sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Grupo Pró-Évora teme consequências da construção de Centro Comercial nas Portas de Avis


O Grupo Pró-Évora alerta que a construção de um centro comercial nas Portas d'Avis “tem implicações de ordem patrimonial, paisagística, urbanística e arquitetónica que não podem nem devem ser descuradas”.
O assunto foi o tema de um ciclo de conferências, que decorreu nas últimas semanas, organizado pela associação de defesa do património da cidade.
Em comunicado enviado à DianaFM, a associação conclui, entre outros aspetos, que “a eventual venda do terreno é importante para a situação financeira da autarquia e constitui o motivo principal da sua concretização”.
Contudo, considera que “o centro comercial nunca será um contributo direto para revitalização do centro histórico” e que “não se encontra esgotada a hipótese de o centro histórico ser o local de desenvolvimento de um tal centro comercial”.
“A inexistência de uma Zona Especial de Proteção do centro histórico aconselharia a que não fossem tomadas decisões como a que está aqui em causa sem a prévia elaboração e aprovação desse instrumento fundamental de gestão territorial”, acrescenta o Grupo Pró-Évora.

39 comentários:

  1. A construção de um espaço comercial a Porta de Avis está colocada desde a gestão PS,o estudo feito pela Universidade de Lisboa para a cãmara é de 2007 e defende a construção na zona da Porta de Avis,nestes 8 anos o que fizeram as várias instituições em relação a este caso?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este é um assunto que deveria ser sujeito a um referendo local. Esta consulta está prevista na lei e destinasse a referendar questões de relevante interesse local. Portanto, nada mais simples: ouçam a população e façam funcionar a democracia

      Eliminar
    2. 12:11
      E foi...
      Em 2011, qualquer cidadão teve oportunidade de se pronunciar, em sede de Discussão Pública do PUE, sobre a proposta de localização do Centro Comercial.
      Nessa altura, segundo me recordo, poucas foram as vozes que alertaram para os problemas que resultam desta localização. Incluindo aqueles que agora tanto protestam. Agora é tarde.

      Eliminar
    3. São coisas diferentes. Uma consulta pública a um documento de planeamento, por muito importante que seja (e é), não é o mesmo que um referendo, com votação, a uma matéria muito concreta, como é o caso desta. Se não, para que serviria a possibilidade, consagrada na lei, dos referendos locais? Na minha opinião nunca é demais auscultar a opinião dos cidadãos.
      A quem possa estar interessado: https://www.parlamento.pt/Legislacao/Documents/Legislacao_Anotada/RegimeJuridicoReferendoLocal_Simples.pdf

      Eliminar
    4. 18:56
      Os referendos podem servir para muita coisa, mas não servem para alterar Planos de Urbanização.
      Mesmo havendo um referendo com votação maioritária contra o CC, o PU mantinha-se me vigor. Só em sede de REVISÃO ou ALTERAÇÃO (como aconteceu em 2011) é possível alterar o estipulado em Plano de Ordenamento. É em sede de Discussão Pública que os cidadãos podem e devem tomar as posições que entenderem. E só dessa forma podem influenciar os decisores.

      Eliminar
    5. Concordo em absoluto. Faça-se um referendo, afinal do que tem medo.
      Aliás com o referendo a CME fica livre de culpas, seja qual for o resultado.
      Da minha parte não tenho uma ideia concreta sobre a mesma, para isso há que saber, a sua volumetria, localização etc, etc.
      Força, não tenham medo de informar a população,pois uma população esclarecida será tudo menos contra um empreendimento desta envergadura se na verdade se verificar que se trata de um bom investimento.

      Eliminar
    6. Fazer um referendo para saber se os cidadãos querem um centro comercial, é idiota.
      Toda a gente quer um "chupa-chupa" de graça, sem custo e sem responsabilidade.
      Já se conhece o resultado desse referendo.

      O problema é haver quem o comece e quem o acabe.

      Eliminar
    7. Pois pois, chama-lhe idiota. O medo que esta gentinha tem de ouvir a opinião dos cidadãos. 40 anos depois e o salazarismo continua bem entranhado nestas cabecinhas...

