sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Nota de imprensa da reunião da Câmara Municipal de Évora de 5 de Agosto


Em reunião pública de 5 de Agosto
Câmara de Évora informada que a cidade acolherá a sede do cluster aeronáutico

A Câmara Municipal de Évora tomou conhecimento, através do Presidente Carlos Pinto de Sá, da decisão de que a sede do futuro Cluster da Aeronáutica, Espaço e Defesa (AED Cluster) será em Évora, decisão que resulta dos esforços feitos nesse sentido pela Câmara Municipal, Universidade de Évora, Parque de Ciência e Tecnologia do Alentejo e Embraer.
O cluster agrupa um conjunto de associações ligadas aos referidos sectores, que são hoje essenciais para a dinamização de um novo paradigma económico nacional, apostando fortemente no desenvolvimento tecnológico e na inovação, cujos benefícios são transversais a outros sectores com impactos bastante positivos tanto a nível económico como social. Destacando em particular o empenho dos responsáveis da Embraer neste processo, o Presidente do Município de Évora convidou os responsáveis das associações a visitar Évora, o que ocorrerá provavelmente em Setembro próximo.
Foi apresentado pela Vereadora Cláudia Sousa Pereira, e aprovado por unanimidade, um voto de pesar pelo falecimento do Professor Ário Lobo de Azevedo, o primeiro Reitor da Universidade de Évora após a sua reabertura nos Anos 70 do Século XX, que deu um importante contributo para a criação e consolidação desta instituição. Ário Lobo de Azevedo nasceu em Lourenço Marques (actual Maputo), Moçambique em 1921. Formou-se no Instituto Superior de Agronomia. Foi Professor Catedrático e Investigador. Apoiou a organização do Instituto Universitário de Évora e foi empossado Reitor da Universidade de Évora em Janeiro de 1974. 
Aprovação unânime mereceu também a aceitação da doação de cobertura de recreio para a Escola Básica Chafariz D’El Rey feita pela empresa DELTA. A Associação de Pais indicou a possibilidade desta doação, cujo valor é estimado em cerca de 6.300 euros, que foi aceite pela autarquia e permitirá um aumento da área de recreio coberto atualmente em cerca de 40m2 para um acréscimo de 100m2, beneficiando um número significativo de crianças.
Foi aprovada por unanimidade a minuta de contrato referente ao concurso público “Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão Especial, Baixa Tensão Simples e Baixa Tensão Normal- Iluminação Pública”, entre a Câmara de Évora e a GALP POWER S.A, no valor de 1.126.917,50 euros (acrescido de IVA), pelo prazo de um ano. Um contrato que na prática permitirá à autarquia, segundo explicou o Presidente, uma redução substancial do valor da energia pago até agora.
Mereceu igualmente aprovação unânime o estudo para o desvio da conduta adutora de água a Valverde bem como a execução da 1ª fase da obra, por forma a viabilizar as instalações da Associação de Reformados, Pensionistas e Idosos de Valverde.
A proposta de isenção de pagamento de taxas aeroportuárias para as aeronaves que participam na XXIV Vuelta Ibérica 2015 foi também aprovada por unanimidade. O evento inclui a realização de uma chegada e de uma partida de etapa nos dias 7 e 8 de Agosto, no Aeródromo Municipal. Trata-se de uma iniciativa que conta com o apoio local da Associação Aeronáutica de Évora, à qual a Câmara de Évora se associou por ser uma boa forma de divulgar a cidade e a infraestrutura aeroportuária no exterior, tendo ainda em conta que os cerca de 50 participantes irão passar uma noite em Évora e conhecer a cidade através de visita guiada.

10 comentários:

  1. Á atenção do policia de Évora, já não digo da CME porque essa o Zé Russo faz-lhe todas as vontades pelos votos.
    Fazem do espaço relvado entre duas escolas (André de Gouveia e escola Básica de Sr^da Glória) estadia durante a tarde e noite, deixando imensas crianças pequenas a atravessar a rua sem ninguém as controlar e ai de alguém que tenha a pouca sorte de lhe bater.
    Espero que no início aulas a policia de escola segura não permita isso, até lá é só churrascos e lixo e depois acusam-nos de racismo, não se querem socializar querem viver no desleixo total

    ResponderEliminar
  2. Os comunas a tentar colher o que o papuça do Zé Ernesto, o 44 e o Lula andaram a semear.
    É preciso ter lata...ou agora ou no dia da inauguração que vomitaram e conspurcaram de palavreado numa manifestação de bocós...

    lolol

    ResponderEliminar
  3. Muito bem! E porque continua aquele monte de terra e areia ali ao lado do jardim infantil, onde uns miúdos deram uns toques na bola por altura da feira? Será já o local para uma nova horta comunitária? Ou num esforço de poupança, aquilo vai ficar ali já para o S. João 2016?

