terça-feira, 25 de agosto de 2015

A.M. Matias: um novo poeta (poetisa) do Alentejo?


Identidade com outro

Sou em ti
Pulverizo-me em ti outro
como volúpia de água
em madrugada inesperada
Pertenço-te e habito-te
sem permissão
nem agradecimento
sem tempo
nem refúgio
Cumpro-me em ti
sem saberes de mim
E juntos
estaremos
na origem de manhãs desconhecidas
de gerações outras
que serão
também elas
pólen
nevoeiro
ou fragrância
 
Alentejo, 2015,
A.M.Matias

1 comentário:

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.