segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Ainda lhes sai a consenso pela culatra

Parte importante dos últimos anos das nossas vidas foram passados a ouvir Cavaco Silva falar sobre a importância da existência de consensos e de soluções governativas estáveis.
Sabemos hoje, melhor do que nunca, que este apelo estava e está carregado de um cinismo enorme. Precisamente nas semanas em que a política de consenso e a procura de uma solução governativa estável chega à esquerda portuguesa, Cavaco procura matá-la desde início, entrando em pânico e precipitando-se, mostrando, mais uma vez, não estar à altura do cargo que ocupa.
O que temos assistido nos últimos dias tem um nome, um nome que a direita abomina: DEMOCRACIA. Bem sei que a direita lida mal com a democracia e lida pior com a verdade na democracia. Procuraram jogar o jogo da eleição de um governo e de um primeiro-ministro, e procuraram impingir este jogo aos eleitores. Falharam no jogo, mas continuam a tentar impor as regras falseadas.
No dia 4 de Outubro, os portugueses votaram para eleger a constituição da Assembleia da República através da eleição de deputados e deputadas defensores de um determinado programa político para o país. O resultado destas eleições não foi confuso, nem obriga a grande reflexão: três grandes forças políticas (PS, Bloco de Esquerda e CDU) partiram para estas eleições com programas próprios, mas com um denominador claro, expresso várias vezes: romper com a austeridade e defender os Serviços Públicos e o Estado Social. A defesa destes princípios não esgota o que está contido nos três programas, mas estes constituíam-se com factores-chave, especialmente no confronto com a direita (entenda-se coligação PSD/CDS), que demonstrou claramente querer continuar com a política austeritária e com a destruição do Estado Social. Havendo, e ainda bem que há, diferenças entre os programas destes partidos, e admitindo que as formas de defesa do Estado Social e rompimento com a Austeridade podem ser diferentes, existe este forte elo de ligação, que é público e que era e é conhecido dos eleitores. Cada voto no PS, no Bloco e na CDU foi também, e arrisco que principalmente, para romper com as políticas extremistas seguidas pela direita nos últimos anos.
O resultado das eleições foi claro, embora os comentadores de direita (que detêm um quase exclusivo na comunicação social) tenham dificuldade em engolir: estes três partidos detêm a maioria absoluta na Assembleia da República, pelo que mais do que uma opção, é um imperativo que se analise a viabilidade governativa que faça cumprir os princípios que atrás enunciei. Cavaco Silva não quis fazer esta leitura, procurou atirar areia para os olhos dos portugueses, e precipitou-se a chamar Passos Coelho. Tão atrapalhado foi nesta precipitação que teve a lata de falar da importância de haver, na viabilização de um governo, um entendimento comum sobre a NATO, não se dignando a referir por uma única vez a importância de haver um consenso na defesa da Constituição da República Portuguesa.
Fica tudo cada vez mais claro. Entre a defesa de valores consagrados na Constituição, como o Estado Social ou o Emprego, e a NATO, Cavaco obriga-se a fazer uma escolha. Percebo agora muito melhor a sua ausência no 5 de Outubro.
Gosto quando o nevoeiro se dissipa. Gosto quando o medo muda de lado. Gosto quando as regras da democracia ficam mais claras. Os portugueses não votaram para um concurso de beleza, nem os resultados podem ser interpretados como uma tabela classificativa de um torneio de futebol. Na Assembleia joga-se a democracia, joga-se o nosso futuro. Cada minuto conta, cada decisão é determinante.
Uma a última nota: demorou algum tempo, mas parece que os partidos e comentadores de direita perceberam, finalmente, que o Bloco de Esquerda não é só um partido de protesto, mas acima de tudo um partido de proposta. Começaram a tremer, que continuem…
Até para a semana!

Bruno Martins (crónica na Rádio Diana)

17 comentários:

  1. Querem ganhar na secretaria o que não foram capazes de ganhar nas urnas. 80% dos votantes está-se cagando pro Bloco de Esquerda e pro partido comunista.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cavaco Silva e os PAFs andam completamente acagaçados apenas porque há a hipótese de se vir a formar um governo com maioria de esquerda.

      Será que o Portas já começou a tirar fotocópias?

      Eliminar
    2. Que é isso de esquerda?

