quinta-feira, 12 de novembro de 2015

O normal funcionamento das instituições

A 10 de Novembro, uma maioria de deputados com assento na Assembleia da República rejeitou o programa do governo empossado pelo Presidente da República e os partidos que representam assinaram um conjunto de acordos bilaterais que permitem ao PS constituir Governo.
A coligação de direita falou de golpe e de usurpação de poder, ameaçou com o caos, abriu o livro das desgraças e rogou pragas ao futuro.
Para quem andou, desde sempre, a afirmar que as eleições legislativas tinham como fim eleger uma assembleia plural de deputados e não um governo ou um primeiro-ministro, como plasmado na Constituição, teve no passado dia 10 o reconhecimento prático de um facto sempre sonegado por aqueles que defendiam a existência de um arco que excluía uma parte significativa dos portugueses representados.
A 10 de Novembro quebrou-se um tabu. Afinal é possível que, forças políticas com diferenças programáticas significativas, acordem entre si um programa mínimo que permita suportar um governo comprometido em parar a barbárie e devolver ao povo a esperança de um outro caminho.
Todos sabemos que tal possibilidade resulta de uma conjugação de factores que até este momento não se tinham verificado e “obrigaram” os actores políticos a esta decisão histórica.
Todos, os que nos reclamamos de esquerda, depositamos uma enorme esperança neste caminho, mesmo sabendo que está no início, que as curvas são apertadas, que a solução encontrada terá que governar com a oposição feroz da maioria dos infestam a comunicação social e que a intriga política irá apostar no aprofundar das legítimas diferenças entre os partidos que suportam a solução encontrada.
Os tempos que se aproximam serão muito exigentes e exigirão de quem procura uma ruptura com o caminho da austeridade, o discernimento que apenas a inteligência pode suportar e a coragem que a apenas as firmes convicções podem garantir.
A esta data não sabemos ainda o que irá decidir o actual Presidente da República e tendo em conta o que se conhece do personagem todas as cautelas serão poucas, embora a sua margem de manobra tenha ficado muito reduzida e provavelmente não lhe restará outra opção que indigitar o secretário-geral do PS como primeiro-ministro.
Se acontecer o que desejamos, vamos precisar em Belém de alguém que seja um garante do cumprimento da Constituição e não um chefe de seita que monte uma guerra de guerrilha contra o governo e a maioria que garante o seu funcionamento, e é neste contexto que a batalha das presidenciais assume um carácter decisivo.
São muitas batalhas em simultâneo, sempre foram, mas o capital de esperança que se viu reforçado a 10 de Novembro irá seguramente municiar os que todos os dias lutam contra as inevitabilidades e os caminhos únicos.
Que ninguém se atreva a desistir. Os nossos filhos não nos perdoariam.
Até para a semana

Eduardo Luciano (crónica na radiodiana)

14 comentários:

  1. Gente ligada a extrema-direita,ao opus-dei e a franjas mais reacionárias da Igreja estão a tentar criar um clima de Caos e provocação.

    O cartaz nas Portas de Moura é bastante elucidativo.

    ResponderEliminar
  2. Extrtemistas de direita,neo-nazis estão a preparar Manif. para 25 de novembro.

    ResponderEliminar
  3. Eles estão de volta.

    sede do PS-Porto incendiada.

    ResponderEliminar
  4. Dr Luciano ja reparou que a direita fascista esta unida, e a esquerda dilui-se por dezenas de partidos, nao sabemos negociar ao passo que eles sempre puseram os noegocios a frente de tudo. Eles querem o retrocesso civilizacional de empobrecimento e miseria e o regresso ao medievalismo, tudo por culpa da esquerda que nas suas questiunculas estereis, agora querem eleiçoes com revisao constitucional ninguem de la os tira so com uma nova revoluçao outro 25 de abril, mas com um povo sem consciencia politica e que e facilmente manipulavel. Abraçol,

    ResponderEliminar
  5. Rua com o Luciano e com o Sá e com o Garcia e com o Rodrigues para o bem dos eborenses

    ResponderEliminar
  6. Enganar os eleitores chama-se o que?Roubaram o voto no meu partido para este bacanal de casamentos e divórcios!

    ResponderEliminar
  7. A Esquerda quer torcer a Democracia e os democratas levantam-se.
    Quem semeia ventos, colhe tempestades!

    ResponderEliminar
  8. É verdade que a soma dos deputados da Esquerda é maior que o número de deputados da coligação PSD/CDS, Mas o acordo de Esquerda é um acordo de circunstância entre programas partidários opostos em assuntos cruciais. Ou será que PS e PCP são parecidos? Nunca foram, toda a gente sabe. Então? Querem enfiar Lisboa pelos olhos a dentro?
    A realidade é que nenhum dos partidos do acordo nos convence com esse acordo.
    A única solução para esta contenda é o povo dar a sua opinião. E eu estou convencido que se a Esquerda se coligar vai ganhar por muitos e então sim que venha o Governo de Esquerda e todos os portugueses o devem ajudar.
    Não há que ter medo do povo. O povo não tem medo do povo.

    ResponderEliminar
  9. Este Luciano e os outros não conhecem a cidade,um parque de auto-caravanas na lateral av.Sanches de Miranda,imagine-se o lado de um acampamento de famílias problemáticas que o digam os moradores do local.
    Com um belo espaço no fim da avenida eng.Arantes de Oliveira a porta do centro histórico,naquele estacionamento alcatroado que esta quase sempre vazio.
    Esta gestão comunista é um circo total!

    ResponderEliminar
  10. Extrema-Direita prepara Agitação para o 25 de Novembro.

    ResponderEliminar
  11. CIGANOS NÓMADAS DE ÉVORA SOFREM COM FALTA DE TERRENOS PÚBLICOS, COM ÁGUA, PARA ACAMPAREM
    Uma autarquia de esquerda dos direitos e do povo não consegue solucionar o problema,varias associações dos direitos humanos PSP GNR Segurança social pede o presidente Pinto de Sá uma solução a mais de um ano e nada sai do papel.
    Senhor vereador em bom a escrever textos ajude o presidente isto é mais uma mancha a imagem da cidade!

    ResponderEliminar
  12. 11:40
    Espero bem que sim! Já é altura de alguém devolver Portugal aos portugueses!

    ResponderEliminar
  13. Dr. Luciano saiu-lhe a sorte grande e a terminação porque ainda existe muita população sem conhecimento das coisas. Agora que têm o poder na totalidade e falam como falam não terão vergonha de ter negociado um acordo em que os miseráveis vão ter um aumento nas reformas de 60 70 80 90 cêntimos por mês que não dá para um pão de 1/2 kilo.
    O acordo foi feito para lhe salvar a sua vidinha e dos seus com pinchas uma vez que se não fosse assim lá iria o PCP aterrar de bico.
    Tenham vergonha naquilo que dizem e naquilo que fazem e olhem mais pelas pessoas e não pelo seu próprio bem.

    ResponderEliminar
  14. "Évora prepara-se já para a Meia Maratona. Ruas, praças, monumentos, património da humanidade, vão ser redescobertos por muita gente que chega de diferentes lugares do país e do mundo, domingo 22 de Novembro."
    in facebook Evora notícias

    É assim que a Câmara define a Maratona EDP?! A maratona vai ser uma nova forma de turismo? Os participantes vão aproveitar a corrida para redescobrir as ruas, as praças e os monumentos? Em vez de informar, esta câmara aderiu à linha propagandística comunista mais primária. "Tudo bom, tudo bonito, tudo lindo!". A burrice e a desorientação é assim tanta que têm que regressar aos primórdios do comunismo?

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.