quinta-feira, 25 de junho de 2015

Terão todos endoidecido ao mesmo tempo?


Esta é a imagem colocada em vários outdoors, pela Câmara de Beja, a reivindicar a construção do IP-8 (?). Não se sabe o que é que os romanos (ou, pela indumentária, alguma seita religiosa pós-moderna...), terão a ver com isto, mas enfim... Na sua newsletter, a Câmara explica os porquês desta campanha: "A Câmara Municipal de Beja tem no terreno uma nova iniciativa com vista à exigência da concretização das obras, neste caso, com a colocação de outdoors ao longo do IP8, sob o lema “Há séculos que já devia estar feito”. Todas as iniciativas, de todas as instituições e da população da região são importantes até conseguirmos que esta obra fundamental para romper os estrangulamentos no plano das acessibilidades seja concretizada."
Aníbal Costa, presidente da Câmara de Ferreira do Alentejo, já veio a terreiro no seu facebook, falar desta acção reivindicativa da Câmara de Beja: 
"Parece que a CM Beja, vá-se lá saber porquê (?!) acha que o IP8 (não é a A26 - Auto-Estrada do Baixo Alentejo, é o IP8, pois...) devia ter sido feito "há séculos" presumimos que, pela indumentária dos "bonecos", no tempo dos "romanos".
E numa "fúria propagandística", e ao que parece "romanizadora" (coerente, pois!) até extravasou os limites do Concelho...colocando um aqui na rotunda (essa sim do IP8) perto de outra Sede de Concelho, por sinal bem mais interventiva em todo o processo de contestação...
Porque será que assim é?...Terão os ilustres (e despesistas autarcas) medo da "Poção Mágica"? 
Pois é: Lignum tortum haud unquam rectum."


9 comentários:

  1. O PCP reivindica muito e trabalham muito pouco

    ResponderEliminar
  2. A Câmara vai apresentar uma proposta de diminuição da TOS 10% em 2016, 10% e 2017 e 15% em 2018.
    A Erse deixou a galp, empresa que lhe paga fazer uma ilegalidade, como não refletiu facturas de anos anteriores para cativar clientes quando achou que já os tinha presos, vá de aumentar 500% a TOS para todos os clientes, dizendo que se refere a valores não reflectidos desde 2012.
    Quem fiscaliza a veracidade destas mentiras, aprece-me ser outro minto urbano.
    Vamos voltar a velha garrafinha de gás propano e a galp que engula o gás natural e lhes faça bom proveito

    ResponderEliminar
  3. O Sr Vereador Eduardo Luciano e o Presidente Carlos Pinto Sá são mais origem al-andaluz do que Judaico-cristã.
    O Largo onde se situa a Igreja de Nossa Senhora Auxiliadora, vai lhe ser dado o nome dia 29 de Largo Maria Auxiliadora, porque a CME não quer ferir as susceptibilidades dos amigos islâmicos não há cá nome de santos ou santas ainda se fosse de Alá ou Maomé.

    Maria é nome de criada doméstica, possivelmente quem não conheça pensa que o nome tem a ver com uma criada doméstica que gostava de ajudar daí auxiliadora, senhor vereador assim tem que voltar a barra do tribunal como advogado mediocre

    ResponderEliminar
  4. Quem foi Maria Auxiliadora?
    Já sei foi uma criada de um terratenente, que gostava de ajudar dai auxiliadora.
    Não diz a data de nascimento dessa senhora Maria.
    Sr. Presidente esse seu ateísmo, sorriso esfíngico e nariz empinado qualquer opositor em 2017 o vence facilmente. Quero que a minha rua fazendo a vontade ao Sr Vereador da Cultura se passe a chamar Al-Andaluz

    ResponderEliminar
  5. Um dos muitos responsaveis pela paragem das obras encontra-se em Évora,é o 44.

    Os autarcas de Ferreira do Alentejo e Beja podem vir até a Capital do Alentejo e pedir uma audiência ao senhor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens razão ó espertalhaço elas só pararam por eles as iniciou.

      Eliminar
    2. Os responsaveis oela paragem sao os Bejenses que andaram a votar uma vida inteira mais num partido de protesto que vive à conta de orcamentos publicos. O partido comunista é o principal responsavel pelo atraso do desenvolvimento da baixo Alentejo

      Eliminar
  6. As obras recomeçaram já há algumas semanas, Vão lentas pois que em vez de 50 operarios em cada ponto tem 4 ou 5..
    Mas estao a avançar.

    ResponderEliminar
  7. A organização das cadeias de distribuição, nomeadamente o Pingo Doce, está-se a organizar segundo o modelo esclavagista da tyco. Repressão e supressão de trabalho com direitos, onde pára a ACT(autoridade para as condições de trabalho), fim dos contratos colectivos de trabalho e a obrigatoriedade de substituição por contratos individuais sem direitos, matéria em que esse pita é useiro e vezeiro. A democracia tem que ser participada, a partidocracia está refém destas multinacionais exploradoras.
    E a história da crise não convence, tudo o que é chefe que alinha em impor trabalho inumano, recebe em troca um audi ou mercedes. Espero que o inferno também os saiba recompensar, mafarricos

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.