terça-feira, 16 de junho de 2015

Câmara de Évora tem 1049 trabalhadores no quadro e 175 precários


No período antes da Ordem do Dia (da reunião de Câmara de 11 de Junho), o Vereador Eduardo Luciano deu conhecimento da assinatura de acordo de colaboração para realização da Bienal Internacional de Marionetas de Évora (BIME) em 2016 e 2017 e todas as atividades que decorram de um plano a elaborar de salvaguarda e promoção dos bonecos de Santo Aleixo como parte fundamental do património cultural imaterial do território. Este acordo reúne em parceria a Direção Regional de Cultura do Alentejo, a Entidade Regional de Turismo do Alentejo, a Câmara Municipal de Évora e o CENDREV.
A Vice-Presidente Élia Mira informou sobre a recente reestruturação interna da Habévora que incidiu na constituição de duas equipas de técnicos de serviço social, uma direcionada para o trabalho de acompanhamento aos processos de inscrição para atribuição de habitação social e outra direcionada para o trabalho de acompanhamento aos agregados familiares inquilinos residentes nos bairros de habitação social propriedade da Habévora, E.M. Uma das medidas implementadas será acompanhar os processos dos agregados familiares inquilinos através da criação do atendimento de proximidade. Assim, além do atendimento normal que se mantém na Habévora, cada uma das técnicas efetuará também um dia de atendimento por semana (quartas feiras) nas diferentes sedes das freguesias onde há habitação social.
Élia Mira deu também conta das mais recentes ações no âmbito da geminação entre Évora e Chartres (França) com a receção de cidadãos franceses em Évora e respetiva visita à cidade.
O Presidente Carlos Pinto de Sá deu conhecimento ao Executivo Municipal do Balanço Social do Município de Évora referente a 2014. O documento apresenta um conjunto de indicadores que caracterizam os trabalhadores e que podem ajudar a orientar na tomada de decisões. No final de 2014 o Município de Évora tinha, ao seu serviço, 1049 trabalhadores com relação jurídica de emprego. Além destes, trabalharam ainda na autarquia 132 pessoas em trabalho temporário ao abrigo de programas do Instituto de Emprego e Formação Profissional; 26 estagiários, cinco pessoas no âmbito do Programa Vida Emprego, que visa a inserção na vida ativa de toxicodependentes em recuperação ou recuperados; e 12 pessoas em trabalhos a favor da comunidade, no âmbito de acordo com o Instituto de Reinserção Social.
Foi aprovado por unanimidade a ratificação do Despacho do Presidente de aprovação da minuta de contrato para a empreitada de reabilitação do pavimento da Av. Túlio Espanca. A urgência na adjudicação deveu-se, nomeadamente, ao elevado grau de degradação do pavimento, à previsão de grande afluência de pessoas a circular naquela zona durante a Feira de S. João e também por ser uma das principais artérias. O valor da adjudicação é cerca de 150 mil euros (mais IVA) e o prazo para a execução de todos os trabalhos é de 30 dias, a contar da data da sua consignação.
Aprovação unânime mereceu igualmente a aceitação da doação ao Município de parcela de terreno (1598,67m2) feita por Joaquim Miguel Gonçalves Potes, a desanexar de prédio denominado Ferragial do Xarrama (Bacelo), destinada a regularizar e ampliar o arruamento que serve quer o Centro Social e Paroquial de Nª Sª de Fátima quer os utentes do mesmo, bem como o Bairro do Frei Aleixo.
O Vereador João Rodrigues deu conhecimento da colocação de meio aéreo e respetiva equipa da Força Especial de Bombeiros “Canarinhos” no Aeródromo Municipal de Évora no âmbito do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais 2015 e apoio logístico. (nota de imprensa da CME)

14 comentários:

  1. - Cerca de 400 desses 1049, são trabalhadores das escolas do concelho: contínuos, administrativos, cozinheiros, etc....

    - há cerca de 650 trabalhadores para exercer TODAS as atribuições e competências do município em TODO o concelho.

    Ou seja:
    - A CME tem menos funcionários que o hospital de Évora;
    - A CME tem menos funcionários que as Escolas do concelho, se aos 400 auxiliares educativos lhes juntarmos os professores;
    - A CME tem menos funcionários que os serviços regionais de Agricultura e Florestas, apesar da agricultura e florestas estar no estado que se conhece...

    ResponderEliminar
  2. Na Universidade trabalha um numero elevado de desempregados,a executarem todo o tipo de trabalho,a reberem uma miséria são os novos ESCRAVOS.

    ResponderEliminar
  3. A câmara pode ter isso tudo e pode ter as dificuldades financeiras que tem, que são iguais às dificuldades financeiras de outras câmaras.

