quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Não será pecado. Mas é uma vergonha!

Abstive-me de falar, comentar e escrever sobre o caso Sócrates enquanto este esteve preso e em obrigação de permanência na habitação. Vulgo prisão domiciliária. Porque defendo que mesmo politicamente ninguém deverá ser visado ou criticado, quando está sob suspeitas do foro criminal.
Não é difícil perceber e/ou entender que é muito mais fácil criticar alguém, quando esse alguém está condicionado de alguma forma. Por maioria de razão, a situação ganha contornos de maior relevância, se visarmos alguém, criticamente, quando está cerceado na sua liberdade. O contraditório ficará, portanto, hipotecado e muito condicionado.
Contudo a entrevista dada por José Sócrates ontem à TVI, ultrapassa todos os limites da convivência democrática. Não aceito que um ex primeiro-ministro do meu país faça acusações e imputações ao ministério público de forma genérica e gratuita. Este senhor refere-se quase sempre a situações e não a factos, porque sabe que no momento não pode ser contraditado, nem pelos investigadores, nem pelo ministério público. Estes estão obrigados ao dever de reserva, e por isso, não podem utilizar os mesmos meios. O espaço mediático não é o espaço da realização da Justiça.
Com efeito, independentemente, deste senhor vir ou não a ser condenado, a forma que engendrou para fazer a sua defesa é absolutamente condenável e inadmissível. Disto é exemplo irrefutável, a utilização que faz reiteradamente da comunicação social para enlamear as instituições judiciárias como é o caso do ataque desferido intencionalmente e covarde à credibilidade do ministério público.
A defesa de qualquer arguido deverá ser realizada no próprio processo, é assim que, a Constituição da República o prevê, como, também, a lei ordinária. José Sócrates por seu turno, utiliza a comunicação social para o fazer. Porque é que o faz? Deixo as conclusões para os meus ouvintes e leitores as fazerem.

José Policarpo (crónica na radiodiana)

8 comentários:

  1. A situação de miséria que vive a maioria dos Portugueses é fruto da má gestão de CAVACO e SÒCRATES.

    ResponderEliminar
  2. «A defesa de qualquer arguido deverá ser realizada no próprio processo»

    O 'problema' é que para haver defesa é preciso que haja ACUSAÇÃO!
    Estranhamente, ou talvez não, o arguido já cumpriu uma PENA DE PRISÃO sem que, mais de um ano depois da prisão, tenha sido apresentada a acusação.
    Muito mal vai a justiça de um país que prende alguém para INVESTIGAR e, um ano depois da prisão, não apresenta os factos que conduziram um cidadão à prisão e que lhe dão a hipótese de defesa.

    Tudo aponta para que Sócrates seja um vigarista e corrupto. Mas num estado de direito, até os vigaristas e corruptos devem ter direito a defender-se daquilo que são acusados. O problema é que, até agora, não é conhecida a acusação de Sócrates. Mas alguns meses de prisão já estão cumpridos.

    Se isto é Justiça, vou ali e já venho...

    ResponderEliminar
  3. Muito mal vai um país
    quando, ao longo dos anos, um primeiro ministro é suspeito e acusado de inúmeros crimes cometidos em conluio com "amigos de infância" e a própria família, a começar no caso do diploma falso, passando pela Cova da Beira, Free Shop, Sucateiro Manuel Godinho, Loteamento Vale do Lobo, e a acabar na Operação Marquês, que é o culminar da carreira de gatuno, ou seja, a lavagem e entrega do dinheiro roubado.

    Muito mal vai um país
    Quando o Presidente do STJ Noronha Nascimento ordena a destruição de escutas e retira provas à investigação
    Quando o Procurador Geral da Republica Pinto Monteiro vai a Paris almoçar com o arguido antes de ser preso

    Muito mal vai um país
    quando este ministro é incriminado por corrupção, branqueamento de capitais e fuga aos impostos; quando finalmente a Justiça está a cumprir a sua obrigação, que é defender o interesse do estado, do país e dos cidadãos; e há cidadãos que, em vez de se congratularem, alegam que a Justiça está a abusar.

    Muito mal vai um país
    Quando as vozes da Corrupção têm a força do poder
    contra as vozes da Justiça e da Razão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Suspeito sim, ACUSADO NÃO.
      O problema neste caso é que prenderam, e mantiveram preso durante um ano, um homem suspeito de corrupção sem que tenha sido apresentada ATÉ AGORA qualquer ACUSAÇÃO!
      Ora sem acusação não é possível haver defesa. Sem acusação pode manter-se um cidadão na cadeia ou a cozer em lume brando, mas esse cidadão nunca poderá defender-se.

      Isto que é inadmissível num estado de direito. Manter cidadãos presos durante meses, sem acusação é próprio de regimes fascistas, mas não de regimes democráticos.

