quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Novo Hospital de Évora: há anos que é "arma de arremesso" político e há anos que não avança.

´

O novo Hospital de Évora há anos que anda a ser agitado como bandeira eleitoral. Sempre presente quando há eleições, ou nos meses que se lhes seguem, esmorece e perde fôlego. Sabe-se que poderá ser construído na zona do Évora Hotel (se houver dinheiro para tal...). A obra chegou a ser anunciada no governo de José Sócrates e o novo ministro da Saúde já disse que o governo tem o Hospital de Évora como "projecto" para esta legislatura:  "os compromissos assumidos para esta legislatura estão ditos e firmados. Temos como prioridade o Hospital de Lisboa Oriental, temos como projeto o Hospital do Seixal e temos como projeto o Hospital Central de Évora”., no seguimento duma pergunta nesse sentido do grupo parlamentar do PCP.
Agora é o PSD, na oposição e que não deu qualquer passo para a construção do hospital quando esteve no governo, que vem colocar questões, sobre se e quando avança a obra.
Eis o teor do pedido de esclarecimento dos deputados do PSD:

Assunto: Esclarecimentos sobre o anúncio da construção do Hospital Central de Évora.
Destinatário: Ministro da Saúde

Exmo. Sr. Presidente da Assembleia da República,

Na Audição com o Sr. Ministro da Saúde que ocorreu no dia 20 de janeiro de 2016, foi anunciada a construção do Hospital Central de Évora. É nessa perspetiva que um conjunto de deputados do PSD entenderam procurar esclarecer algumas questões ao Governo sobre esta matéria.
O PSD sempre foi a favor da construção de um novo hospital que substitua os actuais edifícios do Patrocínio e do Espírito Santo, separados por uma estrada nacional. São edifícios obsoletos para a função, com espaços inadequados e que tornam difícil a prestação de serviços de qualidade. Para além destas razões, pela actual duplicação de serviços, meios e estruturas, a construção de uma nova unidade pouparia muitos milhões de euros ao Estado, por ano.
Em Agosto de 2002, o Conselho de Administração nomeado pelo Ministro social-democrata Filipe Pereira, de imediato colocou a construção do novo hospital como uma prioridade. Seria uma unidade de 420 camas, central, construído na Quinta da Latoeira e não na Quinta dos Canaviais, como se admitia até então. Obedeceria à seguinte calendarização: a) lançamento do concurso no primeiro trimestre de 2005; b) adjudicação do contrato no 3º trimestre de 2007; c) entrada em funcionamento no 4º trimestre de 2009.
Após as eleições de 2005, já com o Governo do PS e com um novo Conselho de Administração, liderado por António Serrano, optou-se por um novo modelo. Com esta decisão a construção e abertura de novo hospital foi adiada, com prejuízo para os eborenses e para os alentejanos em geral. 
Em Outubro de 2008, ao Governo do PS, anunciava a construção do novo hospital, no valor de 94 milhões de euros, com as obras a iniciar em 2010 e a sua abertura em 2013 (vide boletim Notícias do HESE, nº9). No boletim nº10, de Dezembro de 2008, os prazos eram confirmados, em notícia sobre o tema.
A Senhora Ministra da Saúde, Ana Jorge, foi a Évora no dia 21 de Abril de 2010, pelas 19 horas, no auditório do Fórum Eugénio de Almeida, para presidir à cerimónia de celebração do contrato para a elaboração do projecto técnico do Novo Hospital Central de Évora, com o Consórcio vencedor do respectivo Concurso Internacional, representado pelo arquitecto Souto Moura.
A presidente do conselho de administração do HESE, Maria Filomena Mendes, apresentou em 2010 os cálculos finais do projecto. O projecto passou a ter uma estimativa de investimento de 167 milhões de euros. Quase que duplicou o investimento inicial.
Em agosto de 2011, o titular da pasta da saúde, Paulo Macedo, tinha dito à Lusa que a construção do novo hospital, para substituir o atual ia ser reavaliada pelo Governo, tendo em conta "a realidade do país".
No início do mês de maio de 2015, em Évora, o ministro da Saúde, Paulo Macedo, afirmou que o Governo estava a considerar avançar com a construção do novo hospital.
Na campanha das legislativas de 2015, o novo Hospital Central de Évora reúne consenso, enquanto grande prioridade para o Distrito, entre os diferentes candidatos.
Recentemente foi anunciado pelo Sr. Ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, em Audição na Comissão de Saúde, que o Hospital Central de Évora vai ser prioridade para o Governo.
Assim, ao abrigo, das normas constitucionais e regimentais, solicita-se a V. Exa., que se digne a obter junto do Sr. Ministro da Saúde resposta às seguintes questões:
1 – Visto estarem reunidas as condições técnicas para construção do Hospital Central de Évora, para quando está previsto o arranque da presente obra?
2 – Qual o montante de investimento previsto e quais as fontes de financiamento?
3 – Qual o modelo de gestão previsto para a governação do novo hospital?

