eliminar
    3. Os portugueses já foram roubados pelos banqueiros e pelos governantes do PSD/CDS.
      Agora é preciso parar a sangria, julgar os gatunos, recuperar o roubo, e devolve-lo aos portugueses.
      Os gatunos que paguem a crise.

      Eliminar
    4. Bia. Cada um rouba como pode

      Eliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.