terça-feira, 23 de junho de 2015

Parade

Eis-nos mais uma vez em plenas Festas da Cidade de Évora, a Feira de São João. Mais ou menos ansiosos por que chegue mais uma edição, mais ou menos distraídos sobre o que acontece de novo no rossio, os que vivem, nasceram, passam ou passaram frequentemente por Évora não deixam de reparar nela. Nem que seja, no caso dos declarada e convictamente anti- feiras e quejandos, para a contornar e evitar.
Tratando-se de uma iniciativa municipal, os sucessivos executivos no poder acabam sempre por ser julgados, de ano para ano, pelo impacto que cada ano e nesse mesmo ano a Feira tem nos seus frequentadores. Sim, porque deixemos passar um par de anos e lá nos esquecemos nós do que de bom ou mau lhe encontrámos e achámos. Não sendo possível, nunca, agradar a todos, quando esses todos formam uma sociedade plural e livre para o também livre-arbítrio, os políticos em posição de governo tratam, por estas alturas também e sobretudo em períodos pré-eleitorais, de agradar ao maior número possível e cativar os cidadãos, potenciais eleitores. Abrem-se os cordões à bolsa que antes se dizia vazia, furada no fundo - por outros, claro!, sempre por outros, nunca por quem exigia, mesmo na oposição, que se gastasse mais aqui e ali, e não se gastasse nem nestes, nem noutros, afinal já em tempos em que se “faziam oitos com pernas de noves”, o que significa faltar alguma coisa nalgum lado. Uma bolsa sempre a perder recheio que, alinhavada por argumentos que outrora pareciam não servir, miraculosamente em ano de eleições, estancam e arrecadam aqui e ali alguns cobres, para que os cordões se abram e que, mesmo lembrando aos cidadãos que, se em casa continuam sem pão – culpa dos outros, claro! sempre dos outros, e que jeito dá aqui e ali meter essa bucha de relembrar esses outros que são os que nos tiram o pão e nos obrigam a dar-vos bolos – na rua há circo para esquecer.
Desfila-se diligentemente entre os cidadãos, atrás, à frente, no meio ou de lado – conforme dê mais jeito e onde se seja melhor visto pelos que assistem quanto mais deslumbrados melhor - aos cortejos que também se chamam, por vezes, paradas, versão das modernas e internacionais e históricas parades. Desfile, marcha, cortejo, procissão ou parada são eventos comemorativos onde pessoas e objetos móveis percorrem um determinado caminho, sucedendo-se uns aos outros de forma coordenada. Se o desfile é o termo mais neutro, o cortejo é o mais alegórico e carregado de simbologias e a procissão o de carácter religioso. Já marcha se usa mais para a manifestação política e a parada, em português, se associa aos movimentos militares quotidianos. Mas a parade, ah! a parade mistura tudo, numa explosão de festa e de cores que celebra alegrias, num alarido sonoro que chama as atenções, com disfarces que realizam sonhos no tempo, curto, do desfilar, desejos negados pela realidade do dia-a-dia.
Este ano a Feira de São João celebra o Palácio, o nosso o do Dom Manuel, que cresceu pedra sobre pedra na mesma época em que tantos outros palácios se erguiam no que é este espaço chamado Portugal, para albergar os poderosos, os que se sucediam dinasticamente, os filhos ou sobrinhos aos pais e aos avós, numa linhagem sempre desejavelmente pura, mas só no sangue Os que governavam os outros, longe, muito longe ainda do tempo desta Democracia que dá o poder, também do voto e do veto, ao Povo.
E por mais voltas que se dê quando se celebra alguma coisa faz-se-lhe um lugar na memória. Para uns com nostalgias, para outros com repúdio. E para outros, ainda, dando uma no cravo e outra na ferradura. Uma boa Feira e até para a semana.

Cláudia Sousa Pereira (crónica na Rádio Diana)

8 comentários:

  1. Alguém percebeu alguma coisa ??????????????????

    ResponderEliminar
  2. Boa, dra, Cláudia. É mesmo assim: a feira é sempre um cruzar de vaidades em que os pavões do poder entram em concorrência com os pavões de verdade. E este ano foi vê-los a pavonearem-se sem limites. E ainda vamos no princípio.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Está a insinuar que dra, Cláudia se andou a pavonear pela feira?
      Que falta de educação a desta gentinha mesquinha e pequenina. Deviam ter bebido mais chá de marmeleiro em pequeninos, é o que é.

      Eliminar
    2. Coitada da dra. Cláudia. Os pavões este ano vestem de vermelho e exibem as penas do rabo de todas as maneiras e feitios. A dra. Cáudia ainda bebeu algum chá. O resto procura pôr as penas ao sol. Comparada com o actual executivo a dra. Cláudia é uma aprendiz aos marmelos, no que à propaganda diz respeito.

      Eliminar
  3. @15:52
    Os pavões, são usados para enfeitar os jardins, onde abrem o seu belo leque colorido e reluzente, e berram gritos horríveis, "olhem como eu sou bonito!".
    Tal qual estas croniquêtas, de quem quer dar nas vistas, a dar gritos desesperados, sem ter nada que dizer.

    ResponderEliminar
  4. A feira de Évora atual esta esgotado o espaço é horrível, o estacionamento uma anedota, atualmente o negocio e comes e bebes e arrumou.
    Que triste fim!

    ResponderEliminar
  5. Os do PS pavonearam-se na Feira mas os Comunistas são demais!

    ResponderEliminar
  6. Tanta GENTE SEM CASA e tanta CASA SEM GENTE.
    Em Portugal, há muitas famílias sem habitação condigna. E, no entanto, há quase dois milhões de casas vazias. O nosso país é até dos que, na Europa, tem mais casas por família. Muitas estão em nome de fundos de investimento imobiliário, porque os seus donos, poderosos, querem ter isenções de IMI. Chega-se ao absurdo: se uma família não consegue pagar as despesas com a casa, a renda, o IMI... a casa é entregue ao Banco, que deixa de pagar IMI!
    Paulo Morais

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.