quarta-feira, 7 de outubro de 2015

O superior interesse nacional

A primeira crónica desta nova temporada, inevitavelmente, versará sobre a minha visão do resultado verificado nas eleições legislativas ocorridas no passado domingo, dia 4.
Ora, há dois factos inelutáveis e resultam evidentes à saciedade. O primeiro é que a Coligação ganhou as eleições legislativas e deverá formar um governo estável e de legislatura. O segundo, é que o parlamento terá uma maioria de esquerda. Assim, a primeira consequência é que a Coligação deverá governar e a maioria de esquerda deverá estar na oposição.
Acontece porém, que, o novo panorama político traz à dialética política uma diferente perspetiva pelo facto do resultado eleitoral obtido pela Coligação não ter sido uma maioria absoluta. Deste modo, só o consenso político será a baliza para tornar possível uma boa governação. Com isto não quero dizer que o consenso seja um fim em si mesmo do próximo governo. O que o consenso deverá significar é a viabilização das reformas que o país ainda necessita de levar a cabo. Com efeito, a sustentabilidade da segurança social é um exemplo disso mesmo.
Na atual maioria parlamentar de esquerda, só o partido socialista se apresenta como europeísta e a favor da união monetária. Os demais partidos de esquerda defendem posições que contrariam o cumprimento das regras inscritas nos tratados europeus. Estes partidos não priorizam a consolidação das contas públicas, consequentemente, não defendem a continuidade do pais na União Europeia.
Dito isto, para a preservação do bem-estar das famílias portuguesas e do desenvolvimento das nossas empresas, pede-se ao novo governo e à oposição democrática e responsável que presidam as suas posições observando o superior interesse nacional. Os desafios nacionais e internacionais são cada vez mais complexos e delicados e não comportarão tacticismos político-partidários. Não tenho dúvida do que afirmo.
Por último, referir que apesar da austeridade imprimida pelo governo na última legislatura e o quanto isto significou para muitas pessoas, designadamente, para os funcionários públicos e pensionistas, a Coligação Portugal à Frente no distrito de Évora, não só conseguiu obter a eleição de um deputado, no caso o Dr. Costa da Silva, como, também, fora a segunda força partidária mais votada no distrito.

José Policarpo (crónica na rádio diana)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.