segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Conquistar a Esperança

O Ano iniciou com os primeiros debates entre os candidatos e candidatas à Presidência da República. Aquilo que ouvi permitiu reforçar o meu apoio à Marisa Matias.
Marisa Matias surge como uma lufada de ar fresco e com uma capacidade única (em relação aos restantes candidatos) de expor as suas ideias de forma clara e objectiva, sem deixar qualquer dúvida em relação à sua defesa intrasigente da Constituição da República Portuguesa. Marisa sabe e deixa claro que não se defendem os direitos das pessoas continuando a defender os interesses financeiros.
Marisa Matias sabe que não se defendem os direitos das pessoas continuando a permitir que os erros da Banca sejam pagos pelos contribuintes. Por isso mesmo, foi clara e foi a única candidata a afirmar que não promulgaria o Orçamento Rectificativo e que devolveria o debate à Assembleia da República.
Marisa Matias também sabe que não se combate a austeridade com as condições impostas pelo Tratado Orçamental. Foi a este propósito clara no debate com Sampaio da Nóvoa e este também foi para quem quis ouvir: Sampaio da Nóvoa não só se mostrou relutante em afrontar os interesses da Banca, como afirmou não ver no Tratado Orçamental um impedimento à consagração dos direitos instituídos na Constituição.
Marisa Matias é o rosto que combate os que operam a máquina poderosa que quer impor o medo e a desesperança, que pretendem atropelar os valores da justiça social, da equidade, da solidariedade, do trabalho. O capital opera assim, sem escrúpulos, deixando migalhas. Migalhas que devemos agradecer e pelas quais devemos lutar contra os nossos semelhantes. Migalhas que dizem ser o que é possível em tempos de crise. Migalhas resultantes do muito que comemos no passado, dizem eles... E ai de quem contestar as migalhas, porque a ameaça de até as migalhas nos retirarem paira sobre as nossas mentes.
A Marisa personifica a história de um empenhamento total numa sociedade mais justa e mais solidária, combatendo este medo.
A candidatura da Marisa soma e pressiona a existência de uma segunda volta, impedindo o passeio do(s) candidato(s) da direita. Uma candidatura que soma votos, soma reflexão, soma transparência, soma clareza, soma justiça, soma solidariedade, soma democracia, soma participação, soma exigência, soma liberdade, direitos e garantias.
A Marisa é uma mulher de coragem, também porque por entre pressões para uma falsa unidade de esquerda que nunca mais surgia, afirma-se contra os que apostam no conservadorismo como via e os que têm medo de se afirmar de esquerda procurando um centro inexistente e esvaziado. A Marisa traz para a vida política a simpatia, a emoção, o humanismo, a seriedade e a competência, tão bem demonstrada no seu trabalho cívico e político.
Vivemos tempo suficiente no bafio e na neblina cinzenta do conservadorismo atroz da direita... Precisamos de uma brisa que perdure... Precisamos de conquistar a esperança. Cada voto na Marisa é a tradução desta esperança.
Até para a semana!

Bruno Martins (crónica na rádio diana)

9 comentários:

  1. Ela quiz entalar o Marcelo mas encavou-se. A Esquerda não consegue ter uma puta duma ideia e um compromisso claro para com o país. Limitam-se a histerizar conversa sempre na posição comoda de rachar lenha por fora.

    Histeria e escarcéu. É nisto que a extrema esquerda é boa.

    ResponderEliminar
  2. São todos muito espertos, muito honestos, muito patriotas, mas ainda ninguém explicou porque é que
    1
    depois do PSD/CDS terem enterrado no BANIF três mil milhões de euros roubados aos contribuintes
    2
    na véspera da entrada em vigor da nova lei europeia que proíbe aos estados cobrarem aos contribuintes as dívidas do bancos, devendo estas ser suportadas pelos accionistas e pelos grandes depositantes
    3
    porque é que o governo socialista resolve pagar as dívidas dos gatunos do BANIF, em vez de esperar pela entrada em vigor da referida lei europeia, que defenderia o interesse dos contribuintes portugueses?

    E ninguém se queixa?
    E ninguém vai preso?

    ResponderEliminar
  3. A Marisa quis meter-se com o figurão do Marcelo e levou um baile como raras vezes assisti. A moça até teria razão, mas foi confrangedor assistir ao debate.

    ResponderEliminar
  4. 21:51,pelo comentário fica-se a saber que esta direita só serve para Negociatas e levar o País para a miséria,não se libertou ainda do Salazarismo.

    ResponderEliminar
  5. Este sacana do Marcelo é de facto muito hábil, diz com todo o à vontade o contrário do que dizia há uns tempos. A Marisa é que coitadinha... Tem que comer ainda muito pão se queria apanhar uma bisca destas.

    ResponderEliminar
  6. Pobre Marisa ficou com os olhos em bico,grande sova do professor Marcelo.

    ResponderEliminar
  7. A Marisa foi um erro de casting. Devia ter sido a Catarina Martins, que tem outra capacidade.

    ResponderEliminar
  8. Direita...Esquerda....direita...esquerda...É o discurso do Bloco de esquerda e do partido comunista. Depois de 40 anos de democracia ainda não perceberam que o povo se está cagando para esse discurso que pretende dividir o país em bons e maus. É por isso que o Marcelo Rebelo de Sousa vai ganhar de caras porque não tem preconceitos em comer uma sandes e um penalti na tasca da esquina ou comer comida Francesa à mesa com empresários ou magnatas.

    ResponderEliminar
  9. orçamento anual da presidencia da republica: 20.000.000€; da casa real espanhola (espanha = 4Xportugal) 10.000.000€; face as competencias do presidente é uma instituição desnecessária e dispendiosa, as funções podem ser perfeitamente desempenhadas pelo presidente da assembleia ou 1º ministro

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.