terça-feira, 2 de junho de 2015

Évora precisa mesmo de um cinema comercial?


Em Évora exibe-se cinema cinco dias cada semana, às vezes mais. Na Harmonia, na Igreja de São Vicente, no Auditório Soror Mariana e na Casa da Zorra, por vezes algumas outras em formato irregular. A frequência destas salas, associadas a projectos culturais distintos, é baixa, todos o sabemos. O esforço de concretizar este serviço público, promovendo o acesso ao cinema com programas específicos, quase sempre afastados de lógicas comerciais, do império das distribuidoras, das pipocas e da bilheteira. Évora precisa mesmo de um cinema comercial? De um espaço com três salas? No terminal rodoviário?


José Alberto Ferreira (aqui)

30 comentários:

  1. Silêncios..............

    foi encerrado o lar da santa casa da misericordia de reguengos,as crianças eram alvo de maus tratos,assunto da maior gravidade ,mas parece não interessar.

    a extrema -direita no poder destruiu o estado social,os pobres de novo ficaram nas mãos da caridadezinha.

    ResponderEliminar
  2. A criatura que dirige a segurança social,não se pronuncia...........os partidos estão em silêncio.................

    ResponderEliminar
  3. Claro que Évora precisa de salas de cinema comercial e isso nem se discute.
    Nem precisam de entrevistar os Eborenses para saber a resposta.

    Só os intelectuais de trazer por casa é que poderiam questionar uma coisa dessas

    ResponderEliminar
  4. Se Évora precisa ou não de um Cinema COMERCIAL, será o mercado e respectivos consumidores a determinarem.
    Não há nenhum poder nem nenhum intelectual, por mais capacidade e inteligência que tenha, capaz de responder à questão.

    Em primeiro lugar é preciso que haja alguém com vontade e capacidade para investir. Depois é aguardar para saber se o público corresponde. Se corresponder o Cinema sobrevive, se não corresponder fecha a porta.

    Agora, o que é possível saber é que há outras cidades, equivalentes a Évora que têm Cinema Comercial a funcionar. Algumas nem Universidade possuem, como é o caso de Portimão. Porque não em Évora?...

    ResponderEliminar
  5. Um funcionário ROUBA, o Pinto de Sá abençoa.

    E é assim que os comunistas gerem o dinheiro que eu desconto para os tacho deles!
    http://www.tribunaalentejo.pt/tribuna/artigo/c%C3%A2mara-rejeita-despedimento-de-funcion%C3%A1ria-que-desviou-dinheiro

    ResponderEliminar
  6. Com certeza que precisa!!!! Essa pergunta nem se coloca. Ou o cinema em Évora é só para os eruditos desta cidade?
    Obviamente que as salas de que fala também farão falta. Essencialmente para os filmes de autor, que é basicamente o que passam. Agora deêm também oportunidade a que gosta de filmes mais comerciais de poderem ter uma sala digna desse nome.
    Nenhuma das salas de que falou tem a qualidade que uma sala de cinema deve merecer.
    Cumprimentos.
    Joaquim

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Perguntar todos têm direito, mesmo quando a pergunta, como é o caso, é nitidamente cretina. Mas concordo com a sua apreciação.

      Eliminar
  7. Évora precisar ou não de cinema comercial é coisa que pouco me interessa. O que me interessa é a Câmara da minha cidade ir vender por tuta e meia, pouco mais de 20 mil euros, um lote de terreno municipal, com projecto feito pela própria Câmara, para instalar um negócio privado (não estamos a falar de apoios à cultura) que se deve reger pelas regras gerais da concorrência e que nem sequer vai criar muitos postos de trabalho (4 ou 5, quanto muito). Na procura desenfreada de votos qualquer dia vamos assistir a esta câmara comunista (!) apoiar a iniciativa privada de qualquer bordel que se queira instalar em Évora.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bordel? Ja começou. O Pinto de Sá ja passou uma esponja no assunto da funcionária que roubou o etário publico.

      Eliminar
    2. A culpa é do Luciano e do Sá

      Eliminar
  8. Claro que precisa! Pode ser no terminal rodoviário ou noutro lado qualquer, mas precisa também dessa componente, de satisfazer essa procura, esses públicos.

