quarta-feira, 3 de junho de 2015

Sim ao Hospital Central para o Alentejo, mas tem que ser compatibilizado com os cuidados hospitalares no distrito de Beja


"Temos vindo a assistir a um constante processo de amputação e desagregação do Hospital de Beja, numa lógica conducente a reservar-lhe um papel apenas residual na prestação de cuidados de saúde no nosso distrito. Certamente, tal situação não seria a que melhor serviria a população do Baixo Alentejo.
Diz-me a minha intuição que foi algures concebida uma estratégia visando retirar financiamento à Saúde no nosso distrito. Numa lógica de capitação, foi reduzida a população assistida: primeiro a do concelho de Odemira, depois os da margem esquerda do Guadiana.
Na sequência das “amputações”, indaguemos se os lóbis terão força para retirar mais um concelho a norte e outro a sul. O Baixo Alentejo seria “esquartejado”, ficando apenas a zona central, para o que bastaria ter um “hospitalzinho”.
Numa lamentável sucessão de irracionalidades e degradação (em que podemos classificar 2013 como o ano da capitulação), tudo sugere um “empurramento” direcionado para uma situação de factos consumados, de obsolescência e downsizing. Do nosso lado, os excessos de expectativa e “prudência” resultaram em menorização das capacidades de resistência a essa ofensiva contra o Hospital de Beja.
Factos como o adiamento sine die da renovação do parque tecnológico, a redução forçada de camas e a inviabilização de valências, parecem visar a que um “pequeno Hospital de Beja” antes de o ser já se configure como tal. No limite, essa seria uma situação comprometedora para a prestação de cuidados de saúde de qualidade e acessíveis a todos os utentes do nosso distrito.
Finalmente, esclareço que considero que o projeto de construção de um Hospital Central para o Alentejo interessa consensualmente a toda a população da Região. No entanto, no meu entendimento o conteúdo funcional de tal projeto tem de ser - imprescindivelmente e desde já – compatibilizado com a qualidade dos cuidados hospitalares no distrito de Beja."


Munhoz Frade, médico, Beja (aqui)

6 comentários:

  1. Se eu fosse um dos militantes do Partido Comunista de Beja, desencabecinava aquela gente toda para reclamar também um outro Hospital Novo para cidade, como Évora.
    Havia de esgravatar, gritar, protestar à portas das entidades por um Novo hospital lá. Metia os deputados do PCP pelo menos uma vez por semana, a EXIGIR e reivindicar por escrito à assembleia da república, governo, embaixadas da troika e da UE em Portugal, assembleia de credores, Angela Merkel e David Cameron, um Hospital completamente novo de raíz.

    ResponderEliminar
  2. Se eu fosse parvo, dizia precisamente o mesmo.

    ResponderEliminar
  3. Agora pegou moda meterem as crianças com escudos e capacetes da porrada !

    Descubram aqui se tiverem coragem :

    https://www.facebook.com/GNRAlentejo


    Tudo o resto se faz uma vénia , mas quanto a manobrar práticas de violência seja para defesa ou dar porrada no pai com a criança a ver , demitam-se !


    Jorge

    ( ciclista )

    ResponderEliminar
  4. Ditador da guine equatorial,paga ordenado a treinador Português?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. e não só...parece que os Português via BES e via BESA também andam e vão continuar a pagar o salário do Homem

      Eliminar
  5. Houve muita gente neste cidade porca que ajudou a enterra-lo.
    Disse-mo ele o rapaz ia actuar e gozavam-no, cantar para uma plateia que nos goza por um boato e mesmo que fosse verdade ninguém tem o direito de denegrir ninguém e ainda dizem que o alentejano é bom, sim uma boa besta gozão da miséria alheia.
    Quando vejo tenho orgulho em ser alentejano, eu não gozam até com a própria morte tudo lhes serve para mandar abaixo.
    Foi vitima mesmo disso dar demasiada confiança a toda a porcaria , com a história de cantar de improviso. O ser alentejano fica mais feliz com a infelicidade alheia do que com o bem próprio, não se pode fazer generalizações, mas é a maioria. Adora a chamada não conversa, algo que não o obrigue a puxar pelas meninges, futebol brejeirices, verborreia ,ateísmo militante.João Paz a tua alma, foste sempre digno apesar das privações nunca mendigas-te, foste vítima dessa alentejanidade.No seio de Deus vais ter finalmente descanso Ele é amor

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.