quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

JOAQUIM PALMINHA SILVA (1945-2015)


Faz hoje um mês que faleceu no hospital de Évora Joaquim Maria Palminha Silva. No dia seguinte, debaixo dum sol esplêndido e frio, foi a sepultar no cemitério dos Remédios, na entrada ocidental da cidade, essa mesma que ele tantas vezes visitava à procura das marcas próximas da sua infância. Antes houve missa de corpo presente numa daquelas igrejas soturnas e barrocas da cidade, tão sombrias e desoladas, a de São Tiago, com uma homilia aceitável para um homem que, não recusando o evangelho que recebera na infância, castigava com o riso a dogmática da Igreja. O ponto emocionante foi porém o instante em que dois familiares se adiantaram para cantarem a conhecida música de Jacques Brel, “Ne me quitte pas” em homenagem ao homem que partia para sempre.
Joaquim Palminha Silva, nascido em Évora a 16 de Outubro de 1945, estudou nos Salesianos desta cidade, escola e instituição à qual viria a dedicar um dos seus conscienciosos estudos históricos, e desde cedo se mostrou um ágil publicista adverso à situação. As suas simpatias iam então para o Partido Comunista Português. Começou por escrever numa folha eborense, Democracia do Sul, cuja história está ainda por fazer, mas logo passou aos jornais lisboninos assinando artigos e notas nas páginas do Diário de Lisboa e do República, onde conheceu Francisco Quintal, com quem mais tarde fará amizade próxima. Incorporado no exército em 1966 e mobilizado para a Guiné em 1967, Palminha Silva opta por desertar, entrando em ruptura indefectível com o Partido, cuja política era contrária à deserção.
Sem apoio político, sem papéis, isolado e procurado pelas autoridades militares e civis, vive cerca de meio ano clandestino numa pensão pobre do Bairro Alto, até que em Junho de 1968 consegue passar a salto para França, numa fuga inaudita que ele avaliava a rir como o lance mais romanesco da sua vida – fértil em inenarráveis transes rocambolescos. Em Paris, onde conviveu com João Freire, Hipólito dos Santos, José Maria Carvalho Ferreira e tantos outros, sequioso de acção, ingressou na LUAR, de que se tornou operacional a tempo inteiro. Lastima-se apenas que mais tarde, nos anos de sossego que ainda gozou, não tenha escrito o memorial desses tempos tão ricos de acção, de encontros, de lances caricatos e aventurosos, que dariam na verve saborosa da sua pena páginas vivíssimas e cheias de humor.
Com o golpe militar de Abril e a Revolução dos Cravos, Palminha Silva regressa a Portugal, acabando por cumprir o serviço militar em falta em Angola e concluindo o curso de História na Faculdade de Letras de Lisboa. Ingressa então no Ministério dos Negócios Estrangeiros, e nessa qualidade faz várias investigações, uma dedicada à actividade consular de Eça de Queiroz em Havana, até que transita para a administração regional a pedido do município de Cuba, no Baixo Alentejo, onde se dedicou ao estudo e à divulgação do escritor Fialho de Almeida. Fundou nessa época com outros cubenses a associação cultural “Fialho de Almeida”, que publicou dois admiráveis boletins e ainda hoje existe por porfiados esforços da Professora Francisca Bicho.
Reformado da administração regional, regressou à cidade natal, onde fez estudos locais invulgares, como esse trabalho que dedicou às marcas esotéricas dos monumentos de Évora, num livro singular, pensado e escrito ao arrepio de modas, que titulou Évora Oculta. O seu espólio, riquíssimo de notas sobre a cidade, só comparável ao de Túlio Espanca, foi doado há anos ao Município de Évora, sem que este, ao que entendi, se desse sequer ao trabalho de se fazer representar na sua despedida. Ai a gratidão humana é tão pouco exemplar!
Tive a felicidade de beneficiar ainda do convívio e do conselho deste homem mais velho uma geração. Depois do 25 de Abril foi colaborador regular da imprensa libertária e recordo-o, de gabão largo e palavra fácil, na década de 80 do século passado num encontro da revista A Ideia. Um estudo seu, sobre a figura do Mafarrico na cultura oral portuguesa, tema dilecto dele, acaba de ser publicado no número 75/76 d’ A Ideia; pouco antes de falecer, já irremediavelmente doente, ainda me entregou para publicação novo estudo, mais uma vez sobre as marcas do Diabo na cultura popular, que terá sido dos últimos que escreveu e que em sua homenagem a revista dará a lume no ano de 2016.

António Cândido Franco

Évora, 15 Dezembro de 2015

(por email)

11 comentários:

  1. Prof.este País sempre tratou mal os seus melhores filhos.

    Palminha foi mais um entre os de mais,como Lopes Graça,Zeca,Adriano,Carlos Paredes e tantos,por seu lado premiou os carrascos do antigo regime.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A comparação com os nomes acima é um pouquinho esdrúxula, não é?
      Mas está bem, sempre dá para perceber que o indignado comentador não conhece nem um nem os outros!
      Conversa de velório: cai sempre bem!

      Eliminar
  2. Cavaco deu pensões aos Pides.

    ResponderEliminar
  3. Era um homem inteligente e não incorporado em nenhuma tribo local, e ainda para cúmulo expremia o seu pensamento, nesta cidade pequenina isso é crime. tive a felicidade de ser seu amigo, era muito culto outra qualidade que a mediocridade abomina. Obrigado Professor por esta pequena homenagem a tão grande vulto Eborense a nível de Túlio Espanca isto no que concerne à cidade de Évora à sua monumentalidade e história. OBRIGADO

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não há ninguém que morra nesta terra que não seja comparável ao azarado do Júlio Espanca! Já cansa!
      E não pertencia a nenhuma tribo?
      Nenhuma, excepto claro, a dos anarcas/libertários - grupo paleontológico que as pessoas cultas de Évora só mencionam com o apropriado sorriso condescendente!

      Eliminar
  4. E a merda de país que temos ao fim de 42 anos governados por políticos oportunistas, chupistas e ladrões?
    Achas que está melhor?
    Onde anda o respeito?
    A exigência?
    O trabalho é só para os parvos porque os da CGTP é que são espertos. Dizem que o empregado serve para fazer greves, não é para trabalhar.
    Agora é o Costa que vai resolver, não é?
    Hás-de ser servido, pataroco!
    Quando o povo se revoltar é que eu vou ver onde se vai esconder a esquerdalha.

    ResponderEliminar
  5. A autarquia da cidade ignorou,só interresa os da farpela politica do regime que vai cair de podre!

    ResponderEliminar
  6. A CME fazer-se representar no seu funeral? Não se esqueça que como ACF diz, JPS entrou em ruptura com o PCP. O PCP não perdoa!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O PCP é o partido que quer o Desenvolvimento de Portugal.
      Respeitinho ao PCP. Ok?

      Eliminar
  7. É o CDS, o PSD ou o PS que querem o desenvolvimento? É só essa a minha questão... Eu não tenho filiação politica mas custa-me perceber esse ódio ao PCP e essa condescendência com a direita liberal...

    ResponderEliminar
  8. ódio ao PCP?Comunismo fascismo é igual!

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.