    Mesmo os que não são adeptos do cinema comercial, como eu, que aprecio o cinema menos convencional, mais alternativo, menos inserido nas lógicas e nos circuitos comerciais, sentem que a cidade perdeu quando fecharam as duas salas do Eborim.

    Eu não sei se o novo investimento é rentável e se se aguentará. Mas é dever da autarquia tentar, facilitando, proporcionando condições, de modo responsável. Para ver se os eborenses, quando quiserem ver cinema comercial atualizado, não têm que ir a Lisboa ou aos arredores.

    ResponderEliminar
  9. O que não se admite e que a câmara ofereça o projecto a um privado!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Antes de comentares, devias aprender a ler...
      Assim, dá nisto.

      Eliminar
  10. O que eu ainda não percebi, mas certamente porque sou um pouco "lerdo". Afinal qual vai ser o espaço em que vão instalar essa tal sala de cinema.Não me digam que é aquele que fica logo a seguir à central de camionagem, e que vai até à igreja e possui algumas árvores?? Se si, só tenho uma palavra a dizer LAMENTÁVEL.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece que sim, és um pouco lerdo...

      Eliminar
    2. sim...
      parece que o PCP quer acabar de vez com aqueles eucaliptos depois de ter derretido lá dinheiro com um campo de minigolfe

      Eliminar
    3. Outro lerdo?
      Porra, que isto parece contagioso...
      (ou será sempre o mesmo?)

      Eliminar
  11. Afinal não sou assim tão "lerdo" pelo menos muito menos do que certos xicos espertos que por aqui vão pousando. Pois parece que a CME quer acabar com um dos poucos espaços verdes, já agora onde estão os tais verdes da coligação, ou isso é só para a foice e o martelo não aparecerem no boletim de voto, ou será porque aqueles espaço verde é composto essencialmente por eucaliptos, sim é capaz de ser isso.
    Para terminar, afinal quem levou a CME à falência não foi apenas o PS, pois quando aquele partido ganhou as eleições à 13 anos, a divida já ia em cerca de 30 mil euros, 1/3 da divida actual. Por isso caros "camaradas" antes de acusarem, vejam bem se não tem telhados de vidro.
    1LERDO

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. 30 milhões de Euros MAIS as obras que já tinham sido adjudicadas pelos camaradas da Rua D'Aviz e que foram contabilisticamente parar à gestão do Ernesto!

      Eliminar
    2. Ou és um ignorante, ou és um aldrabão, à escolha.
      A CDU deixou uma dívida perfeitamente sustentada e sustentável pelo rendimento e património municipal. Deixou uma carteira de projectos e de investimentos que iriam permitir recuperar a dívida.
      O PS/PSD alienaram o património ao desbarato; fizeram investimentos à toa e inúteis; meteram o município em negócios ruinosos; assumiram compromissos insustentáveis; e aumentaram a dívida em 30 milhões.
      O resultado está à vista: a falência do município, e as restrições do PAEL.
      Quando falares da CDU, vê lá se tens respeito pela verdade.

      Eliminar
    3. As obras foram parar contabilisticamente à gestão do Ernesto e também podiam ter ido as RECEITAS provenientes dessas obras, se "gestão do Ernesto" não as tivesse deitado borda fora...

      Como foram para à "gestão do Ernesto", terrenos, lote urbanos, infra-estruturas e prédios, cujo valor ultrapassava em muito a dívida deixada.
      (Só nas redes de águas e esgotos, entregues às águas de Portugal por cerca da 10 milhões de euros, os serviços municipais tinham-nas avaliados em mais de 30 milhões de euros. E a "gestão do Ernesto", apesar de saber perfeitamente isso, aceitou sem discutir as constas viciadas da AdP, entregando-lhe assim de mão beijada cerca de 20 milhões de euros. E, aqui, está uma das razões do prejuízo anual de 5 milhões de euros que a autarquia e os eborenses têm de suportar...)