    ResponderEliminar
  4. Esta gestão comunista esta a cair de podre,nos últimos meses tem se assistido a uma derrocada total,onde o próprio presidente baralha números e termos.
    QUE VERGONHA!!!!!

    ResponderEliminar
  5. Europa vive a maior crise de refugiados desde a II Guerra Mundia
    Enquanto a opinião pública se indigna contra o dentista norte-americano que matou o leão Cecil, numa caçada supostamente legal no Zimbabwe, na Europa os olhos parecem fechados a um estilo muito pior de "caça": aos migrantes ilegais que todos os dias, às centenas, tentam chegar ao "Ocidente", o El Dorado, o sonho europeu de um futuro melhor.

    Fogem da guerra, miséria, da fome, da corrupção, da morte. A maioria são sírios e afegãos mas também há iraquianos e kosovares. Pagam alguns milhares de dólares para assegurar a travessia, não sabendo que vão ser largados sem rede pelos traficantes, sem apoio nem documentos numa cidade desconhecida, num campo de refugiados, às vezes até no mar.

    A Europa vive a maior crise de refugiados desde a II Guerra Mundial. São já mais de 50 milhões. Deslocados, apátridas, sem nada. A onda começou nas pequenas balsas, tão frágeis que até no tranquilo Mediterrâneo se viravam. Desde o início do ano já morreram mais de dois mil. Quando se afogaram mil de uma vez a opinião pública escandalizou-se, emocionada, exigiu uma acção dos políticos, que alguém acolhesse os pobres refugiados. Mas memória curta, a ‘silly season' e os casamentos hollywoodescos da nossa amostra de ‘jet set' rapidamente apagaram a imagem das crianças de olhos grandes e barrigas esticadas de fome. Mas os refugiados não esquecem que o mar pode ser traiçoeiro e como a necessidade é a mãe do engenho viraram-se para outras fronteiras: chegar à União Europeia, através da Hungria, cruzando a Sérvia. Chegar ao Reino Unido pelo Canal da Mancha, escondidos em camiões ou nos comboios. Centenas, todas as noites, a passar a cerca erguida como perímetro de segurança. Como se um muro pudesse segurar o desespero.
    Prisão e cães farejadores

    Com os olhos do mundo a chorar Cecil e o seu irmão Jerico os migrantes lá iam passando, rezando para que ninguém desse por eles. Até que, num dia particularmente intenso em que mil tentavam atravessar, um morreu atropelado. E o cerco apertou-se. Canal fechado, centenas de camiões parados, danos na economia, filas de 18 horas para tentar atravessar.

    Enquanto o Reino Unido, usando o Exército mas numa operação gerida por civis, tenta a todo o custo reforçar a sua cerca, entre cinco a dez mil almas apinham-se num campo de refugiados em Calais, França. Os britânicos que arrendarem as suas casas a imigrantes clandestinos podem ser alvo de penas de prisão. Há cães farejadores a percorrer a cerca. Enquanto isso, os refugiados esperam, de olhos postos do outro lado do canal.

    Enquanto isso, a mesma Europa que, entredentes, ridicularizou o muro construído pelos Estados Unidos na fronteira com o México, dedica-se a construir valas, fossos, muros. A fechar as fronteiras o mais possível. Para proteger as suas economias, frágeis, a recuperar da crise financeira, do desemprego, das ajudas externas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, Viva a Coreia do Norte!
      Aí não há refugiados, ninguém pode sair de lá!

      Eliminar
    2. Nem na Coreia do Norte os nativos fogem de lá assim que podem, assim como da Cuba...ninguém arrisca a pele para fugir das ditaduras comunistas...

      Eliminar
  6. Badamerda. Belos comentarios acerca da vinda do cluster aeronautico e espacial para Évora... O meu cão tem um raciocínio mais apurado.

    ResponderEliminar
  7. Desrespeito total pela autoridade mesmo nas barbas dos próprios.
    Acampamento cigano no largo fronteiro ao Pingo Doce , grande superfície constantemente guardada por dois policias.
    Já não deve vir longe o tempo, Depois de acampamentos dentro do hospital, e junto ao TIC/tribunal de instrução criminal breve vão acampar para o largo junto á policia, Têm tanto medo da policia como eu tenho de uma pulga sem pernas

    ResponderEliminar
  8. Pânico nas Urgências do nosso hospital esta sexta feira à noite. Sala cheia de pacientes com pulseiras amarelas e laranjas, que esperaram horas para serem avaliados pelos médicos, que, ninguém soube explicar porquê, estiveram praticamente entre as nove da noite e as duas da manhã sem chamar novos doentes. A sala de pós triagem entupiu, houve reclamações (que nunca dão em nada), doentes a desesperar... Não morreu ninguém naquela sala, por milagre. E responsabilidades, são de quem?

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.