      Eliminar
  2. No discurso, o Bloco de Esquerda resolve todos os problemas de Portugal e do Mundo. Na vida real, os seus dirigentes não sabem fazer nada. Em trabalho nunca falam.
    Sr Bruno Martins,
    diga-me lá onde vai buscar o dinheirinho para pagar o Estado Social quando mandar embora de Portugal todo o investimento estrangeiro e paralizar todas as empresas portuguesas? O Sr ainda não percebeu que para um país se aguentar tem que ter empresários? E empresas que dêem lucro para aguentar os trabalhadores e gerarem impostos?
    Não, o Sr não percebe nada disso. Nem está preocupado com isso. O que o Sr quer é viver de um bom ordenado do Estado e entreter-se a discursar sobre política da treta. Mas desiluda-se que essa sua política só arranja votos nos mal acostumados ou nos portugueses ingénuos que acreditam que para haver dinheiro é só pôr as máquinas a fazer notas.
    A solução dos problemas em que a escumalha politiqueira colocou Portugal só acontece com muito trabalho. Para muitos o trabalho não assusta. Os que não gostam vão ter que se habituar e apresentar serviço.

    ResponderEliminar
  3. Cavaco Silva falar sobre a importância da existência de consensos e de soluções governativas estáveis.
    Porque sera?Qualquer pessoa com dois dedos de testa percebe que Portugal vive numa economia aberta de mercado,a instabilidade politica agrava juros e espanta investidores é basico!O bloco nem uma autarquia conseguiu gerir quanto mais fazer parte da governação de um pais,Portugal não vive de teatro!

    ResponderEliminar
  4. Inquérito revela que MH17 foi abatido por míssil russo
    http://www.dn.pt/inicio/globo/interior.aspx?content_id=4831040

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando se lêem só o títulos corre-se o risco de tirar conclusões erradas.
      O dito míssil (de fabrico) russo deixou de ser usado no exército soviético em 1999. Por sua vez o exército Ucraniano ainda possui cerca 500 desses mísseis. Ainda que o Relatório nada diga sobre o responsável pelo lançamento do míssil há indícios (referidos na RTP) de que ele foi lançado a partir de uma posição do exército Ucraniano.

      Ou seja, um título sério diria: «MH17 foi abatido a partir de território Ucraniano, por míssil de fabrico russo»
      Mas isso seria pedir muito quando se sabe ao serviço de quem estão os órgãos ditos de comunicação social.

      Eliminar
    2. Os resultados da investigação confirmam que o Boeing foi derrubado a partir de uma zona controlada pelas tropas de Kiev.
      Erraram aqueles que se apressaram a envolver os russos na queda deste avião de passageiros. Falta saber as razões de Kiev para o derrube do avião: lapso ou vontade de internacionalizar o conflito. A forma como têm sonegado informações, aponta para que não se trate de um simples lapso.

      Eliminar
    3. Os Russos eram lá capazes de fazer uma coisa destas? Putin é um santo para o PC que o defende com unhas e dentes. Aparecem por lá uns opositores mortos a tiro, mas pelos vistos suicidaram-se publicamente! O Putin não tem nada a ver com isso, pois claro!

      Eliminar
  5. Quando formos buscar outra vez o Passos Coelho, o homem vai vir em ombros!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vai vir?
      Em que escola andaste?

      Eliminar
  6. Só para os beija cus....é que tal é possível-
    Estou a ver a cambada dos ditos beija cus, das Direcção Regionais e Institutos a tremerem, sem saber qual vai ser o seu futuro, tipo Palma Rita e quejandas, que nada mais sabem fazer, Coitados, afinal são uns tristes, pois se não fossem beija Cus, não eram nada na vida.
    Du Campo

    ResponderEliminar
  7. Parece que a câmara passados dois anos de gestão CDU se mantém falida . O que é que não mudou nestes dois anos. O Presidente mudou mas o chefe dos serviços financeiros não, o tál Dr Peleve, sociólogo e incompetente, mas inteligente para enganar Ernesto sempre em casa dele a petiscar e a fazer vinho e para enganar P SÁ e a câmara, há comuna. O ho em e um cata vento de excelência. Acordem incompetentes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca ninguém disse que a grave situação financeira da câmara se resolvia em dois anos ou mesmo num mandato.
      Basta saber, como todos sabem, que as consequências do PAEL se prolongam por 20 anos.
      Basta saber, como todos sabem, que a negociata das águas dá um prejuízo anual de 5 milhões de euros, que se vão somando à dívida.

      Basta saber isso e outra coisas, para se perceber que, ainda que haja melhorias, a situação financeira se vai prolongar por muitos anos...

      Eliminar
  8. Falida e cheia de icompetentes,Pinto de Sá já só serve para moldura de estante,os acesores é que viraram chefes!

    ResponderEliminar
  9. Mas quem é que manda na cãmara afinal?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não sou. Posso garanti-lo.

      Carvalho

      Eliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.