Palácio de São Bento, quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Deputado(a)s
António Costa da Silva
Miguel Santos


15 comentários:

  1. Estes senhores durante quatro anos e meio nada fizeram para o avanço do hospital(incluindo o Dr.Robalo) vem agora questionar o novo governo com a sua construção.

    ResponderEliminar
  2. Bloco tem todas as condições para ser o principal partido de Esquerda,basta não repetir os erros da velha,PS tornou-se num albergue e numa guerrilha permanente,PCP não é capaz de se "libertar" das ditaduras que nada tem de socialistas (China,Angola e Coreia do Norte).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. pelo fruto se conhece a árvore
      pelo post se conhece o BE

      Eliminar
  3. João Ferreira (deputado europeu) a escolha certa para substituir Jerónimo no próximo congresso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O João Ferreira é engraçadinho?
      Atão e o João Oliveira na éi?
      Atão porque que é que ninguém quer casar com ele?

      O João Ferreira Foice para a Inropa,
      o João Oliveira é mais tipo Martelo a arriar na Dirêta.

      Nã, não, a Rita Rata é qué cá das minhas. Ganda Revulcionáira

      Eliminar
    2. Então é para despedir o velho Jerónimo? sim senhor estou nessa. Onde é que é que é a sede da candidatura do camarada Ferreira?

      Eliminar
  4. So os alucinados da esquerda defendem obras sem dinheiro...ou melhor...pedir emprestado. Porque é que o partido comunista nao começa por dar as receitas da festa do avante para avançar com a obra? Metem no todo no cu dos Funcionarios Publicos e ca estou eu e mais uns quantos a trabalhar cá fora para pagar as contas dos alucinados dos partidos populistas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já nasceste parvo? Ou é apenas alucinações daquilo que fumas??

      Eliminar
    2. Mais um Hospital para Évora, para quê?
      "Temos o INEM, os helicópteros, os bombeiros, médicos com fartura, para, em caso de urgência, nos transportarem para qualquer dos muitos hospitais."
      Foi esta a conversa dos aldrabões e gatunos que fecharam centros de saúde e as urgências a esmo por todo o país.
      Foi esta a conversa dos assassinos que nos matam à distância.

      É preciso ter atenção às prioridades:
      O que a gente precisa mesmo, como de pão para a boca, é de mais um centro comercial.

      Eliminar
  5. O Novo Hospital de Évora só faz falta na cabeça dos políticos velhos que não têm visão nenhuma. Guiam-se por ideologias do passado.
    O que faz falta em Évora como em todo o país é bom serviço de saúde. O que faz falta é rentabilizar as instalações e todos os trabalhadores do sector da saúde de modo a servirem bem os portugueses que com os impostos lhes pagam para isso.
    O resto é política do passado que o António Costa quer manter mas com que cada vez mais portugueses querem acabar.

    ResponderEliminar
  6. O Hospital de Évora só era construído se tivéssemos um governo bom.
    E um governo bom é um governo em que o trabalho está à frente de tudo.
    Por isso, esse governo tinha que ter como ministro do trabalho o Dr Arménio Carlos e como secretários de estado a Drª Ana Avoila e o Dr Mário Nogueira, que acumulava funções com as de Ministro da Educação que já é.
    Neste momento é o que se me oferece comentar.
    Bom dia a todas as senhoras e a todos os senhores comentadores do Acincotons.

    ResponderEliminar
  7. Triste mesmo é este jogo do empurra. Mas o que deixa mais triste é este pedido de esclarecimento dos depurados do PSD. Estiveram no poder mais de 4 anos, gastaram fortunas com as vigarices bancárias e não só, nada fizeram que acrescentasse valor ao Alentejo, e agora vem com esta conversa como se nada fosse com eles. Triste Portugal, triste Alentejo que tão mal representado estás. É uma grande verdade quando a opinião publica diz que só vai para a politica o pior da nossa sociedade, parece que sim e infelizmente no caso do Alentejo, as representantes do PSD são a prova disso. Lamenta-se que no Alentejo este partido não consiga colocar como representante do povo, que os elege, pessoas capazes e não apenas idiotas.
    Temos o que merecemos.
    Du Campo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, senhor, você, não, é idiota.

      Eliminar
  8. Populistas? temos muitos e são de direita,paulinho das feiras,Prof. Marcelo(grande artista da TV),a maioria de comentadores dos media(todos se pautam pela mesma cassete)...........

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso, isso, continua a carregar no Marcelo, como o teu partido fez nas eleições. Assim é que tu lhe dás força.

      Eliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.