    A câmara tem também uma enorme dificuldade em organizar e orientar os trabalhadores que tem, deixando até que estes (sobretudo os que andam cá por fora) «desenrreguem» quase com uma hora de antecedência em relação ao horário de saída.

    Toda a gente nesta cidade os vê por aí, quando não ficam lá para os estaleiros à espera do almoço, e toda a gente percebe que é pessoal que não tem controle e ninguém responsável os quer e sabe gerir.

    Ainda agora passei junto ao novo hotel Vila Galé e é uma vergonha, reparar no lixo que existe entre o hotel e a Escola Severim Faria.

    É este o contributo que a câmara presta à construção de mais este equipamento para a cidade, tendo tido a lata de vir anunciar em reunião de câmara a «implementação» daquela estrutura?

    É preciso uma autorização especial para mandar ali pessoal limpar aquilo?


    E pergunta-se.... porquê?...


    Emanuel

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «A câmara pode ter isso tudo e pode ter as dificuldades financeiras que tem, que são iguais às dificuldades financeiras de outras câmaras.

      Dificuldades todas têm, mas a Câmara de Évora está no Top 20 das mais endividadas. Em 310 autarquias, estar no TOP 20 é obra!

      Acresce que a partir de 2013 entrou no clube das câmaras "tecnicamente falidas" pois o valor do património deixou da dar para cobrir o valor da dívida. Daí a entrada no PAEL que nos obriga a todos nós a pagar TAXAS e IMPOSTOS no máximo, durante 20 ANOS:
      É OBRA, COMPADRE!... e não é para qualquer uma.

      Eliminar
  4. AS direções Regionais de agricultura e florestas também viveiros de "trabalhadores" tal como os CME. Deviam fazer um estágio de um ano do Pingo Doce ou Modelo para saberem o que é trabalhar, no duro as horas extraordinárias não existem vão para o banco de horas, outra hipótese para aprenderem a rigidez no trabalho 2 ANOS NUMA FÁBRICA o que é trabalhar. á Mandriece o oposto é tarabalhar no duro

    ResponderEliminar
  5. Portugal no poletão da frente.


    o quinto na corrupção.

    Passos conseguiste.

    ResponderEliminar
  6. Sócrates..........Passos.......e Portas,estão de parabens,conseguiram.


    Portugal em quinto na Corrupção.

    ResponderEliminar
  7. Por amor de Deus.
    Reciclem os comunistas, por favor!
    A Alentejo está no abismo devido a 40 anos de predomínio de pensamento desta gente...

    ResponderEliminar
  8. há cerca de 650 trabalhadores para exercer TODAS as atribuições e competências do município em TODO o concelho.
    Pura brincadeira?
    Quantos trabalham na rua????Se chegaram a 50 é milagre o restante são arquitectos engenheiros e outros qualificados é escandaloso o quadro de pessoal da nossa autarquia,Pinto de Sá não teve coragem e estão a se enterrar diariamente nada funciona.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando não se sabe do que se fala, como é o teu caso, mais vale ficar calado.

      Eliminar
  9. "deviam fazer um estágio de um ano do Pingo Doce ou Modelo"
    Ao que chegamos, então este energúmeno acha que o ideal de empregadores são as do Pingo Doce ou do Modelo.
    Realmente já nada me espanta neste País de cobardes e costas vergadas, que em vez de defenderem que os trabalhadores deverão ser isso mesmo e não escravos dos seus patrões, vem para aqui defender aquilo que certamente na sua actividade profissional nunca tiveram, ou seja qualidade de vida e uma remuneração compatível com a sua actividade, deve tratar-se de mais ym Boy (diria antes Boi) apoiante deste desgoverno.
    Vergonha, é o que sinto por no meu Portugal por ainda existirem pessoas que em vez de tentarem terem uma sociedade melhor, onde as desigualdades no trabalho sejam as menores possíveis, antes pelo contrário, desejam que aqueles que trabalham, aqueles que produzam sejam autênticos escravos.
    Tenho pena que ainda existam estes tristes, na verdade só assim se compreende como é que este desgoverno que levou o nosso país em termos de regalias sociais aos piores tempos da Salazarismo. LAMENTÁVEL.
    MdM

    ResponderEliminar
  10. O que nós precisamos de saber é quantos entraram desde que o PS tomou conta da Câmara e quantos ja entraram apos o PC ter voltado.
    Não contabilizemos os dos tempos do Abilio Fernandes, mas se quiaserem podem tbm.
    E destes que o PS lá meteu e os do PCP quantos são MESMO NECESSÁRIOS.

    Isto sim é que queremos saber.
    O resto é conversa da treta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porque nao contabilizar os do PCP do Abilio e em especial a cunha partidaria?

      Eliminar
  11. Falta apenas uma coisa.....
    ~
    E O VIVA A MUSICA??????????

    já se esqueceram do que prometeram??????????

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.