      Eliminar
  2. Olha o PCP a querer tirar água de cima do capote. Bastava não ter vendido os terrenos para não haver esta possibilidade de construção do centro comercial. Mas o dinheiro - e a falta dele - falaram mais alto do que os principios.

    ResponderEliminar
  3. CDU,PSD e PS a partir de agora são os únicos responsáveis pela construção e projeto para aquele espaço.

    Ao menos Respeitem a zona envolvente.

    ResponderEliminar
  4. Por favor não permitam Mais um Mamarracho como o que foi construído na zona do Almeirim.

    ResponderEliminar
  5. O Baluarte está ao abandono,o espaço é propriedade da Estradas de Portugal,é Vergonhoso .

    ResponderEliminar
  6. São águas passadas, mas pergunte-se:
    1
    Se o centro comercial é tão necessário à Cidade e ao Centro Histórico(?), porque não o construíram nos terrenos municipais ao fundo da rampa do seminário, onde agora instalaram o Registo Civil, bem servido de acessos e estacionamento? Será porque esse terreno era "carne sem osso", ao preço da "água da chuva", que estava reservado aos amigos da presidência?
    2
    Outra pergunta relacionada:
    Será porque, vendendo esses e outros terrenos municipais, o presidente Dr. Ernesto também arranjou "justificação" para alugar instalações para os serviços municipais no Parque industrial, onde desde então o município vem pagando milhões de euros, a favor, mais uma vez, dos amigos da presidência?

    Isto está tudo muito bem pensado, mas ao contrário.
    Isto foi enriquecer os amigos da presidência à custa do interesse publico.
    Isto chama-se incompetência ou chama-se roubar?

    ResponderEliminar
  7. O baluarte parece um autêntico curral,Vergonhoso.

    ResponderEliminar
  8. Detido o Amigo de CavacoIPassos/Portas,a crise que o povo paga deve-se a estes corruptos que "compraram" o nosso património.

    ResponderEliminar
  9. O comentador profissional amigo do dono disto tudo lidera as sondagens,este povo gosta muito de corta fitas.

    ResponderEliminar
  10. A corrupção alastra a entrega das nossas empresas foi fartar vilanagem,a detenção deste Amigo da Direita Portuguesa,prova o que se passou nos ultimoa anos.

    ResponderEliminar
  11. Todos contras. E ao fim-de-semana é vê-los a caminho do Montijo.
    Não me sinto obrigado a ser penalizado só porque vivo nesta cidade.
    Por favor construam o CC o mais depressa possível.

    ResponderEliminar
  12. Só uma pergunta:
    Qual foi a posição do Grupo Pro Évora quando, em 2011, aqueles terrenos às Portas de Aviz, foram reservados no Plano de Urbanização para construção de um Centro Comercial?

    ResponderEliminar
  13. Este povo gosta de andar a quatro, desde que ande bem arreado, com cabresto, freio na boca e albarda no lombo.
    Esporas e chicote, são musica de Deus, pelo pecado original de ser roubado a torto e a direito, para enriquecer gatunos.
    Quem sofre na terra tem garantido o paraíso eterno, mas só depois de morrer (tal como os muçulmanos quando se suicidam).
    Para quem é burro, basta-lhe as mentiras repetidas desde que há religião, o circo, o futebol, a ínfima probabilidade de algum dia ganhar o totobola.
    Por isso é que o fascista Marcelo vai à frente nas sondagens.

    ResponderEliminar
  14. Concordo com a proposta avançada aí para trás (Joao Tavares). Façam um referendo. Só assim se conseguirá saber a opinião maioritária dos munícipes.

    ResponderEliminar
  15. a CDU quer e dinheiro estão-se borrifando para o património e para opinião dos outros, todas as audições que tanto apregoam e só para enganar a malta, porque quando para la vão já decidiram tudo na rua de aviz, gozam connosco que acreditamos que estão a ouvir-nos, isso não passa de uma miragem .se estivessem preocupados com o património não vendiam os terrenos. por estar no PDM , não obriga a CDU a vender. vendem porque querem é dinheiro para gastar em viagens e festas de verão, porque na iluminação de natal não é, isto se conseguirem montar a árvore antes do 25 de DEz. ou então Serra esta atrasar para fazer horas extraordinárias. Palpita-me que é isso mesmo. não há ninguém que lhe vá ao focinho?