      Como em 2013, a dívida de quase 90 milhões de euros, não trazia nem RECEITAS nem PATRIMÓNIO significativo
      (esse foi sendo desbaratado, quase completamente ao longo de 12 anos. Até os serviços foram obrigados a instalar em pavilhões alugados, com os custos que se conhecem... )

      Ou seja a dívida deixada em 2013 é de TOTAL responsabilidade do PS, visto que o Património que a podia suportar deixou de existir. E é por isso que a CME foi declarada em 2013 "tecnicamente falida"...

      Eliminar
  12. Pelo menos têm a coragem para admitir que o PS herdou uma divida de 30 milhões.
    Com um pouco mais de coragem, havemos de vir a saber muito mais da gestão maravilhosa da actual gestão. Já agora e só por curiosidade, em quanto vai a divida neste momento, já chegou aos 100 milhões?. Ou são como o outro, também tem os cofres cheios (de ar claro).
    1LERDO

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. @22:42
      Se não fosses ignorante, que mais gostarias de ser?

      Eliminar
    2. @22:42
      «Pelo menos têm a coragem para admitir que o PS herdou uma divida de 30 milhões»
      Não se trata de coragem, pois isso nunca foi escondido
      O que foi sempre desmentido - e há-de continuar a ser -, foi a invenção do PS de que a dívida era de 70 milhões.

      Mas também foi sempre dito que o valor do património deixado em 2001 - terrenos, lotes, infraestruturas e prédios - cobria largamente o valor da dívida. Só em infraestruturas de águas e esgotos, 'oferecidas' à AdP, o valor estimado era de 30 milhões.

      Em 2013 a dívida a dívida era próxima dos 90 milhões e não havia, nem há, património para cobrir a dívida. Por isso é que a câmara foi considerada tecnicamente falida.
      Ou seja a responsabilidade da falência é exclusivamente do PS, visto que em 12 anos esbanjou quase todo o património municipal e quase triplicou a dívida. E, o pior, é que não há obra que se veja.

      Se tivessem vergonha na cara pediam desculpa e nos próximos tempos andavam humildemente de cabeça baixa.

      Eliminar
  13. Cinema COMERCIAL? Só se houver clientes... se não a loja fecha. É o comércio, estúpido!
    Falta saber se a CME vai subsidiar (directa ou indirectamente) um projecto comercial (filmes americanos de terceira ordem), quando pretende que não há dinheiro para a cultura. E se aprioridade é rentabilizar as grandes distribuidoras e a máquina infernal de Hollywood

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ÉVORA precisa é que a universidade se va embora de cà e leve os vandalos dos alunos. So vieram prejudicar os Eborenses inflacionando tudo na cidade. Fora com a universidade!!!!!!!!

      Eliminar
  14. Há aqui algum iluminado que me explique a logica do "cinema comercial" vs "cinema nao comercial" (seja lá isso o que for...)?. Seria também bom explicar o porque da despreciação a priori cinema dito "comercial".É porque é tudo, como xenofobamente aventa o comentador das 00.01, "filmes AMERICANOS de terceira ordem"? Talvez não tenha assistido por exemplo a obras primas recentes como o Interstellar, americano, "comercial", mas que não só é uma obra de arte como uma autentica dissertação cientifica com o apoio de alguns dos mais reputados astrofisicos actuais. Ou o espetaculo visual do ultimo Mad Max (um marco para a futura historia do cinema). Claro que há muito blockbuster que não valem nada (embora os eborenses que queiram tenham direito a assistir), mas olhe que há muito cinema "alternativo" que é de bradar aos céus do mai que é (mas igualmente todos temos direito em assistir). Évora como está está limitada. É que há quem goste de cinema e não esteja limitado por vendas ideologicas como o senhor/a...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dá gosto ler quem percebe de cinema.
      Viva o que vende.
      Viva o pimba.
      Viva o lixo com que alienam o povo.

      Eliminar
    2. Pimba e alienado é vossa excelência... É doutorado em cinema, ou é especialista em todo o tipo de artes a priori só porque é do PCP?

      Eliminar
    3. 17:10
      Se não fosses burro, o que gostarias de ser?

      Eliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.