      Eliminar
    2. Próprio de regimes fascistas é terem dirigentes políticos que, a coberto do poder, roubam o país para seu benefício, e dos "amigos de infância", e da máfias que os apoiam e sustentam no poder.

      Próprio dos regimes democráticos é terem dirigentes políticos que colocam o interesse do país acima dos seus, e que defendem a Democracia e a Justiçam e que respondem pelos seus actos.

      Eliminar
  4. Não sei se Sócrates é ou não vigarista, e temo que alguma vez alguma venha a saber.
    Mas uma Coisa é certa, Sócrates foi o político que mais atacado foi em toda a democracia portuguesa, foi a sua licenciatura, ainda hoje é corrente dizer-se que fez um exame, ainda por cima de uma disciplina ridícula (Inglês Técnico) a um domingo, antes a um domingo do que copiar as provas, também fui aluno da Universidade e sei que muitos colegas meus, que por sinal hoje até são pessoas de destaque na política, cabularam provas, mais porque é que ninguém até hoje questionou as licenciaturas de Barrosos, Santanas & Companhia, quando todos nós sabemos a rebaldaria das Universidades nos anos a seguir ao 25 de Abril. Só para terminar este parágrafo, tive um colega de trabalho que se inscreveu no1.º ano na UE, nunca lá pôs os pés e no ano seguinte essa mesma Instituição questionou-o porque é que não se inscrevia no 2.º ano? Estão a ver? Em Évora há muitos exemplos desses, mas isso agora não interessa.
    Depois temos o caso Freeport, que segundo conclui-o a investigação, começou por uma denúncia anónima, que foi preparada nos gabinetes do PSD e do CDS. Isso, ainda ontem ele o disse na entrevista.
    Finalmente foi acusado? Por corrupção e branqueamento de capitais, que segundo o Correio da Manha, devem atingir milhões e milhões de euros.
    Como já disse, minha opinião é que Sócrates não é nenhum santo, mas caramba, u, homem que foi aviltado e maltratado abaixo de cão por alguma comunicação Social, mais conhecidas por pasquins. Durante um ano esses pasquim, o CM e a CMTV denegriram até à exaustão a imagem de Sócrates, e agora este senhor tem o dislate de vir para aqui tal virgem envergonhada, dizer que não se compreende como é que este homem tem possibilidades de dar esta entrevista na TVI, com esta firmação simplesmente abjecta (a forma que engendrou para fazer a sua defesa é absolutamente condenável e inadmissível)
    Haja um pouco de pudor e bom senso, então queria que uma pessoa acossada por mil e uma artimanhas, deixasse de dizer o que pensa ao povo que lhe deu uma maioria absoluta?
    É que na verdade há situações que nos levam a pensar um pouco, todo o esquema montado para o prender, passado mais de um anos, data limite para uma investigação não são apresentadas provas, mas o mais grave foram as manobras cirurgicamente efectuadas em toda esta “estória”, a um ano das eleições foi preso, durante o ano que esteve preso saíram milhares de acusações no tal pasquim aliás, aquela espécie de jornal parece que se não fosse Sócrates já tinha fechado.
    Situações que caso não fossem tão graves até pareciam ridículas, pois sempre que havia algum problema no governo ou alguma notícia vantajosa para a oposição, lá saia mais uma “bomba” sobre Sócrates, eliminando assim o efeito que essa tal noticias pudesse ter sobre o poder instituído.
    Sócrates até pode ser um vigarista, mas que deu muito jeito aos partidos então no poder, lá isso deu, ou antes pelo contrário, que prejudicou, e muito o PS isso ninguém venha dizer o contrário, pois até a sua libertação só ocorreu após as eleições de 4 de Outubro.
    Sócrates até pode ser inocente, mas um anos de prisão já ninguém lhe tira e o estigma que a sociedade associa ao seu nome também, lá nisso os mentores deste imbróglio todo foram uns mestres, ao pé deles, Maquiavel é um anjinho.

    ResponderEliminar
  5. "Sócrates foi o político que mais atacado foi em toda a democracia portuguesa"
    De facto foi o político mais atacado porque foi o político simultaneamente mais corrupto e mais desbragado.

    Os outros, mais discretos,
    - os que estão nos concelhos de administração das empresas publicas que foram privatizadas,
    - os que estão nos concelhos de administração dos Bancos Privados,
    - os que estão no concelho de administração do Banco de Portugal, da CMVM, da CGD, e nas Entidades Reguladoras,
    - os que estão nas empresas de juristas que corrompem as leis da nação, para os seus clientes a roubarem "dentro da legalidade",
    - os que estão na Assembleia da Republica a fazer lobby para todos os gatunos do estado,
    esses estão impunes, livres da justiça, porque a lei foi devidamente alterada para lhes permitir
    - o manifesto conflito de interesses,
    - o roubo de Portugal, até à ruína.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. errata: onde se escreveu concelho leia-se conselho

      Eliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.