    ResponderEliminar
  16. Façam referendo para saber quem precisa de dinheiro para comer.
    Quem precisa de trabalho.
    Quem precisa de educação ou saúde e não tem posses para isso.

    Referendo para saber quem quer um centro comercial, ou jogos de futebol todos os dias, supostamente de graça porque é à custa do erário público?
    Para isso não é preciso fazer referendo, porque toda a gente quer.

    (se a cidade aguenta ou não aguenta, também não interessa, porque quem vier depois é que vai ter que pagar a conta)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desculpe lá, mas você não está a perceber nada de nada. O Centro Comercial, a ser construído, será através de iniciativa privada, sabe o que isso é?. Embora, como já anteriormente referi, não sou contra nem a favor, sem primeiro saber a localização exacta (junto ou afastado das muralhas), volumetria, arquitectura, como fica integrado com as rotundas, e com o resto da variante, etc. Penso que alguém com mínimo de sentido critico e de responsabilidade só poderá ser contra ou a favor depois de saber estas informações.

      Eliminar
  17. É evidente que Évora merecia um Centro Comercial tipo Forum.
    Mas com a crise que está instalada em Portugal, agravada agora com a golpada do Tó Costa, já não é viável o CC em Évora, no mínimo dentro dos próximos 10 anos. Se um aventureiro for comprar os terrenos à Porta de Avis e construir lá um CC, vai perder muito dinheiro. Será que não lhe custou a ganhar?
    E a fazer-se esse CC nunca deve ser encostado às muralhas da cidade. É uma estupidez completa. Choca com o património histórico e falta-lhe espaço para estacionamento automóvel. Será que o Pinto de Sá nunca viu um Forum como o do Montijo ou o de Almada por serem obras capitalistas, logo reaccionárias?
    Será que o Pinto de Sá quer vender os terrenos à Porta de Avis só para queimar a massa em campanha eleitoral "institucional" de apoio à sua religião de eleição, o PCP?
    Será que os eborenses preferem votar no quanto pior melhor?
    Para termos uma Câmara com 1200 funcionários a fazer o que uma empresa privada faria facilmente com 100?
    Que grande miséria de povo que em tão miseráveis políticos vota!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É evidente que Évora não precisa de um Centro Comercial.
      O Eborim fechou há anos, e o de Almeirim nem sequer conseguiram acabar de construir.
      Quem tem olhos mas não consegue ver, é ceguinho.

      Eliminar
    2. Em Évora nem sequer os cafés de bairro se aguentam. Estão todos a fechar por falta de consumidores.
      E querem um centro comercial. Para quê?
      Quem é que é o maluco que vem abrir um centro comercial em Évora?

      Eliminar
    3. São os privados que querem construir. Há que acautelar a venda dos terrenos, para daqui a alguns anos virem dizer que o centro comercial não é viável e pedir para construir mas casas (será essa a ideia?).
      Quanto ao anónimo das 22:58 há qualquer coisa que não bate bem na sua mente. 1,.º Centros comerciais reaccionários???(ideias de comunistas), 2.º Refere-se ao António Costa com modos que dá a entender ser da PaF.
      3.º Miséria de povo que vota em tais políticos, e será que você vota? se não vota, ale essa boca, pois não tem argumentos para dizer seja o que for.

      Eliminar
    4. Os privados são suportados pela banca, que está falida.
      A banca que é suportada pelo orçamento do estado, que está falido.
      Orçamento do estado que é suportado pelos impostos.
      Os impostos que são sacados aos trabalhadores portugueses, cada vez mais desempregados e falidos.

      Para não falar nas infraestruturas e manutenção das mesmas, que são à conta do município de Évora, que também ficou falido depois da gestão de "excelência" do Zé do Cano.

