quarta-feira, 24 de junho de 2015

PS, Câmara e Assembleia Municipal pedem esclarecimentos sobre funcionamento da oncologia no Hospital de Évora. A ARS nega qualquer "falha".


Na sequência de notícias vindas a público relativas à saída de alguns profissionais do Serviço de Oncologia Médica do Hospital do Espírito Santo de Évora (HEDE), o Deputado Bravo Nico apresentou, na Assembleia da República, uma pergunta formal ao Ministro da Saúde, no sentido de esclarecer a situação.
Bravo Nico colocou ao governante a seguinte questão:

«Nos últimos dias, tem circulado a notícia da saída de alguns profissionais do Serviço de Oncologia Médica do Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE), nomeadamente do seu Diretor de Serviço, que coordenava aquela unidade desde a sua fundação, em 2002.
Esta situação, pela quantidade e qualidade dos profissionais envolvidos, poderá, eventualmente, colocar em causa a manutenção daquele serviço, que é uma referência de qualidade nos cuidados diferenciados que presta à totalidade da população alentejana (mais de 430 000 pessoas). Por outro lado, poderá comprometer a formação médica nesta especialidade, atendendo ao facto de a saída dos profissionais mais qualificados fragilizar esta dimensão formativa.
Atendendo a que a informação que circula é dispersa, tem provocado natural receio na população e necessita de ser esclarecida, por fonte oficial, ao abrigo das disposições legais e regimentais aplicáveis, venho requerer, através de V.Exa., ao Senhor Ministro da Saúde, resposta às seguintes perguntas:
- Confirma-se a saída de profissionais do Serviço de Oncologia Médica do Hospital do Espírito Santo de Évora? Em caso afirmativo, quais os profissionais que deixaram de exercer funções nesse serviço? 
- Qual a atual situação do Serviço de Oncologia Médica do Hospital do Espírito Santo de Évora, no que se refere aos profissionais que, aí, prestam serviço; 
- O Serviço de Oncologia Médica do Hospital do Espírito Santo corre risco de encerrar? 
- Que medidas vão/estão a ser tomadas, no sentido de repor o nível quantitativo e qualitativo do serviço prestado pelo Serviço de Oncologia Médica do Hospital do Espírito Santo de Évora à população do Alentejo e, em particular, do distrito de Évora?» (nota de imprensa do grupo parlamentar do PS)

*

Também recentemente, devido a esta situação, os presidentes da Câmara e da Assembleia Municipal de Évora tinham pedido esclarecimentos à ARS Alentejo:

Os recentes acontecimentos tornados públicos nos Serviços de Oncologia e Radiologia do Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE) têm vindo a causar preocupação geral pela sensibilidade da matéria e pela possibilidade de a situação comprometer a manutenção de cuidados de saúde diferenciados a toda a população do Alentejo, tendo em conta a centralidade do HESE na Rede de Referenciação Hospitalar.
Por conseguinte, o Presidente da Câmara Municipal de Évora, Carlos Pinto de Sá, e o Presidente da Assembleia Municipal de Évora, António Jara, tomaram a iniciativa de solicitar audiência ao Presidente da Administração Regional de Saúde do Alentejo com o intuito de conhecer a situação em detalhe e obter esclarecimentos sobre a atual capacidade de resposta dos serviços de saúde públicos nestas especialidades e se a mesma põe em causa o direito à saúde dos utentes. (nota de imprensa da CME)
*

A ARS, contactada pela agência LUSA, confirmou a saída do director do serviço de oncologia e de outro médico, mas garantiu não ter havido "nenhuma falha" nos cuidados prestados. aqui

5 comentários:

  1. O Dr.Robalo é PS,o jovem Galvoeira é da JS,o Chora é PS......................o PS tem culpas na situação do hospital de Évora,aceitou os tachos do governo e agora a três meses de eleições vem denunciar uma situação na qual pactuou durante quatro anos..........a destruição do SNS.

    ResponderEliminar
  2. Sou doente oncológico! Há mais de um ano que o Serviço de oncologia de Évora é um verdadeiro "faz de conta"! É quase tudo mau! - Desde o atendimento administrativo, passando pelas "tias" da Liga..., que na hora da consulta, com pessoas de pé no corredores vem oferecer rebuçados baratos aos doentes, que são autêntico veneno para diabéticos...
    As médicas estagiárias são de uma frieza e falta de sensibilidade para com este tipo de doente, a toda a prova!
    O director demitiu-se, mas diga-se que esse cavalheiro poucos dias por semana ia ao serviço, pois tinha vários postos (rentáveis!) noutros Hospitais e Serviços...
    Para que se tenha uma ideia da má prestação de serviços aos doentes saiba-se: há semanas certo tipo de quimioterapia foi subitamente interrompida (o que não se deve fazer!) porque Oncologia não o medicamento, isto é, esgotou-se e não teve o cuidado de o adquirir atempadamente... Imagina-se o sofrimento dos doentes terem de recomeçar tudo do início?!
    Oncologia de Évora precisa de uma séria inspecção!
    Mas a Administração é de responsabilidade do PS- Por isso o deputado Bravo Nico não sabe o quê? Esta gente precisava de ser corrida a pontapé e à estalada!
    Deputados, administradores, administrativos, senhoras da "caridadezinha" e alguns médicos em busca de dinheiro fácil!
    É cobarde a pouca e dolorosa vida dos doentes para as suas "habilidades"!

    ResponderEliminar
  3. Fazem isto porque estes grunhos que somos nós deixam. Este povo envergonha pela inanição mental, pelo desinteresse que vota mesmo aquilo que lhe diz respeito, haja outro que fale , outro que dê a cara. Depois escolhem insignificâncias germanófonas, incompetentes para os desgovernar e é merecido, cambada de idiotas. Que Lhes interessa discutir bola, se o maxi pereira sai ou entra, se o a ou B vai para trinco ou ala, somos um povo que não lê que não reflecte merece os gémeos do mal (Sócrates e Passos Coelho)

    ResponderEliminar
  4. reina uma grande des(Ventura) no hospital.

    ResponderEliminar
  5. Este Ventura saiu-me uma desgraça total

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.