      As Praças de Touros, as bolhas do imobiliário, os futebóis, as obras inúteis, os palácios do consumo, os prejuízos dos bancos, a gestão danosa do bloco central, todas essas porcarias são cobradas aos portugueses que pagam imposto.
      E os tais "empresários" ainda saem a ganhar à nossa custa.

      Acabem o centro comercial de Almeirim e, se também não falir, pensem em mandar vir outro.
      Em Évora, basta uma ruína de Centro Comercial.

      Eliminar
  18. A Prof.Aurora carapinha está preocupada com a construção do Centro Comercial?

    No tempo em que foi diretora regional o que fez a dita senhora?

    Nunca teve o posicionamento critico em relação a vários atentados ao património.

    Revisão do PDM

    Construção no parque de estacionamento do Garcia de resende

    Construção dos blocos na rua dos penedos

    total abandono do baluarte (porta de Avis)

    Derrocada da Muralha (escola de enfermagem)

    ResponderEliminar
  19. Estando as coisas como estão é necessário que seja criado um forte movimento de cidadania que lute por impedir este verdadeiro crime contra o património. A falta de sensibilidade desta Câmara para o património e para a cultura é já um dado adquirido em dois anos de mandato. Quer-se um centro comercial junto às muralhas e ao aqueduto quando há um centro comercial em esqueleto, parado, na zona de Almeirim; quer-se um centro comercial em terrenos da Câmara quando o salão central continua em ruínas; quer-se um centro comercial mesmo junto ao centro histórico que irá acabar com todo o comércio tradicional quando o património histórico da cidade, classificado, ameaça ruína e nada tem sido feito. Se os nossos antepassados de há uma centena de anos tivessem esta visão estreita do património que a Câmara hoje manifesta Évora já não teria o templo romano, nem as muralhas, nem os conventos que ainda existem. Ainda é tempo de arrepiar caminho. A Câmara pode estar em grandes dificuldades financeiras, mas não pode ser o vale tudo. E se a questão for o Plano de Urbanização, que se reveja o PU. Ou para esta Câmara só existem factos consumados?

    Um cidadão indignado

    ResponderEliminar
  20. avançar urgentemente com um movimento de cidadania. Évora não pode permitir este imperdoável erro da gestão cdu

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A câmara que ponha o terreno à venda, mas nada garante que alguém o vá comprar, nem que alguém o vá construir, porque está tudo teso.

      Eliminar
    2. Imperdoáveis erros foram a Praça de Touros, o campo de futebol da lixeira, o negócio da água, a venda do património ao desbarato, as urbanizações sem sustentação, os contratos e compromissos que deixaram a câmara arruinada.
      Imperdoável erro foi, a "cidadania" ter elegido incompetentes e aldrabões, que se apresentaram ao eleitorado como "excelentes".
      Só depois de 15 anos de desgoverno é que a "cidadania" se apercebeu que tinha sido enganada e arruinada pelos charlatães.

      Eliminar
  21. Mas a CDU não é de confiança?

    ResponderEliminar
  22. Um centro comercial tipo El Faro onde uma família possa entrar e lá passar o dia , vai absorver gente num raio de 50 km em redor de Évora , onde como tudo em Évora que é novidade ao princípio está sempre atulhado de gente ... se o souberem manter e a atração desde os 0 aos 100 anos convidar , então morre o resto do comercio em redor de Évora , pois o que lá semearem em euros os outros deixam de colher !

    Mas é bem vindo , faz falta , poupa-se gasolina para os ir ver a mais de 100km de Évora : Já devia estar cá um , seja nas Portas de Aviz ou no Cu de Judas !

    Jorge

    ( ciclista )

    ResponderEliminar
  23. A cidadania foi enganada primeiro pelo PS e agora pela CDU. Não duvidem que a cidadania já se apercebeu,e no caso da CDU levou apenas um anito-o dito estado de graça! Nunca se esqueçam o povo e inteligente, mesmo que não pareça. Imbecis!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "a cidadania" deves ser tu, não?

      Eliminar
  24. Não sejas imbecil, não digas bacoradas ó idiota!daqui por dois logo vês quem é a cidadania

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.